PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Pesquisadores acham dois corpos 'intactos' de vítimas da erupção em Pompeia

Corpos são de dois homens, um de 40 anos e o outro o seu jovem escravo - AFP PHOTO / POMPEII ARCHAEOLOGICAL PARK / LUIGI SPINA
Corpos são de dois homens, um de 40 anos e o outro o seu jovem escravo Imagem: AFP PHOTO / POMPEII ARCHAEOLOGICAL PARK / LUIGI SPINA

22/11/2020 12h22

Pesquisadores do Parque Arqueológico de Pompeia, no sul da Itália, revelaram ontem ter encontrado dois corpos que foram petrificados na erupção do vulcão Vesúvio em 79 d.C.

As escavações resultaram no descobrimento de dois homens, sendo um de 40 anos envolto em um manto de lã e seu jovem escravo. Em ambos corpos é possível ver as dobras das roupas. Eles parecem adormecidos no chão, com as mãos ainda no peito e os dedos cruzados sobre a túnica.

A descoberta ocorreu há poucos dias na escavação em andamento desde o início de 2020 na grande vila suburbana de Civita Giuliana, uma luxuosa propriedade no norte da cidade, onde em 2017 foram localizados alguns restos mortais de três cavalos.

homem - AFP PHOTO / POMPEII ARCHAEOLOGICAL PARK / LUIGI SPINA - AFP PHOTO / POMPEII ARCHAEOLOGICAL PARK / LUIGI SPINA
Imagem: AFP PHOTO / POMPEII ARCHAEOLOGICAL PARK / LUIGI SPINA

A operação, definida como "incrível" pelo ministro dos Bens Culturais da Itália, Dario Franceschini, foi inteiramente financiada pelo Parque Arqueológico com 1 milhão de euros e realizada em parceria com a Procuradoria de Torre Annunziata, o promotor Pierpaolo Filippelli e os carabineiros, usados para impedir ladrões de túmulos.

"Uma descoberta absolutamente excepcional, porque pela primeira vez em mais de 150 anos foi possível fazer moldes perfeitamente exitosos das vítimas e das coisas que tinham com elas no momento em que foram atingidos e mortos pelos vapores ferventes da erupção", explicou Massimo Ossana, diretor-geral do parque.

Segundo os arqueólogos, a escavação ainda está em curso e poderá talvez esclarecer melhor nos próximos meses o papel destes dois homens e para onde se dirigiam no momento da tragédia. No entanto, "os primeiros estudos indicam que a morte deve ter ocorrido na manhã do segundo dia da erupção, ou seja, por volta das 9h do dia 25 de outubro de 79 d.C, quando a segunda terrível corrente piroclástica derrubou a colônia romana".

As análises, que podem reforçar a ideia de uma erupção no dia 24 de outubro e não em 24 de agosto como se acredita, foram feitas com a mesma técnica desenvolvida por Giuseppe Fiorelli em 1863.

A última tentativa havia sido feita na década de 1990, infelizmente sem grande sucesso. Desta vez, a experiência foi totalmente bem-sucedida.

"As últimas semanas foram febris. Sentimos a presença de lacunas na manta de material piroclástico e daí a surpresa de restos humanos", acrescentou Osanna.

Pompeia fica nos arredores de Nápoles e foi totalmente destruída pela erupção do Vesúvio em 79 d.C. O local é atualmente a segunda atração turística mais visitada da Itália, atrás apenas do Coliseu, que fica localizado em Roma.

Notícias