PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Enem: planos têm salas mais cheias que o permitido

Inep estima que serão usadas 205 mil salas, em 14 mil pontos de aplicação neste ano - Sérgio Castro/Estadão Conteúdo
Inep estima que serão usadas 205 mil salas, em 14 mil pontos de aplicação neste ano Imagem: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

Júlia Marques

São Paulo

15/01/2021 10h33

Aplicadores do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) relatam planos de ocupação superior a 30 estudantes nas salas onde a prova será realizada neste domingo. Um dos comunicados aos quais o Estadão teve acesso inclui a previsão de alocar em uma escola 32 candidatos em espaços com capacidade para 40 alunos - redução abaixo do patamar de 50% prometido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC). Os colaboradores relatam insegurança com os protocolos para evitar a transmissão do coronavírus. O Enem teve a segurança sanitária questionada na Justiça.

A reportagem ouviu aplicadores dos Estados de Amazonas, Rio, Pará, Minas, Rio Grande do Sul e Piauí em sigilo, além de secretários da Educação. Uma cláusula na contratação para aplicar a prova proíbe o detalhamento dos procedimentos a terceiros. A reportagem também teve acesso a trocas de mensagens entre aplicadores e coordenadores locais e ao manual dos chefes de sala e fiscais. Nos últimos dias, o Inep tem destacado que vai garantir distanciamento entre alunos, mas não respondeu às perguntas do Estadão sobre ocupação de salas.

Em um dos casos, em Manaus, uma jovem que participaria da aplicação do exame abandonou o serviço após a coordenadora do local de prova indicar que as salas com capacidade para 40 alunos seriam usadas por 32. O documento com a distribuição dos alunos por sala foi compartilhado no grupo de aplicadores na internet depois que alguns colaboradores, preocupados com os protocolos, questionaram sobre a ocupação das salas. Anteontem, a Justiça Federal barrou a aplicação da prova no Amazonas, mas a Advocacia-Geral da União recorreu.

Em outro, o coordenador de local de prova no interior do Piauí disse à representante da escola, uma servidora pública responsável por apoiar os fiscais no dia do exame, sobre a impossibilidade de garantir o distanciamento entre alunos. "Sugeriram 2 metros de distanciamento, mas vai ser impossível, porque colocaram 32 alunos por sala", disse ele, em mensagem à colaboradora compartilhada com a reportagem. Segundo a servidora, as salas da escola pública onde trabalha não comportam 32 pessoas com distância de 2 metros. O manual dos chefes de sala indica que carteiras devem ser organizadas "com espaço frontal e lateral de dois metros entre elas".

Ao Estadão, o secretário de Educação do Rio Grande do Norte, Getúlio Marques, afirmou que diretores de escolas cedidas para o exame procuraram a gestão estadual e relataram solicitação de classes para 30 alunos. "Algumas comunicações que chegaram da Cesgranrio (empresa que faz a aplicação da prova) pediram para (diretores de escola) preparar logística para sala com 30 alunos. E colocamos essa dificuldade, de que com 30 alunos a nossa legislação nem permite." O plano de retorno das aulas em fevereiro na rede estadual prevê 15 alunos, no máximo, nas salas. Segundo Marques, o Inep "alega que historicamente há abstenção de cerca de 27%". Ele encaminhou ofício ao MEC pedindo adiamento do exame. Na edição passada, o Enem registrou ausência de 23,1% candidatos no primeiro domingo.

O titular da Educação na Bahia, Jerônimo Rodrigues, também fez essa solicitação. Segundo ele, as salas da rede comportam em torno de 40 alunos. "Ouvi de uma escola de Camaçari (a 40 km de Salvador), a possibilidade de colocar 32 estudantes", disse ao Estadão. "Entendemos que vai haver aproximação entre um estudante e outro."

O Inep estima que serão usadas 205 mil salas, em 14 mil pontos de aplicação neste ano. Em 2019, o Enem foi aplicado em 145 mil salas, em cerca de 10 mil locais de prova. O número de inscritos na prova saltou de 5,1 milhões para 5,7 milhões.

Procurados para comentar sobre a ocupação das salas e sobre o motivo da previsão de 32 estudantes em salas com capacidade para 40, o Inep e o MEC não responderam. O Estadão também questionou se o órgão conta com a abstenção para garantir o distanciamento ou se esse distanciamento será respeitado mesmo em escolas sem registros de faltas de estudantes, mas não obteve resposta.

Nesta quinta-feira, ao UOL, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, disseque as salas terão "20, 30 pessoas". "Quem fez (vestibular da) Unicamp e USP sentou em sala com 20,30 pessoas. Assim como vai fazer o Enem em sala de 20, 30 pessoas." A Fuvest determinou ocupação de 40% das salas e a Unicamp dividiu inscritos em dois dias. A reportagem não conseguiu contato com a Cesgranrio. /J.M.

Insegurança

Outros aplicadores dizem não saber o número de alunos nas salas onde vão aplicar a prova nem como será medido o distanciamento - eles esperam esclarecimentos no domingo. "A escola deste ano é a mesma em que trabalhei em anos anteriores. Acho a sala pequena para o desafio do distanciamento e as janelas não são tão grandes", disse a chefe de sala em uma escola em Ananindeua, no interior do Pará.

Também há dúvidas sobre as máscaras. Os fiscais devem receber máscaras, mas não sabem o modelo. Quem vai trabalhar na prova passou por capacitação de 20 horas. Os módulos incluem instruções sobre a covid. Sobre ventilação, o documento indica como tarefa "quando for possível, abrir portas e janelas das salas, para priorizar a ventilação natural, e mantê-las abertas durante toda a aplicação".

Os aplicadores têm receio de que nem todos compartilhem os mesmos cuidados. Uma jovem que vai aplicar o Enem no interior de Minas recebeu a informação de que colegas de aplicação estariam em festas no fim de semana. "Não estou segura."

Notícias