PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Após atrasos na entrega, Saúde lança campanha sobre 'desafios' da vacinação

Vídeo a ser divulgado amanhã ressalta desafios logísticos do Brasil; incentivo à vacinação ficará para depois - Divulgação/Governo de Santa Catarina
Vídeo a ser divulgado amanhã ressalta desafios logísticos do Brasil; incentivo à vacinação ficará para depois Imagem: Divulgação/Governo de Santa Catarina
do UOL

Do UOL, em São Paulo

19/01/2021 22h17Atualizada em 20/01/2021 09h29

Após problemas de logística e atrasos na entrega das doses da CoronaVac, o Ministério da Saúde vai lançar amanhã uma campanha sobre os "desafios" de se realizar uma vacinação em massa em um país grande como o Brasil. O incentivo à vacinação contra a covid-19, porém, ficará para um segundo momento.

Em nota, a pasta informou que divulgará um vídeo de um minuto com conteúdo em formato de manifesto, ressaltando as diversidades sociais e geográficas do país, "juntamente com a estrutura de logística usada para a distribuição das vacinas autorizadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)".

Com o conceito "Brasil imunizado, somos uma só nação", o vídeo reúne pessoas de cada uma das cinco regiões do Brasil, o que, segundo a Saúde, simboliza o "gigantismo" do país e revela os "desafios" de se fazer uma campanha de vacinação "em um território com proporções continentais".

Só após a veiculação desse manifesto é que terá início uma segunda fase da campanha, voltada à convocação dos grupos prioritários para a vacinação. O primeiro grupo, definido pela Saúde, inclui idosos a partir de 60 anos; maiores de idade com deficiência que vivem em instituições; trabalhadores da saúde da linha de frente; e população indígena vivendo em terras indígenas.

O lançamento da campanha sobre os "desafios logísticos" no país acontece em meio a uma série de atrasos no envio de doses da CoronaVac de São Paulo para os outros estados. No Rio de Janeiro, que fica a cerca de uma hora de avião, o primeiro carregamento chegou ontem ao Aeroporto Santos Dumont aproximadamente quatro horas depois do previsto pelo governo estadual.

No Pará, as vacinas estavam previstas para as 15h30 de ontem, mas chegaram por volta das 23h30. O governador Helder Barbalho (MDB) chegou a publicar um vídeo com críticas ao Ministério da Saúde pelo atraso. "É absolutamente inaceitável", disse.

"Mudança de logística"

O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, atribuiu o atraso na entrega de vacinas aos estados à repentina mudança na estratégia de logística que teve de ser feita para contemplar os pedidos dos governadores para adiantar a distribuição imediata da CoronaVac.

"Os governadores me solicitaram que eu acelerasse ao máximo a distribuição para que eles pudessem começar imediatamente ainda hoje [ontem]", explicou o ministro. "Então, aquilo que era planejado até hoje [ontem] às 8h para acontecer durante o dia está sendo encurtado para poder atender o pedido dos governadores. Você imagina a mudança na logística para 26 estados num país continental como o Brasil".

O governo federal decidiu antecipar seus planos para a vacinação contra a covid-19 no país — prevista para começar só amanhã — após o governo de São Paulo decidir dar início à imunização no domingo (17), logo após a autorização da Anvisa.

Todos os 26 estados e o Distrito Federal já deram início à vacinação de sua população, priorizando profissionais de saúde, idosos e indígenas. O último foi Rondônia, que viu chegar suas 49 mil doses da CoronaVac às 9h50 (10h50 em Brasília), tendo iniciado a campanha de imunização por volta de meio-dia.

(Com Reuters)

Notícias