PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Terra perde gelo mais rapidamente hoje do que nos anos 1990, indica estudo

Anualmente, a taxa de derretimento é agora cerca de 57% mais rápida do que era há três décadas - Yereth Rosen/Reuters
Anualmente, a taxa de derretimento é agora cerca de 57% mais rápida do que era há três décadas Imagem: Yereth Rosen/Reuters
do UOL

Do UOL, em São Paulo*

25/01/2021 08h24Atualizada em 25/01/2021 08h27

O gelo da Terra está derretendo mais rápido hoje do que em meados da década de 1990 à medida que a mudança climática aumenta as temperaturas globais, sugere um estudo publicado hoje na revista The Cryosphere.

Ao todo, estima-se que 28 trilhões de toneladas métricas de gelo derreteram do gelo marinho, mantos de gelo e geleiras do mundo desde meados da década de 1990. Anualmente, a taxa de derretimento é agora cerca de 57% mais rápida do que era há três décadas, relatam os cientistas.

"Foi uma surpresa ver um aumento tão grande em apenas 30 anos", disse o co-autor Thomas Slater, um glaciologista da Universidade de Leeds, na Grã-Bretanha.

O derretimento do gelo terrestre - na Antártica, Groenlândia e geleiras de montanha - adicionou água suficiente ao oceano durante o período de três décadas para elevar o nível médio do mar global em 3,5 centímetros.

A perda de gelo das geleiras das montanhas foi responsável por 22% do total anual de perda de gelo, o que é digno de nota considerando que representa apenas cerca de 1% de todo o gelo terrestre sobre a terra, disse Slater.

Em todo o Ártico, o gelo marinho também está diminuindo para novos níveis mínimos de verão. No ano passado, viu-se a segunda menor extensão de gelo marinho em mais de 40 anos de monitoramento por satélite.

Conforme o gelo marinho desaparece, ele expõe a água escura que absorve a radiação solar, em vez de refleti-la de volta para a atmosfera. Esse fenômeno, conhecido como amplificação do Ártico, aumenta ainda mais as temperaturas regionais.

A temperatura atmosférica global aumentou cerca de 1,1° C desde os tempos pré-industriais. Mas, no Ártico, a taxa de aquecimento foi mais de duas vezes a média global nos últimos 30 anos.

Usando dados de satélite de 1994-2017, medições do local e algumas simulações de computador, a equipe de cientistas britânicos calculou que o mundo estava perdendo uma média de 0,8 trilhão de toneladas métricas de gelo por ano na década de 1990, mas cerca de 1,2 trilhão de toneladas métricas anualmente nos últimos anos.

*Com informações da agência Reuters.

Notícias