PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Itália quer vacinar metade da população até junho

Vacinação em Roma, na Itália - Antonio Masiello/Getty Images
Vacinação em Roma, na Itália Imagem: Antonio Masiello/Getty Images

07/03/2021 12h28

ROMA, 7 MAR (ANSA) - O ministro da Saúde da Itália, Roberto Speranza, afirmou que espera que metade da população do país esteja vacinada contra a Covid-19 até junho deste ano, quando começa o verão europeu, em uma entrevista dada neste domingo (7).

"Acreditamos que o próximo trimestre seja decisivo para a vacinação. A partir de 1º de abril, começa o segundo trimestre onde esperamos receber mais de 50 milhões de doses, e temos como meta atingir ao menos a metade da população", disse à "RAI3".

Segundo Speranza, entre essas doses que serão aplicadas, também estará a vacina da Johnson & Johnson, que necessita apenas de uma aplicação e que está em vias de aprovação pela Agência de Medicamentos Europeia (EMA).

O ministro afirmou ainda que a Agência Italiana de Medicamentos (Aifa) liberará a vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford para pessoas acima dos 65 anos por conta dos novos resultados que mostram que o imunizante é eficaz "para todas as faixas etárias".

No entanto, o político reconheceu que o avanço das variantes do coronavírus Sars-CoV-2 preocupa as autoridades sanitárias e o governo.

"O que eu espero é que o impacto das variantes faça crescer a curva [de contágios] e também acredito que outras regiões passem para a faixa vermelha com ordens de natureza restritiva. As medidas precisarão ser adequadas ao andamento da curva epidemiológica e analisaremos dia a dia o andamento dela", acrescentou.

Conforme dados do próprio governo divulgados na última semana, a variante britânica já é predominante nos casos detectados no país e a brasileira representa 4,3% dos infectados - em algumas regiões, esse número sobe para 30%.

O último boletim do Ministério da Saúde, divulgado neste sábado (6), mostra que a Itália tem pouco mais de 3 milhões de casos confirmados da Covid-19 e quase 100 mil mortes.

Notícias