PUBLICIDADE
Topo

Notícias

EUA bloqueia importação de algodão de 'mão de obra escrava' de província chinesa

03/12/2020 12h04

Washington, 3 dez 2020 (AFP) - Os Estados Unidos vão bloquear as importações de algodão que, afirmam, é colhido com "trabalho escravo" na região chinesa de Xinjiang - informaram as autoridades americanas, o que despertou a revolta de Pequim nesta quinta-feira (3).

"Os abusos dos direitos humanos que acontecem nas mãos do governo comunista chinês não serão tolerados pelo presidente (Donald) Trump e pelo povo americano", disse Ken Cuccinelli, funcionário de alto escalão do Departamento de Segurança Interna (DHS), na quarta-feira.

Pequim tem sido alvo de duras críticas internacionais por suas políticas em Xinjiang, um território do noroeste rico em recursos, onde defensores dos direitos humanos afirmam que cerca de um milhão de uigures e de outras minorias, principalmente muçulmanas, são mantidos em campos de trabalhos forçados.

O DHS busca "garantir que aqueles que violam os direitos humanos, incluindo as empresas americanas, não tenham permissão para manipular nosso sistema com o objetivo de se beneficiar da mão de obra escrava", declarou Cuccinelli.

A nova regra permite que os funcionários da Alfândega e da Proteção de Fronteiras dos EUA detenham os carregamentos com algodão procedente do Corpo de Produção e Construção de Xinjiang, um importante grupo semimilitar já incluído em uma lista de sanções por parte do Departamento do Tesouro dos EUA.

Pequim respondeu nesta quinta, acusando os Estados Unidos de fabricarem "notícias falsas sobre os chamados trabalhos forçados" e de tentarem "oprimir os negócios de Xinjiang".

"Seu objetivo é restringir e oprimir os setores e empresas relevantes na China e frear o desenvolvimento da China", disse a porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores Hua Chunying.

A funcionária negou que haja trabalho forçado em Xinjiang, argumentando que os trabalhadores da região "escolhem as ocupações com base em seus próprios desejos".

Esta é a sexta ação dos Estados Unidos nos últimos três meses para bloquear mercadorias de Xinjiang, após proibir importações de têxteis, produtos para cabelo e peças para computador.

A região chinesa é um produtor mundial de algodão, e se estima que 20% das peças importadas pelos Estados Unidos contenham pelo menos algum fio da região.

A Câmara dos Representantes dos EUA votou quase unanimemente, em setembro, pela proibição de todas as importações de Xinjiang. O projeto de lei ainda não foi aprovado pelo Senado.

Os Estados Unidos já proíbem os produtos fabricados com mão de obra escrava, mas a lei proposta emitiria uma proibição geral aos produtos de Xinjiang, argumentando que o trabalho forçado está intrinsecamente ligado à sua economia.

Pequim defende sua política em Xinjiang, assegurando que os programas de treinamento, planos de trabalho e uma melhor educação ajudaram a erradicar o extremismo.

Os uigures são o principal grupo étnico de Xinjiang, um enorme território que faz fronteira com Afeganistão e Paquistão e que sofreu ataques sangrentos atribuídos aos uigures.

burs-gle-tjx/rox/yo/lda/tt

Notícias