PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Filhote de cachorro sobrevive ao nascer com 6 patas e duas caudas nos EUA

A cadela Skipper sobrevive apesar da condição congênita que a faz ter seis pernas e duas caudas - Reprodução/Hospital Veterinário Neel/Facebook
A cadela Skipper sobrevive apesar da condição congênita que a faz ter seis pernas e duas caudas Imagem: Reprodução/Hospital Veterinário Neel/Facebook
do UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

23/02/2021 09h20

A cadelinha Skipper sobreviveu e está superando todas as expectativas de vida depois que nasceu na semana passada com seis patas e duas caudas em um hospital veterinário na cidade de Oklahoma, nos Estados Unidos. Isso aconteceu pois a filhote possui um distúrbio congênito, que lhe dá várias características especiais.

A condição é conhecida como monocephalus dipygus e monocephalus rachipagus dibrachius tetrapus. Isso significa que Skipper possui apenas uma cavidade torácica, mas duas regiões pélvicas, duas vias urinárias inferiores e dois sistemas reprodutivos.

Em uma publicação postada no Facebook no domingo (21), o Hospital Veterinário Neel informou que, até então com apenas quatro dias de vida, é possível que a cadela seja o cachorro que sobreviveu por mais tempo com esse distúrbio, pois estudos anteriores não traçam evidências de que outros cães tenham sequer nascido vivos.

This is a miracle named Skipper. Literally. She has survived longer than we suspect any other canine has (at just 4 days...

Publicado por Neel Veterinary Hospital em Domingo, 21 de fevereiro de 2021

Mas a cachorrinha passa bem, parece estar forte e faz cocô e xixi normalmente. "Ela mama bem e está está crescendo adequadamente até agora. Todas as suas pernas se movem e respondem aos estímulos como um cachorrinho normal", descreveu o hospital.

Raio-x mostra a condição congênita da cadelinha Skipper - Reprodução/Hospital Veterinário Neel - Reprodução/Hospital Veterinário Neel
Raio-x mostra a condição congênita da cadelinha Skipper
Imagem: Reprodução/Hospital Veterinário Neel

Skipper possui sinais de espinha bífida ao longo da coluna, ou seja, há um fechamento incompleto no segmento de uma ou mais vértebras da coluna vertebral da filhote. Por isso ela terá que fazer fisioterapia para melhorar sua mobilidade, que pode se reduzir conforme ela for envelhecendo.

A fofura quase nasceu com um irmão de ninhada, mas veterinários acreditam que ela acabou não se separando dele no útero. Como resultado, Skipper veio ao mundo sozinha, mas com sua aparência única.

Skipper possui uma cavidade torácica, duas regiões pélvicas, duas vias urinárias inferiores e dois sistemas reprodutivos - Reprodução/Hospital Veterinário Neel - Reprodução/Hospital Veterinário Neel
Skipper possui uma cavidade torácica, duas regiões pélvicas, duas vias urinárias inferiores e dois sistemas reprodutivos
Imagem: Reprodução/Hospital Veterinário Neel

"Continuaremos a pesquisar suas condições, monitorar seu desenvolvimento durante as novas verificações e ajudar a manter Skipper livre de dor e confortável para o resto da vida", prometeu o Hospital Veterinário Neel.

A família da cadelinha diz que ela está começando a engatinhar em casa e abriu uma vaquinha para arcar com despesas veterinárias no site de arrecadação coletiva Go Fund Me. Desde ontem, eles já arrecadaram mais de US$ 1,2 mil (cerca de R$ 6,5 mil) de uma meta de US$ 2 mil (R$ 10,9 mil).

Notícias