PUBLICIDADE
Topo

Notícias

O comovente adeus de Nápoles ao seu ídolo 'imortal'

26/11/2020 20h45

Nápoles, Itália, 26 Nov 2020 (AFP) - Com uma peregrinação silenciosa e comovente à curva B do estádio San Paolo de Nápoles, centenas de napolitanos se despedem nesta quinta-feira (26), com altares improvisados e lágrimas de Diego Maradona, ídolo de uma cidade que se identifica com sua vida extravagante e ao mesmo tempo trágica.

O desfile, composto majoritariamente por homens, quase todos com máscaras por causa da pandemia do novo coronavírus, é interrompido de vez em quando pelos aplausos e gritos de "Diego, Diego, Diego".

Os fãs transformaram o estádio em um santuário em memória do argentino.

Centenas de velas, rosas azuis, fotos, lenços e camisetas foram colocadas em frente ao estádio, que foi a verdadeira casa de Maradona em Nápoles.

Rosário, de 77 anos, conhecido por ser o poeta do estádio, barbeiro na juventude e que vive em frente ao San Paolo desde 1954, recita uma poesia que compôs ontem, após receber a notícia da morte de Maradona em Buenos Aires aos 60 anos, vítima de uma parada cardíaca.

"Adeus, ciao Diego", gritava em lágrimas.

Uma longa faixa cobre a parte externa da entrada ao estádio e diz: "Ao rei imortal, tua bandeira não deixará de balançar".

- Amor incondicional -"Não esperávamos sua morte. Nós não escolhemos o Maradona, foi ele quem escolheu Nápoles", confessa emocionado à AFP-TV Gino, de 48 anos.

O amor de Nápoles ao "Pelusa", que liderou o Napoli no título do 'Calcio' em duas ocasiões, em 1987 e 1990, foi marcado por luzes e sombras, futebol e máfia.

"Sua vida privada nunca importou para nós", comentou outro admirador, Antonio, evitando falar do que fez o astro argentino fora dos gramados em sua passagem pelo Napoli de 1984 a 1991, marcada também pelas festas noturnas, confusões sentimentais e principalmente pelo seu vício na cocaína, através do qual conheceu e manteve relações com a Camorra, a máfia napolitana.

"Representei no sul uma parte da Itália que não contava", admitiu o argentino no documentário de 2008 dirigido por Emir Kusturica, exibido na noite de quarta-feira pelo canal 7 da televisão italiana.

Para Il Mattino, o jornal da capital do sul da Itália, entre as cidades mais pobres da península, onde a taxa de desemprego atingiu 30%, três vezes mais que a média nacional, Nápoles perde acima de tudo um símbolo "com seus vícios e virtudes".

Devido ao confinamento que limita as movimentações na região de Campanha, fortemente afetada pela covid-19, as autoridades não conseguiram impedir nesta noite os coros e as colunas de fumaça vermelha acesas simultaneamente ao redor do estádio, numa espécie de abraço coletivo.

Os napolitanos também homenagearam Maradona com um minuto de silêncio, respeitado em toda a cidade, no início da partida sem público entre o Napoli e o Rijeka da Croácia, com a faixa-preta de luto, no quarto dia da fase de grupos da Liga Europa, oferecendo a sua homenagem especial com a vitória por 2-0 sobre o Rijeka croata.

- "Ele nunca vai morrer porque é uma lenda" -"Ele nunca vai morrer porque é uma lenda, ele fez coisas extraordinárias aqui. Já ontem, indo para o hotel no ônibus, dava para ver que a cidade não respirava o mesmo ar", disse o técnico do Napoli, Gennaro Gattuso ao canal Sky Sport.

"O Rei", o "imortal", o "Deus" será lembrado como "o eterno rebelde que trouxe felicidade e redimiu uma humanidade desesperada e sofrida", transformado hoje em um "símbolo de liberdade", como escreve o jornal de esquerda Il Manifesto.

"O último herói dos últimos", que com o futebol uniu uma cidade, pobres e ricos, agora "joga com os anjos, que o querem como capitão, para que os leve à vitória como só ele sabe fazer", disse emocionado Gianmpiero diante do estádio que levará o nome da lenda argentina.

kv/mar/aa/jc

Notícias