PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Itália se torna primeiro país da UE a proibir exportação de vacinas

04/03/2021 17h57

Bruxelas, 4 mar (EFE).- A Itália bloqueou o envio para a Austrália de 250 mil doses da vacina AstraZeneca, disseram nesta quinta-feira fontes europeias à Agência Efe, e assim tornou-se o primeiro país da União Europeia (UE) a tomar uma decisão desse tipo, já que Bruxelas aprovou o mecanismo de controle de exportação de medicamentos produzidos em território comunitário.

A Itália transferiu sua decisão para a Comissão Europeia (CE) na semana passada e o Executivo Comunitário, que tem a última palavra sobre o assunto, não se opôs à proibição decretada por Roma.

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, falou ontem com a presidente da CE, Ursula Von der Leyen, sobre como acelerar a resposta sanitária da Europa contra o coronavírus, em relação à campanha de vacinação.

A Comissão Europeia aprovou o mecanismo após a polêmica com a AstraZeneca pelo seu anúncio de que no primeiro trimestre forneceria menos da metade das doses acordadas com Bruxelas e pela suspeita de que a farmacêutica estaria vendendo vacinas correspondentes aos países da UE para o Reino Unido.

Estas insinuações foram rejeitadas pelo laboratório anglo-sueco.

A medida exige que as empresas farmacêuticas avisem previamente as autoridades nacionais sobre quantas doses fabricadas no seu território pretendem exportar para outros países e os Estados devem decidir no prazo de 48 horas se autorizam ou não a venda, embora tenham de consultar a Comissão Europeia.

As doses podem ser bloqueadas se for considerada a quantidade a ser exportada é tão alta que pode colocar em risco o fornecimento de vacinas à UE.

O mecanismo de controle de exportação gerou uma crise política entre Bruxelas, Dublin e Londres, devido à autorização inicial dada pela CE para bloquear a exportação de vacinas entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte.

Notícias