PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Pré-candidato a prefeito é morto a tiros no leste do México

24/02/2021 17h23

México, 24 Fev 2021 (AFP) - Um pré-candidato a prefeito de Puerto Morelos, vizinho do balneário de Cancún (leste), foi morto a tiros nesta quarta-feira(24), informaram as autoridades locais, somando quase cinquenta políticos mortos no âmbito do atual processo eleitoral no México.

A vítima, Ignacio Sánchez, que era um pré-candidato de uma coalizão liderada pelo partido governista Morena, também atuou como secretário de Desenvolvimento Social de Puerto Morelos.

"O ataque foi realizado enquanto a vítima estava em um refeitório. Em decorrência dos ferimentos, perdeu a vida em um hospital", relatou a promotoria estadual de Quintana Roo.

Segundo informações da imprensa local, o político estava acompanhado por outras pessoas quando um homem se aproximou e disparou várias vezes.

Puerto Morelos, com cerca de 20.000 habitantes, é vizinho de Cancún e também possui praias que atraem turistas, principalmente amantes dos esportes náuticos.

O México realiza eleições gerais em junho, nas quais as 500 cadeiras da Câmara dos Deputados serão renovadas e governadores de vários estados e milhares de cargos locais serão eleitos.

Em um contexto de violência ligada ao crime organizado, centenas de políticos sofreram atentados ou foram assassinados, em ações que se multiplicam durante os períodos eleitorais.

Segundo apuração da consultoria Etellekt, no período de 17 de setembro, quando iniciaram as pré-campanhas, ao dia 16 de fevereiro, 46 políticos foram assassinados, entre eles, 10 pré-candidatos.

O processo eleitoral que culminou nas eleições de julho de 2018 foi o mais violento.

A Etellekt contabilizou o homicídio de 153 políticos, dos quais 48 eram candidatos a cargos eletivos.

Segundo a consultoria, 90% desses crimes ficam impunes. Desde dezembro de 2010, quando o governo lançou uma polêmica operação antidrogas, o México registrou mais de 300.000 mortes violentas, de acordo com dados oficiais que atribuem a maioria desses crimes ao crime organizado.

sem/rsr/jc/mvv

Notícias