PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Pazuello diz que vacinação contra covid continuará "todos os anos"

Pazuello chega a Guarulhos para evento de entrega das vacinas a governadores - Wanderley Preite Sobrinho/UOL
Pazuello chega a Guarulhos para evento de entrega das vacinas a governadores Imagem: Wanderley Preite Sobrinho/UOL
do UOL

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

18/01/2021 08h34

Depois de anunciar para hoje o início da vacinação contra a covid-19 em todo o Brasil, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que o país continuará vacinando contra o novo coronavírus nos próximos anos.

"A outra ideia que não podemos deixar de pensar é que este modelo se repetirá no ano que vem", afirmou o ministro, ao lado de 19 governadores e vice-governadores no Centro de Distribuição Logística do Ministério da Saúde, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

"Continuaremos tomando vacina contra o coronavírus e suas variantes todos os anos em estratégia de vacinação definida pelo SUS (Sistema Único de Saúde), e isso vai entrar numa normalidade, como [a vacina para] H1N1, sarampo e outras doenças ao longo da nossa vida", disse Pazuello.

Durante o anúncio, Pazuello aproveitou para antecipar a campanha de vacinação, que estava prevista para começar na quarta-feira (20). A decisão foi tomada enquanto conversava com os governadores. Primeiro, em uma roda de conversa, ele sugeriu iniciar a vacinação às 14h de amanhã, mas ao iniciar o evento afirmou que seria possível começar a campanha ainda hoje "no final do expediente".

Ele afirmou que a maioria dos imunizantes seria transportado hoje pela FAB (Força Aérea Brasileira) e que por isso as vacinas chegarão por volta das 14h de hoje na maioria dos estados brasileiros.

"A gente pode colocar a ideia de hoje, ao final do expediente, os estados começarem no município principal a vacinar. Com isso, a gente adianta (...) Acho que a gente pode começar hoje ao final do expediente", disse.

Vacinação terá duas doses

Pazuello também negou a intenção de vacinar o maior número possível de brasileiros com todas as doses disponíveis —adiando a aplicação da segunda dose—, como sugeriu na reunião a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT). A estratégia vem sendo usada no Reino Unido e é cogitada por outras nações a fim imunizar o maior número possível de pessoas na primeira fase de imunização.

"Nós não podemos fazer isso. O Butantan são duas doses em tempo curto, e tem de ser feito. Esse assunto já foi tratado em todos os níveis", afirmou Pazuello, em referência às discussões na Anvisa (Agência Nacional de Saúde) e nos fóruns de governadores e prefeitos.

Mudança de discurso

Embora o governo federal seja acusado de minimizar a pandemia, Pazuello defendeu a manutenção das medidas preventivas mesmo após o início da campanha de vacinação.

"A vacina não determina o fim das medidas preventivas", disse. "O início da vacinação não nos desobriga a continuar com o uso de máscara e medidas de prevenção e afastamento social. Continuaremos vivendo desta forma até termos a pandemia controlado aos níveis normais de qualquer doença."

Notícias