PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Biden deve acabar com 'vergonhosos' acordos de asilo na América Central (relatório)

19/01/2021 10h05

Washington, 19 Jan 2021 (AFP) - O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, deve revogar imediatamente os acordos que o governo do republicano Donald Trump alcançou com os países da América Central sobre o processo de pedido de asilo - reclama um relatório publicado na segunda-feira (18) por senadores democratas.

Washington assinou Acordos de Cooperação para Asilo (ACA) em 2019 com os membros do chamado Triângulo Norte da América Central - El Salvador, Honduras e Guatemala - como parte de sua política para impedir a entrada de imigrantes sem documentos na fronteira sul.

Os ACA permitem que os migrantes estrangeiros que solicitam asilo na fronteira dos Estados Unidos, a maioria deles fugindo da pobreza e da violência, sejam enviados a esses países para aguardar o resultado de seu pedido.

"O governo Trump vê os ACA como um modelo a ser aplicado em outros países do mundo", disseram os senadores em um documento redigido pela equipe democrata do Comitê de Relações Exteriores e encomendado pelo novo presidente do Comitê, Bob Menendez.

"Isso é exatamente o oposto do que deveria acontecer", acrescentaram.

Biden, que assume o cargo nesta quarta-feira (20), prometeu "um sistema de imigração justo e humano" e prometeu ajudar a combater as raízes da pobreza e da violência que levam milhares de centro-americanos a tentar entrar nos Estados Unidos.

O relatório revela que desde a implantação do primeiro ACA, há mais de um ano, nenhum dos 945 solicitantes enviados dos Estados Unidos para a Guatemala conseguiu obter asilo.

Os senadores também destacaram o tratamento "degradante" dispensado a esses migrantes no acordo, dizendo que foram "coagidos a retornar para seus países de origem, Honduras, ou El Salvador".

O relatório pede a suspensão imediata desses acordos para "restaurar" a "liderança na defesa do direito de buscar asilo e na proteção dos refugiados" dos Estados Unidos.

"O Congresso e a Administração devem renovar nosso compromisso com a proteção dos refugiados e requerentes de asilo na era pós-Trump", disse Menéndez, chamando os acordos de "desastrosos" e "vergonhosos".

O texto também acusa a Casa Branca e o Departamento de Segurança Interna de Trump de usar "táticas coercitivas" para obrigar os governos de Guatemala, Honduras e El Salvador a assinarem os acordos.

A administração Trump retomou a assistência financeira aos países do Triângulo Norte depois de selar os pactos.

bur-leg/am/jfx/dga/mar/mr/tt

Notícias