PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Visitantes do Ibirapuera reclamam de restrições: 'Ninguém aguenta mais'

do UOL

Leonardo Martins

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/01/2021 22h51

"Agora que piorou é chato, né? Ninguém aguenta mais", diz um visitante sem máscara, que não quis ser identificado, no parque Ibirapuera, durante o primeiro dia em que o estado de São Paulo entrou na fase vermelha, a mais restritiva, do Plano São Paulo. A medida passou a vigorar a partir das 20h e vale para todos os dias úteis do estado. Como o feriado do aniversário da cidade é apenas municipal, ele não interfere nas restrições.

Os relatos colhidos pela reportagem do UOL, desde a tarde até a hora do fechamento do local, são bem parecidos. O cansaço das restrições da quarentena juntou centenas de pessoas no maior parque da capital paulista para aproveitar o feriado.

Nos próximos dois finais de semana, todo o estado estará na fase vermelha, em que apenas serviços essenciais têm permissão de abrir. Parques estarão fechados, portanto. Hoje pôde funcionar até as 20h.

A analista de marketing Juliana Mendonça, 25, costuma correr no Ibirapuera toda semana, mas hoje levou um susto.

Tinha uma fila gigantesca para entrar. Na hora de estacionar o carro, tive até de esperar um pouquinho para conseguir uma vaga. Dentro do parque estava caótico, um formigueiro.
Juliana Mendonça, analista de marketing

Ela acabou indo embora, com medo de se contaminar com a covid-19.

"Comecei a correr e trombava em pessoas o tempo inteiro. Muita gente. Muito nenê de colo, a maioria sem máscara. Distanciamento social foi impossível. O tempo inteiro alguém trombava ou passava perto, sem a menor condição", contou ela.

Grande parte dos frequentadores do parque usava máscaras, item obrigatório por lei. Os fiscais que atuam nos portões de entrada inclusive pediam às pessoas que colocassem a máscara adequadamente ao entrar.

Mas, dentro do parque, não havia fiscalização. Jovens e adultos que caminhavam, corriam e andavam de bicicleta pelas pistas raramente usavam o acessório adequadamente. Muitos deixavam o nariz para fora da proteção ou usava o item no queixo.

É muito ruim [a máscara] para respirar. Coça, incomoda. Para correr é impossível, não adianta.
Corredor no Ibirapuera que não quis se identificar

Ibira - Leonardo Martins/UOL - Leonardo Martins/UOL
25.jan.2021 - Ninguém usando máscara ao praticar esporte nas quadras do parque Ibirapuera, em São Paulo, que agora entra na fase vermelha
Imagem: Leonardo Martins/UOL
Nos gramados, os grupos de pessoas procuraram se distanciar, sendo esse o ambiente mais seguro no parque. Havia, inclusive, marcações de terra em algumas áreas, delimitando um círculo de grama para cada família ou grupo que quisesse sentar no local.

Já nas quadras de esportes, as cenas eram preocupantes. Ninguém usava máscara praticando esporte, inclusive os que estavam de fora, esperando a vez. Alguns —poucos na realidade— usavam máscara para assistir às partidas.

Morando em São Paulo desde o ano passado e passeando no Ibirapuera durante sua folga, o jornalista cazaque Serj Sivanskiy disse que os brasileiros costumam se precaver mais com máscaras do que seus conterrâneos.

Crianças e adultos gritavam, brincavam e tiravam foto —sem máscara— com um homem-estátua. A caveira, de capa preta e foice, descrevia a fantasia do artista de rua como de "Morte".

A partir das 18h, carros da Guarda Municipal paulistana entraram no parque para pedir que as pessoas deixassem o local.

Às 19h40, uma chuva torrencial atingiu a capital e acelerou o esvaziamento.

Esperando a chuva passar, Cláudia Ferraz, 54, havia terminado mais um passeio no parque com o filho, Davi, 6, e seus primos. Para ela, o clima é de tristeza com a piora da pandemia e a fase vermelha.

Está bem difícil ficar em casa. Não dá. Sem escola, só com pai, mãe em casa... As crianças precisam brincar. Eu moro aqui perto e venho frequentemente porque é mais seguro. É triste, né? Pessoal não respeita, então, quem paga é todo mundo.
Cláudia Ferraz, mãe e frequentadora do Ibirapuera

Notícias