PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

FC St. Pauli - muito mais que mero futebol

Gerd Wenzel

23/02/2021 08h35

FC St. Pauli - muito mais que mero futebol - O St. Pauli não é apenas um clube. Ele personifica os valores que defende: contra o racismo, fascismo e qualquer tipo de discriminação. Uma visão compartilhada também por seus milhões de torcedores.Estima-se que só na Alemanha haja aproximadamente 11 milhões de simpatizantes e torcedores cujos corações batem pelo St. Pauli, um clube cuja trajetória se deu majoritariamente na segunda divisão. Foram 28 temporadas na Segundona e apenas oito na divisão de elite. A última vez que o clube da caveira frequentou a Bundesliga foi em 2011. Desde então se mantém na segunda prateleira do futebol alemão, e em 2018 seu arquirrival local Hamburgo passou a lhe fazer companhia.

Os dois se encontrarão na próxima rodada. O jogo poderá significar um divisor de águas na atual campanha de ambos. Enquanto para o Hamburgo uma vitória é fundamental para cimentar suas ambições de voltar à elite após três anos de ausência, para o St. Pauli um triunfo no dérbi hamburguês o afastará, pelo menos temporariamente, do fantasma de mais um rebaixamento que desta vez seria rumo à terceira divisão.

Acontece que o St. Pauli não é apenas mais um clube de futebol. O St. Pauli se tornou também uma marca representada pelos valores que defende.

Em recente entrevista ao portal Wirtschaftsforum, o diretor do clube Bernd von Geldern explicita: "Nosso clube se caracteriza por defender valores humanistas. Lutamos contra racismo, fascismo e qualquer tipo de discriminação. Desenvolvemos camisetas com os dizeres ‘no place for homophobia, facism, sexism, racism'. Esse é o núcleo de nossa postura”.

Vale ressaltar que não é apenas a postura da diretoria, mas é uma postura compartilhada pela comunidade de torcedores que participam ativamente de ações sociais e dão impulsos a campanhas a favor dos valores defendidos pelo clube.

A bandeira com a caveira, por exemplo, foi trazida para dentro do estádio Millerntor por torcedores como símbolo de uma postura social e política do clube. Ao mesmo tempo, a diretoria baixou uma diretriz segundo a qual não seria permitido qualquer tipo de manifestação discriminatória contra quem quer que seja nas dependências do estádio. Além disso, o arco-íris, símbolo do movimento LGBTQ, foi integrado ao uniforme dos jogadores, à braçadeira do capitão, assim como a diversos produtos do seu "fanshop".

No espectro político, o clube e seus fãs se situam claramente à esquerda. A massa torcedora se declara antifascista e antirracista. Antes da pandemia, quando o St. Pauli jogava fora de casa, não era raro ocorrerem conflitos com hooligans neonazistas, e muitos torcedores participavam regularmente de manifestações políticas na cidade.

O clube se orgulha ainda de poder contar com a maior torcida feminina do país. Uma iniciativa da torcida organizada em 2002 forçou a diretoria do clube de retirar do Estádio Millerntor uma propaganda sexista da revista masculina Maxim.

A fama do St. Pauli extrapolou as fronteiras da Alemanha e com o tempo foi se tornando um clube "cult” festejado também por grupos da cultura Punk. Há dezenas de fã clubes espalhados pelo mundo que se identificam com a postura e os valores do St. Pauli.

É justo perguntar se com todo esse envolvimento social o Departamento de Futebol do clube não corre o sério risco de ser relegado a um plano secundário. Para quem conhece a massa torcedora do St. Pauli sabe que esse perigo não existe. Quem torce pelo St. Pauli o faz principalmente pelo futebol, mesmo porque também nesse departamento o ideário de inclusão e integração prevalece.

O clube é um dos poucos na Alemanha que mantém um time de futebol para deficientes visuais e que disputa o campeonato nacional dessa modalidade. Nas últimas quatro temporadas oficiais da Liga Alemã para Deficientes Visuais o St. Pauli sempre chegou à final e conquistou o título de campeão alemão uma vez. É um desempenho e tanto. Um exemplo do qual os profissionais do St. Pauli poderão se lembrar quando estiverem jogando contra seu arquirrival Hamburgo numa partida que pode determinar o seu destino.

---


Gerd Wenzel começou no jornalismo esportivo em 1991 na TV Cultura de São Paulo, quando pela primeira vez foi exibida a Bundesliga no Brasil. Atuou nos canais ESPN como especialista em futebol alemão de 2002 a 2020, quando passou a comentar os jogos da Bundesliga para a OneFootball de Berlim. Semanalmente, às quintas, produz o Podcast "Bundesliga no Ar". A coluna Halbzeit sai às terças.
Autor: Gerd Wenzel

Notícias