PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Rolls-Royce Ghost: andamos no carrão de R$ 4 mi que ostenta até sem querer

do UOL

Joaquim Oliveira

Colaboração para o UOL, em Lisboa (Portugal)

18/11/2020 04h00

A nova geração do Rolls-Royce Ghost bem que tentou fazer jus ao nome e passar invisível nas ruas como um fantasma. Mas conseguir tal feito com um carrão como esse é o equivalente a esperar que um elefante passe despercebido dentro de uma loja de cerâmicas.

O resultado é um modelo que ostenta em cada detalhe, com um luxo que justifica cada centavo dos R$ 4 milhões que custa importar um desses para o Brasil.

Antes de mais nada, vale uma explicação. O novo Ghost foi desenvolvido visando atender às novas prioridades de seus clientes-alvo, que pediram ao CEO da Rolls-Royce por um carro 'mais discreto'. E tal pedido foi feito pessoalmente. Em vez de promover clínicas normais para avaliar seus gostos, foram convidados para um jantar com Torsten Müller-Ötvös, que se orgulha de garantir: "somos o fabricante de automóveis com o contato mais próximo com nossos clientes".

Foi sob a luz suave de um lustre de cristal e um foie-gras de trufas combinando com um vinho tinto dos anos 1970 que eles disseram ao chefe da Rolls-Royce que prefeririam ter um Ghost mais discreto.

E como construir um modelo extremamente luxuoso sem exibir tal ostentação? No caso de um Rolls-Royce, isso soa como algo praticamente impossível.

A começar pelo interior. Ao entrar pela segunda fileira de bancos, onde geralmente viaja o proprietário do veículo, percebo que não só ela ainda possui portas com dobradiças opostas de fechamento automático, como também este passageiro mimado pode abrir a porta eletricamente.

Também é importante notar que, além das funções habituais de massagem, aquecimento e resfriamento dos bancos elétricos traseiros, o ar poluído é mantido do lado de fora automaticamente e as partículas ultrafinas são purificadas em dois minutos graças a um filtro nano sofisticado.

Rolls-Royce Ghost - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Outros detalhes agradáveis e opulentos também continuam por lá. O champanhe fino e as taças de cristal dentro do compartimento refrigerado entre os ultra-confortáveis bancos traseiros? Bem, ainda é um Rolls-Royce, certo?

Assim que saio, posso fechar a porta de forma totalmente automática apertando um botão no puxador exterior da porta, ou optar por fechá-la porta manualmente com assistência elétrica. Sensores longitudinais e transversais, bem como de força G instalados em cada porta, permitem que ela tenha o mesmo peso, independentemente do carro estar em uma colina ou em uma reta plana.

"Cerca de 80% de todos os Ghost são agora conduzidos pelo próprio proprietário", diz Müller-Ötvös, "mesmo na China, sabemos que muitos clientes são conduzidos por motorista durante a semana, mas se sentam ao volante no fim de semana". Portanto, como este é o único Rolls-Royce com um número significativo de proprietários-motoristas, faz sentido mover-me para o assento esquerdo da primeira fila.

Rolls-Royce Ghost - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Sentado na posição de motorista, posso confirmar que há folheado de madeira, metal verdadeiro e couro verdadeiro, até onde os olhos podem ver. Vinte meias peles de vaca são usadas para cada interior, o que só pode significar que o cliente-alvo não está exatamente pronto para abraçar um interior vegano ecologicamente correto em sua "limusine".

"Autenticidade com substância" na palavra dos designers, mas uma tendência que já entrou no mundo da joalheria, design de barcos, arquitetura e moda de alta qualidade. Sendo condescendente, posso admitir que as linhas do painel de bordo foram simplificadas relativamente às do seu antecessor e não é um relógio decorado com diamantes. Mas a costura decorativa, a mais longa usada em qualquer carro e que se estende por todo o painel, é o orgulho dos designers.

Por fim, posso confirmar algum tipo de redução, neste caso, do número de controles e interruptores no novo Ghost. Desvantagens? A legibilidade dos pequenos botões no console central sofreu enquanto as luzes indicadoras do aquecimento dos bancos podem ser vistas como uma pequena fraqueza. Sem botões esportivos e sem aletas de câmbio atrás do volante, é claro, mas com o tradicional indicador "reserva de potência" da Rolls no painel de instrumentos digital, "vestido" para parecer analógico.

Outras observações também merecem ser destacadas: depois do teto de luz de estrelas criado em 2006, com 90.000 pontos gravados a laser para ajudar a criar um efeito cintilante acima da cabeça dos ocupantes, os engenheiros britânicos desta vez criaram agora o tablier iluminado, nada menos que 850 estrelas elegantemente colocadas ao redor da placa de identificação do Ghost na área do painel diante do passageiro dianteiro (escondidas até que as luzes da cabine sejam acesas).

Depois temos os subwoofers embutidos nas portas, os "alto-falantes excitados" no forro do teto e o sistema estéreo de 1200 watts que potencialmente transforma a audição de música em uma incrível experiência de imersão de som.

E não é tudo: até o silêncio foi trabalhado, pois não só a construção em alumínio tem uma impedância acústica superior ao aço, como também teve cuidadosas medidas para eliminar o ruído (mais de 100 kg de materiais de amortecimento acústico espalhados pela cabine e piso do veículo) e dois microfones foram usados para neutralizar quaisquer frequências desagradáveis no interior, tudo para dar aos usuários uma sensação de bem-estar desde o segundo em que entram no carro. Na verdade, o resultado final foi tão assustadoramente silencioso que até foi criado um sussurro artificial como um ruído branco.

