PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

São Paulo tem recorde de infecções por covid entre jovens de 10 a 29 anos

Movimento no comércio de Osasco, na Grande São Paulo, durante a pandemia - ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
Movimento no comércio de Osasco, na Grande São Paulo, durante a pandemia Imagem: ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
do UOL

Do UOL, em São Paulo

15/01/2021 12h40Atualizada em 22/01/2021 09h18

No estado de São Paulo, o número de jovens entre 10 e 29 anos contaminados pela covid-19 alcançou um novo recorde. O índice foi atingido nos 12 primeiros dias de janeiro, reflexo das aglomerações que ocorreram durante as festas de final do ano. As informações coletadas pela Globo News tomam como base dados divulgados pelo Governo de São Paulo entre os meses de março do ano passado até os 12 primeiros dias de janeiro deste ano.

A evolução do percentual de jovens infectados pelo coronavírus entre 10 a 19 anos em março de 2020 representava apenas 1% dos infectados. Em julho, a taxa subiu para 1,7%. No mês de maio, o número evoluiu para 3%, em junho para 4,1% e em julho passou para 5%. O ano de 2020 terminou com registros de infecção nessa faixa de idade em 5,4%. Em janeiro deste ano, o percentual está em 6,7%.

Já a faixa etária dos jovens entre 20 a 29 anos em março de 2020 registrava um percentual de 11,7% de infectados. Os números estabilizaram em 18% nos meses de agosto a outubro e voltaram a crescer em novembro, quando a taxa passou para 19,5%. Os índices de contaminação voltaram para 18% em dezembro, mas após as festas de final de ano, o número de jovens entre 20 a 29 anos infectados pela covid-19 atingiu o pico de 20,7% em janeiro de 2021.

Na contramão dos dados dos jovens, pessoas entre 40 e 60 anos tiveram menos infecções pela covid-19. Nos adultos de 30 a 39 anos, os índices permaneceram estáveis entre 2020 e o janeiro deste ano.

O descumprimento das regras sanitárias de isolamento social pela faixa etária dos mais jovens é considerado como o principal fator para o aumento de casos, segundo informações do Secretário Estadual de Saúde Jean Gorinchteyn para a Globo News. Esse grupo etário seria quem transmite o vírus para os pais e idosos.

A infectologista Raquel Maurrek, da rede D'or, destacou para a Globo News que nos últimos meses têm atendido cada vez mais jovens com casos mais graves da doença. Os jovens costumam chegar na segunda semana de infecção e por não se isolarem, acabam transmitindo o vírus.

21% dos infectados não têm mais anticorpos

Dados divulgados pela Prefeitura de São Paulo mostram que 21% das pessoas que se recuperaram da covid-19 não têm mais anticorpos contra a doença. O estudo contou com um total de 730 participantes que testaram positivo e foram testados mais uma vez.

Desse número, 151 pessoas não estavam mais com anticorpos, representando 21,4%, enquanto 26% estavam assintomáticos e outros 18,1% se infectaram e apresentaram sintomas da doença.

Situação dos leitos em São Paulo

O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, disse em entrevista ao SP1 que dois hospitais estão "pressionados": o Hospital da Cidade Tiradentes e o Hospital da Brasilândia. O primeiro está com todos os leitos ocupados, enquanto o segundo tem 74% de ocupação.

"A preocupação é exatamente os reflexos que ainda não tivemos dos acontecimentos do mês de dezembro, toda aquela movimentação de comércio, e depois a questão das festas de Natal e de Ano Novo. O impacto disso, pelos gráficos feitos pelos nossos técnicos sanitaristas, nossos epidemiologistas, nós acreditamos que em mais 15, 20 dias aproximadamente, nós teremos uma pressão muito grande do sistema de saúde por conta do que aconteceu no mês de dezembro", explicou.

Notícias