PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Gabbardo condiciona 2ª dose a novas remessas e espera início em 4 semanas

Gabbardo condiciona 2ª dose a novas remessas e espera início em 4 semanas - Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
Gabbardo condiciona 2ª dose a novas remessas e espera início em 4 semanas Imagem: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
do UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/01/2021 22h13Atualizada em 27/01/2021 22h20

João Gabbardo, diretor-executivo do Centro de Contingência da covid-19 no estado de São Paulo, afirmou hoje que as segundas doses da CoronaVac, vacina produzida pelo Instituto Butantan, serão aplicadas assim que novas remessas com o imunizante estiverem disponíveis para uso, o que deve acontecer em até quatro semanas.

Hoje, a prefeitura de São Paulo anunciou que todas as doses disponíveis serão utilizadas para aplicação em grupos prioritários, sem que haja a reserva de vacinas para aplicação da segunda dose. O plano é vacinar o máximo de pessoas com as vacinas já disponíveis e, de acordo com Gabbardo, seria "irracional" manter vacinas "nas prateleiras" enquanto mais de mil pessoas morrem por dia no Brasil em decorrência da covid-19.

"Vamos fazer a segunda dose dentro do prazo de quatro semanas, com as vacinas que nós já temos no Butantan e com as vacinas que vamos receber e produziremos ate o meio de fevereiro.", disse João Gabbardo em entrevista à GloboNews na noite de hoje.

Segundo o diretor, ainda não é possível saber por quanto tempo dura a eficácia da primeira dose da vacina, mas há a garantia de que esse prazo é, no mínimo, maior do que duas semanas.

"Nós não sabemos por quanto tempo a imunidade vai durar nas pessoas.", disse Gabbardo ao ser questionado sobre a duração da eficácia do imunizante com apenas uma dose aplicada.

"Posso garantir que não são duas semanas, porque o resultado da pesquisa mostrou que mesmo depois da segunda dose, que era feita três semanas depois da primeira, e com mais 14 dias de observação, todas as pessoas que tinham sido imunizadas ainda mantinham a imunidade.", explicou ele.

Notícias