PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

CEO da Sinovac: 'Confiante em que podemos mudar a situação da pandemia'

CEO da Sinovac, fabricante da CoronaVac, disse que testes mostram que imunizante protege contra variante encontrada em Manaus  - Divulgação
CEO da Sinovac, fabricante da CoronaVac, disse que testes mostram que imunizante protege contra variante encontrada em Manaus Imagem: Divulgação
do UOL

Do UOL, em São Paulo

25/01/2021 11h07

Yin Weidong, CEO da Sinovac, farmacêutica chinesa que desenvolve a CoronaVac em parceria com o Instituto Butantan, disse estar confiante que o imunizante, aprovado para uso emergencial, possa "mudar a situação da pandemia no Brasil".

Em entrevista ao jornal O Globo, ele disse que o objetivo é evitar que as pessoas, uma vez infectadas pelo novo coronavírus, precisem de tratamento, internação e que corram risco de morrer.

"Nosso foco é nos 'três nãos': não à necessidade de tratamento médico, não à doença severa e não à morte. De acordo com a fase três dos testes clínicos, esse objetivo pode ser alcançado", explicou.

Questionado sobre quando será o próximo envio dos insumos para a produção da vacina no Brasil, ele disse não saber a data exata, mas acrescentou que já fechou o fornecimento de milhões de doses ao Butantan. O instituto já envasou todo insumo disponível no momento para a fabricação da CoronaVac e está com as máquinas paradas desde o último dia 17. O instituto aguarda a chegada de mais matéria-prima da China para continuar a produção do imunizante.

"(...) Entendo a preocupação das pessoas. O mundo inteiro está ansioso para ter as vacinas, todos os governos estão na expectativa de tê-las. Há uma escassez planetária no suprimento de vacinas. Não é uma questão que afeta apenas a população brasileira. Nós faremos o máximo para implementar o fornecimento de acordo com o contrato", afirmou.

Weidong lembrou que a empresa construiu uma nova linha de produção para 500 milhões de doses, o que significa que será capaz de dobrar a produção, ou seja, um bilhão de doses por ano. "Nossa cooperação com o Butantan é principalmente para fornecer o produto semipronto, e eles concluirão o processo. Assinamos um contrato comercial e vamos executá-lo. Acreditem no Butantan e na parceria com a Sinovac", pediu.

Eficácia e nova variante

O CEO da Sinovac também foi questionado sobre sua avaliação a respeito da taxa de eficácia geral da vacina, que engloba todos os grupos analisados nos testes clínicos, de 50,38%. Ele lembrou que está "cientificamente provado" por testes realizados no Brasil, na Turquia e na Indonésia que a vacina oferece proteção contra a covid-19.

"Há um eixo vertical que mostra de alto a baixo os níveis de proteção capazes de prevenir hospitalizações, tratamento médico, sintomas leves e infecção. No alto do eixo temos os sintomas severos e as hospitalizações, para os quais a proteção é de 100%. Em seguida há a proteção para prevenir a necessidade de tratamento médico, que é de 78%. Nos sintomas leves e médios a proteção é mais baixa. A conclusão foi a de que o nível geral de proteção é de 50%", explicou.

Weidong disse ainda que a nova variante do novo coronavírus encontrada em Manaus preocupa, mas que testes têm mostrado que a CoronaVac também é eficaz contra ela.

"Essa é a nossa maior preocupação, mas neste momento estamos fazendo testes de larga escala em 18 diferentes localidades no Brasil e eles têm mostrado que a vacina oferece proteção contra esta variante em circulação no país. Também fizemos testes na China com uma variante europeia e comprovamos que a vacina também oferece proteção", comentou.

Notícias