PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Projetos resgatam história afro na sociedade brasileira

Edison Veiga

23/11/2020 17h37

Projetos resgatam história afro na sociedade brasileira - Aplicativo, mapeamento e tours temáticos tentam ressignificar as marcas da história negra em cidades como São Paulo, Salvador e Curitiba.Meio de transporte e ponto turístico de Salvador, o Elevador Lacerda tem esse nome por conta do idealizador, o engenheiro Antônio de Lacerda (1834-1885). Na mesma cidade, uma das ruas do bairro Calçada se chama Barão de Cotegipe, título nobiliárquico do político João Maurício Wanderley (1815-1889). O comerciante Joaquim Pereira Marinho (1828-1887) é homenageado com uma imponente estátua na cidade.

O passado escravagista une essas três figuras históricas. Tanto o pai de Lacerda quanto Marinho fizeram fortuna como traficantes de escravos. Wanderley votou contra a Lei Áurea - a da abolição dos escravos - quando esta foi submetida ao Senado. É por conta de referências públicas assim que um grupo de historiadores criou o projeto Salvador Escravista.

No site criado por eles já estão mapeadas nove "homenagens controversas” — termo utilizado pelo grupo — relacionadas ao período da escravidão. O material também compila "homenagens reparadoras” — como a escultura do líder da resistência negra Zumbi dos Palmares (1655-1695), no centro da cidade — além de "lugares esquecidos” da história africana na capital baiana.

O projeto foi criado por um coletivo de historiadores, todos professores universitários estudiosos da escravidão, ligados a diversas instituições de ensino. Foi lançado na esteira do movimento Black Lives Matter, no primeiro semestre deste ano. Conforme explica à DW Brasil o historiador Cândido Domingues, professor da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), os participantes "viram que era um bom momento para unir forças e pesquisas e colocá-las à serviço da construção de uma outra memória da cidade”.

De acordo com o historiador Carlos da Silva Junior, professor da Universidade Estadual de Feira de Santana, não há um consenso no grupo se as homenagens a escravocratas devem ser retiradas ou alteradas. "É necessário estabelecer um debate”, diz ele, à reportagem. Uma das ideias seria a criação de um museu dedicado a contar a história da escravidão — e as estátuas poderiam ser para lá levadas, por exemplo. Já os nomes dos espaços públicos precisariam ser ressignificados — ou melhor contextualizados.

"É [uma questão] importante porque estamos falando sobre o impacto do racismo na formação da sociedade brasileira. Este problema não nasceu em 2020, mas sim tem uma longa trajetória”, ressalta Silva Junior. "Essas memórias não são tratadas adequadamente. Passamos por ruas que prestam homenagem a escravistas e as pessoas não têm a menor ideia de que aqueles personagens que estão ali tiveram participação intensa na escravidão de seres humanos.”

Tours

Recentemente, diversos projetos foram criados no Brasil para ressignificar as marcas da história negra nos espaços públicos. Fruto do projeto Passados Presentes: Memória da Escravidão no Brasil — iniciativa das universidades Federal Fluminense e Federal do Estado do Rio de Janeiro —, o aplicativo para celular Pequena África traz um roteiro com os 19 principais pontos ligados à história e a cultura negra na região portuária do Rio. É o caso do Largo da Prainha, onde funcionava um mercado de escravos; e a casa onde teria nascido o escritor Machado de Assis (1839-1908).

Curitiba também tem seu roteiro temático. Trata-se da Linha Preta, um tour criado pelo curso de jornalismo da faculdade Unibrasil Centro Universitário em parceria com o Centro Cultural Humaita, que estuda e pesquisa arte e cultura afro-brasileira. Com o objetivo principal de, segundo o descritivo do projeto, "valorizar e dar visibilidade à contribuição negra na construção física e social da capital paranaense, bem como apresentar referências históricas e culturais da sua existência e colaboração para a construção” da cidade, foram mapeados 21 pontos.

Estão no roteiro a Praça Generoso Marques, onde ficava o pelourinho, a Igreja do Rosário dos Homens Pretos, e a Rua Engenheiros Rebouças — que homenageia os irmãos André (1838-1898) e Antônio Rebouças (1839-1874).

São Paulo negra

Nascido em Campo Grande, o empresário e pesquisador da cultura negra Guilherme Soares Dias conta que quando se mudou para São Paulo, em 2009, surpreendeu-se com histórias das marcas do passado negro no centro da cidade. Em um primeiro momento, pensou que o desconhecimento se devia ao fato de ele próprio não ser paulistano. Com o tempo, percebeu em geral pouca gente sabe dessas histórias.

Desde maio de 2018, ele organiza o tour Caminhada São Paulo Negra — pelo menos uma vez por mês. "A ressignificação desses espaços revela a São Paulo negra, que talvez seja a minha São Paulo negra”, comenta ele, à DW Brasil. Alguns pontos curiosos

Entre os pontos que mais chamam a atenção dos participantes estão o pelourinho que havia na cidade, como ponto de tortura a negros até o século 19 — onde hoje é o Largo Sete de Setembro, ao lado do Fórum João Mendes — e o Largo da Forca, hoje Praça da Liberdade.

"Esse resgate é essencial. Quando falamos ‘São Paulo negra', na verdade estamos falando sobre São Paulo. Precisamos do sufixo porque se trata de uma história não contada. Iniciativas assim resgatam a história negra e mudam o olhar”, explica ele. "Oitenta por cento dos nossos clientes são paulistanos. Mas é quando fazem o tour que eles entendem como essa história foi apagada e, algumas vezes, criminalizada, o quanto ela precisa ser ressignificada. É um movimento crescente, mas que ainda precisa crescer muito mais.”

De sexta a domingo, por conta do Dia da Consciência Negra, houve três edições da Caminhada São Paulo Negra. Foram dias especialmente tristes. "Quando fazemos os passeios, contamos histórias do que acontece com a população negra hoje, comparando com esses espaços antigamente usados para tortura e morte, como o pelourinho e a forca”, conta Dias. "Procuramos comparar o presente com o passado. É importante falar sobre isso.” Desde sexta-feira, o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, espancado por um segurança em supermercado da rede Carrefour em Porto Alegre na última quinta, acabou sendo abordado nessas explicações.


Autor: Edison Veiga

Notícias