PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Anvisa diz que aguarda resposta sobre pendências em pedido da Fiocruz

Imunizante teve pedido feito pela Fiocruz uma semana antes da vacina da Pfizer, que foi aprovada hoje - Governo do Rio Grande do Sul/Divulgação
Imunizante teve pedido feito pela Fiocruz uma semana antes da vacina da Pfizer, que foi aprovada hoje Imagem: Governo do Rio Grande do Sul/Divulgação
do UOL

Do UOL, em São Paulo

23/02/2021 21h03

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) deu atualizações hoje sobre como anda o pedido de registro definitivo da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca/Oxford, que foi feito pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). Segundo a agência federal, o processo aguarda ainda a resposta sobre pendências apontadas pela Anvisa para chegar a um parecer final.

A explicação foi dada no dia em que Anvisa concedeu o registro de uso definitivo para a vacina da Pfizer/Biontech, o primeiro do tipo no país. A autorização foi definida 18 dias após a entrada do pedido. Já a solicitação da Fiocruz, que produzirá a vacina de Oxford no Brasil, foi feita uma semana antes, em 29 de janeiro.

"A gente fez uma reunião com eles semana passada e existem ainda informações que precisam ser complementadas. A gente precisa ter dados da vacina fabricada aqui no Brasil porque o pedido pressupõe essa fabricação aqui, e como ainda estão no processo de fabricação, a gente solicitou a complementação e agora está na pendência deles", disse o gerente-geral de medicamentos da Anvisa, Gustavo Mendes.

Profissionais da agência federal concederam entrevista coletiva hoje em Brasília para detalhar o processo que levou à aprovação do primeiro registro definitivo de uma vacina contra a covid-19 no país. Com a autorização, o imunizante da Pfizer pode ser aplicado não apenas em grupos prioritários, como vem sendo feito com a CoronaVac e a vacina de Oxford, mas também para a população em geral.

O tempo de conclusão do pedido da Pfizer impressionou por ser bem mais curto do que o usual praticado pela Anvisa, de 60 dias, e o anúncio de hoje não era esperado. O contexto levou a um questionamento na entrevista coletiva se o imunizante da Pfizer não teria sido priorizado na análise da Anvisa.

"De forma alguma, na verdade o da AstraZeneca já vinha [sendo analisado] pelo processo de submissão contínua. O da Pfizer acabou sendo mais rápido por questões circunstanciais, porque quando a Pfizer submeteu - a gente sempre faz reuniões e sempre sabe o que a empresa vai submeter -, a gente sabia que no caso da Pfizer teria mais informações do que da AstraZeneca", explicou Mendes.

"Então já era esperado que houvesse um tempo maior de análise, até pela empresa [AstraZeneca]", completou o gerente da Anvisa.

Notícias