PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

China defende ações em Hong Kong e Taiwan e alfineta EUA

07/03/2021 13h01

PEQUIM, 8 MAR (ANSA) - O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, defendeu neste domingo (7) as ações de Pequim nos territórios de Hong Kong e Taiwan e chamou de "ridiculamente absurdas" as acusações de que o governo cometa um genocídio contra a minoria uigur em Xinjiang.   

Segundo Wang, a revisão da lei eleitoral de Hong Kong tem como objetivo "manter a estabilidade" e também "reforçar o modelo de 'um país, dois sistemas".   

"Eles são uma parte da China e não é possível não serem patrióticos", disse o ministro justificando o juramento de lealdade a Pequim na hora da posse dos novos eleitos. A ação é vista na comunidade internacional como uma forma de sufocar a oposição pró-democracia no território.   

Sobre Taiwan, Wang ressaltou que a unificação entre o território e a China "é uma tendência histórica" e que Pequim está atenta e tem capacidade de responder "qualquer tentativa separatista".   

Sobre as acusações de um "genocídio" da minoria uigur, que voltou à tona nestas semanas por conta de novas revelações da imprensa britânica, o ministro disse que tudo não passa de uma "mentira completa" e que países ocidentais estão acreditando nisso por "escolha".   

"Quando se fala em genocídio, a maior parte das pessoas pensa nos nativos norte-americanos no século 17, nos escravos africanos do século 19, nos judeus do século 20 e nos indígenas australianos que ainda estão em luta", alfinetou citando alguns dos países que fazem as mais duras acusações contra Pequim - Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e Austrália.   

Seguindo ainda nas indiretas, ao ser questionado sobre a relação com Washington, Wang afirmou que há uma "diferença e desacordo" porque ambos possuem sistemas sociais diferentes.   

"Agora é preciso gerir isso de maneira eficaz através de uma comunicação direta para evitar erros de cálculo estratégico e evitar conflitos e combates. É interesse dos dois países e de todo o mundo que a cooperação seja o objetivo principal.   

Desejamos que os Estados Unidos sigam nessa direção e removam as injustificáveis restrições o quanto antes sem criar novos obstáculos", acrescentou.   

Wang também cobrou que Washington retire as sanções contra o Irã sobre as questões do acordo nuclear, mas cobrou "responsabilidade" de Teerã, que vem enriquecendo urânio acima do permitido como "resposta" aos EUA. (ANSA).   

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Notícias