PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Ford: metalúrgicos se reúnem com governo de SP para tentar salvar empregos

do UOL

Mário Curcio

Colaboração para o UOL*

12/01/2021 12h57

O Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté (Sindmetau) e o prefeito da cidade do interior paulista, José Saud, se reúnem nesta tarde no Palácio do Governo com a secretária do Desenvolvimento Econômico, Patrícia Hellen, e o secretário do Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, na tentativa de preservar os 830 empregos da fábrica de transmissões e motores da Ford.

A reunião terá também representantes da própria fabricante, da Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (Invest São Paulo) e da Justiça Federal do trabalho. "O sindicato quer reverter a decisão [de fechamento da fábrica]", afirma o presidente do Sindmetau, Cláudio Batista da Silva Júnior. "Haveria um impacto avassalador na economia, segurança e saúde em Taubaté", afirma.

Entre as medidas o sindicato estuda a criação de um fundo de apoio aos trabalhadores custeado pela venda de automóveis Ford importados, caso o fechamento da fábrica seja irreversível. A primeira opção é fazer a defesa dos empregos.

De acordo com o representante sindical, além dos 830 empregados diretos haveria outros 600 terceirizados. "O impacto estimado em toda a cadeia é de 10 mil pessoas", afirma Silva Júnior.

Em assembleia na manhã de terça-feira, o sindicato estabeleceu uma vigília permanente de trabalhadores na porta da fábrica de motores e transmissões em Taubaté em turnos de seis horas por grupo como forma de impedir a retirada de equipamentos da fábrica. Na manhã de quarta-feira, 13, o sindicato realizará uma assembleia na câmara dos vereadores de Taubaté.

A entidade que reúne os trabalhadores também pretende acionar o governo federal, "já que a Ford usufruiu de benefícios fiscais", recorda o presidente do Sindmetau.

Além da planta de Taubaté, a Ford vai fechar a fábrica de Camaçari, na Bahia. A fábrica da Troller, em Horizonte (CE), vai encerrar as atividades até o fim deste ano. Serão mantidos, entretanto, a sede administrativa para a América do Sul em São Paulo, o Centro de Desenvolvimento de Produto na Bahia e o Campo de Provas em Tatuí (SP). A produção de veículos na região ficará concentrada na Argentina e no Uruguai.

Manutenção de empregos

De acordo com Batista, os 830 funcionários da fábrica em Taubaté tinham estabilidade no emprego até o fim de 2021, devido a um acordo de redução de jornada e salários feito no ano passado, em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19). A unidade da montadora na cidade está há 53 anos de atividade.

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) evitou comentar diretamente as razões e os impactos do fechamento das fábricas no Brasil.

"A Anfavea não vai comentar sobre o tema. Trata-se de uma decisão estratégica global de uma das nossas associadas. Respeitamos e lamentamos", disse a entidade em nota.

No entanto, a associação comentou que os custos de produção têm afetado as montadoras no país. "Isso corrobora o que a entidade vem alertando há mais de um ano, sobre a ociosidade da indústria (local e global) e a falta de medidas que reduzam o Custo Brasil".

Para a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a alta carga tributária é um dos fatores que dificulta a manutenção da produção industrial no país. "A Fiesp tem alertado sobre a necessidade de se implementar uma agenda que reduza o Custo Brasil, melhore o ambiente de negócios e aumente a competitividade dos produtos brasileiros. Isso não é apenas discurso. É a realidade enfrentada pelas empresas", disse em nota a federação.

*Com Agência Brasil

Notícias