Rolls-Royce Ghost - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Se por dentro a ostentação é evidente, no design também é difícil passar despercebido com o Ghost. O tamanho, inclusive, aumentou: a segunda geração é nove centímetros mais comprida (5.540 mm) e três mais larga (1.978 mm).

E, apesar do fato de que apenas a estátua aristocrática no capô e os guarda-chuvas foram herdados do antecessor, é preciso um olho bem treinado para distinguir os dois modelos um do outro: a nova geração tem menos ornamentos e vincos, a grade frontal típica da marca é menor e mais discreta e o ornamento do capô mais famoso do mundo foi um pouco chegado para trás. Esta etapa por si só é tecnicamente complexa, porque o Spirit of Ecstasy tem que passar por um recesso com precisão milimétrica quando o capô é aberto.

A estrutura do carro é o spaceframe de alumínio usado pela primeira vez no Phantom e no Cullinan, e a carroceria também é uma grande peça contínua de alumínio sem folgas no painel, perturbando a visão de quem vê (para tornar isso possível, quatro artesãos soldam manualmente a carroceria ao mesmo tempo), o que aumenta a rigidez da carroceria (de 40.000 Nm/grau) e diminui o peso.

Esta nova plataforma desenvolvida internamente (ao contrário do modelo de 2009, que usava as bases do BMW Série 7) abre caminho para um centro de gravidade mais baixo, e o fato de o motor ter sido empurrado para trás do eixo dianteiro foi fundamental para gerar uma distribuição de peso 50/50 (dianteira/traseira).

A suspensão do Ghost é provavelmente onde a maior parte do progresso técnico pode ser encontrado. Primeiro, há a chamada suspensão "Planar" (em homenagem a um avião geométrico que é completamente plano e nivelado), evolução do anterior "Magic Carpet Ride". Na sua missão de criar uma sensação de voo em terra nunca antes alcançada por um carro, os engenheiros incorporaram o primeiro amortecedor do triângulo superior acima do conjunto da suspensão dianteira.

Simplificando, se trata de um amortecedor do amortecedor e permite melhorar ainda mais o já notável resultado conseguido pelo conjunto dos amortecedores variáveis controlados eletronicamente e da suspensão pneumática autonivelante.

A montagem traseira não é menos sofisticada: além da mesma tecnologia de suspensão pneumática de alto volume, o eixo de cinco braços se beneficia do novo eixo direcional, o que é realmente útil para melhorar a manobrabilidade e agilidade geral do Ghost, tanto quanto você pode esperar (e até não esperar) de um carro de mais de 5,5 metros pesando 2,5 toneladas.

Rolls-Royce Ghost - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O motor V12 de 6,75 litros é herdado da Geração I, mas é em si uma peça de excelência de engenharia e com "valor histórico" agregado, já que é provável que seja o último motor de combustão interna do Ghost - a Rolls já declarou sua intenção de se tornar uma marca totalmente elétrica depois de 2030 e como cada Ghost dura cerca de dez anos...

É acoplado à conhecida transmissão automática de conversor de torque de 8 velocidades que extrai dados do GPS do carro para pré-selecionar a marcha ideal para cada ocasião. Por último, e certamente não menos importante para os clientes abastados que vivam em climas mais frios, o Ghost mudou da tração traseira para a tração integral.

É hora de pisar no acelerador e aproveitar a dinâmica aprimorada. O V12 twin-turbo se sente enérgico mesmo se você pressionar suavemente o acelerador, isso como resultado de sua disponibilidade de pico de torque a apenas 1600 rpm que, junto com a potência máxima de 571 ps, consegue disfarçar o enorme peso que pode facilmente chegar a 3 toneladas com quatro pessoas e os 507 litros de bagagem a bordo.

O sprint de 0 a 100 km/h em apenas 4,8 s e a velocidade máxima de 250 km/h dão uma ideia do que o Ghost monolítico é capaz, mesmo que seja o "como" e não o "quanto" o que realmente diferencia a experiência de dirigir e ser dirigido esse Rolls de tudo o mais que possamos encontrar na estrada.

Esta não é uma limusine de luxo que goste de espaços urbanos confinados, mesmo que o eixo traseiro direcional torne a vida muito mais fácil nesse ambiente, da mesma forma que melhora suas habilidades de viragem em estradas sinuosas. Não espere que ele tenha um desempenho para os quais não foi concebido. Então quando as velocidades em curva aumentam, a aderência adicional do sistema de tração integral será útil, mas não esconde totalmente sua tendência natural de subvirar.

Em rodovias, em velocidades que somente as autoestradas alemãs permitem, a qualidade de construção, a sofisticação do chassi e as medidas de isolamento de ruído se unem para definir um conforto de rolamento superior, impossível de superar graças aos amortecedores ajustáveis eletronicamente trabalhando em conjunto com o sistema de câmeras.

Mas também graças à suspensão dianteira que, por um lado, garante a famosa flutuação de um tapete mágico, mas por outro lado, é muito mais ágil, sem sinais de negar ao motorista a chance de sentir a estrada e sem transmitir uma experiência de direção totalmente artificial, devido a esta solução mecânica.

Em suma, o novo Ghost é claramente digno da reivindicação de Sir Henry Royce para cada carro que sua empresa construía: "pegue o melhor que existe e torne-o melhor". Mesmo que continue a ser opulento de muitas maneiras diferentes, como em sofisticação tecnológica, luxo e preço.

Notícias