PUBLICIDADE
Topo

Notícias

França pode vetar acordo comercial pós-Brexit sem consenso sobre setor da pesca

04/12/2020 08h22

A França vetará um acordo comercial pós-Brexit casos certos requisitos não sejam cumpridos, principalmente em relação à pesca em águas britânicas. A afirmação foi feita nesta sexta-feira (4) pelo secretário de Estado francês de Assuntos Europeus, Clément Beaune, em entrevista à rádio Europe 1. 

A França vetará um acordo comercial pós-Brexit casos certos requisitos não sejam cumpridos, principalmente em relação à pesca em águas britânicas. A afirmação foi feita nesta sexta-feira (4) pelo secretário de Estado francês de Assuntos Europeus, Clément Beaune, em entrevista à rádio Europe 1. 

Ao ser questionado se a França vetaria uma proposta, ele respondeu: "Sim. Todo país tem direito de veto". 

A França fará sua "própria avaliação" do acordo", destacou. "Devemos isso aos franceses, aos pescadores e a outros setores da economia", declarou Beaune. "Existe um risco de que não aconteça acordo e temos que nos preparar para isto", sublinhou, dizendo que é possível "chegar a um acordo e a um bom acordo."

Sem consenso, a partir de 1º de janeiro as relações comerciais entre as duas margens do Canal da Mancha passariam a ser administradas pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), o que implica em novas tarifas e cotas alfandegárias. Este seria um novo golpe para as economias europeias, já debilitadas pela pandemia de Covid-19.

A questão gera preocupação entre vários países da UE - em particular França e Holanda, que temem que concessões demais possam ser feitas aos negociadores em Londres para obter um acordo a tempo. 

Reta final

A quatro semanas do divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, as discussões continuavam nesta sexta-feira entre os negociadores do acordo. O negociador-chefe da União Europeia, Michel Barnier, deve informar ainda na tarde desta sexta-feira (4) os embaixadores dos 27 países da União Europeia sobre a evolução das discussões com o Reino Unido.

O Brexit, a retirada do Reino Unido da União Europeia, aconteceu formalmente em 31 de janeiro, mas o período de transição, que permitiu aos países especificarem pontos essenciais da futura relação, termina em 31 de dezembro. O divórcio se concretizará após essa data, com ou sem acordo.

Nesta sexta-feira (4) o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que a unidade dos países que integram a União Europeia (UE) deve ser protegida até o "último segundo" nas negociações.

"Vamos nos esforçar até o fim"

"Vamos nos esforçar até o último momento, até o último segundo deste processo para garantir a unidade entre nós", disse Michel, poucos minutos depois de a França anunciar que está disposta a vetar um acordo pós-Brexit que não cumpra certas exigências, fundamentalmente na área da pesca.

Charles Michel elogiou o principal negociador da UE, Michel Barnier, por manter os Estados membros informados sobre seu progresso em Londres. Barnier está envolvido em discussões intensas em Londres com o principal negociador britânico, David Frost, sobre o acordo que vai administrar a relação comercial bilateral a partir do próximo ano.

Mas sem um entendimento rápido, os Estados membros e o Parlamento Europeu não terão tempo de ratificar o texto.

Nesta sexta-feira, Charles Michel reiterou que a UE está interessada em um acordo com o Reino Unido, mas está preparada para todas as opções possíveis. "Queremos um acordo, mas não a qualquer preço", declarou.

(Com informações da AFP)

 

 

Notícias