PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Aeroporto de Berlim será aberto após 9 anos de atraso por erros e corrupção

Aeroporto terá capacidade para 41 milhões de passageiros ao ano - Divulgação
Aeroporto terá capacidade para 41 milhões de passageiros ao ano Imagem: Divulgação
do UOL

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

31/10/2020 04h00

Após um atraso de nove anos e escândalos de corrupção que colocaram em xeque o mito da eficiência alemã, o novo aeroporto de Berlim (Alemanha) será oficialmente inaugurado neste sábado (31). Em uma semana, todos os voos que operam no aeroporto de Tegel serão transferidos para o novo aeroporto Berlim-Brandemburgo Willy Brandt.

Mesmo antes da inauguração oficial, o aeroporto já recebeu seus primeiros voos. É que o antigo terminal de Schönefeld foi incorporado ao novo aeroporto, passando a ser chamado de terminal 5 do aeroporto do Berlim-Brandemburgo Willy Brandt.

O novo aeroporto de Berlim promete resolver um grave problema em relação à ineficiente estrutura aeroportuária da capital alemã, que impede até mesmo o aumento dos voos que servem a cidade. Berlim já chegou a ter três aeroportos diferentes, mas nenhum deles com capacidade suficiente para atender à demanda da capital alemã.

O novo Berlim-Brandemburgo Willy Brandt terá uma capacidade máxima para 41 milhões de passageiros ao ano, divididos em três terminais: 1 (25 milhões de passageiros), 2 (6 milhões de passageiros) e 5 (de 8 a 10 milhões de passageiros). A inauguração do terminal 2 está prevista apenas para o meio do ano que vem.

Duas pistas paralelas

Toda essa estrutura estará dentro de uma área total de 1.470 hectares, o que corresponde a cerca de 2.000 campos de futebol. O novo aeroporto será servido por duas pistas de pouso e decolagem.

A pista norte já era utilizada pelo aeroporto de Schönefeld, mas foi ampliada de 3.000 metros para 3.600 metros. A nova pista sul terá 4.000 metros de comprimento e 60 metros de largura, permitindo a operações dos maiores aviões do mundo. As duas pistas são paralelas e poderão operar simultaneamente por conta da distância lateral de 1.900 metros entre elas.

berlim aeroporto - Divulgação - Divulgação
Principais companhias aéreas devem começar a operar no novo aeroporto em uma semana
Imagem: Divulgação

Durante a cerimônia de inauguração do novo aeroporto, dois aviões das companhias Lufthansa e Easyjet deverão fazer um pouso simultâneo. A Lufthansa, no entanto, ainda vai demorar uma semana para começar a operar oficialmente no novo terminal 1 do Berlim-Brandemburgo Willy Brandt. A Easyjet, por outro lado, já opera há anos no aeroporto de Schönefeld, e manterá suas operações no terminal 5 do Berlim-Brandemburgo Willy Brandt.

Uma curiosidade é que finalmente Berlim terá um aeroporto utilizando o código Iata BER, em referência ao nome da cidade e não mais ao nome do aeroporto. Os antigos aeroportos da capital alemã usavam os códigos TXL (Tegel), THL (Tempelholf) e SXF (Schönefeld).

Nove anos de atraso

A construção do novo aeroporto de Berlim foi marcada por erros grosseiros e alguns casos de corrupção. Foram dez mudanças de data para a inauguração e exatos nove anos e um dia de atraso em relação à data prevista originalmente. Quando as obras tiveram início em 5 de setembro de 2006, a expectativa era de que o novo aeroporto fosse aberto em 30 de outubro de 2011 a um custo total de 2 bilhões de euros. O aeroporto será inaugurado após consumir mais de 7 bilhões de euros.

Os erros e escândalos envolvendo a construção do novo aeroporto chegaram a custar até mesmo o cargo do ex-prefeito de Berlim Klaus Wowereit, que também exercia a função de presidente do conselho fiscal das obras.

Erros desde o início

Os problemas com o aeroporto Berlim-Brandemburgo Willy Brandt começaram logo no início das obras. O projeto inicial teve de ser alterado por questões banais. Primeiro, os administradores queriam ter mais espaço para lojas e restaurantes. Com o avanço das obras, verificou-se que os portões de embarque e desembarque de passageiros e até a quantidade de escadas rolantes era insuficiente para o tamanho do aeroporto.

aeroporto berlim bradenburgo - Divulgação - Divulgação
Novo aeroporto de Berlim será aberto após nove anos de atraso
Imagem: Divulgação

Havia também problemas com a má qualidade das obras do estacionamento, falta de áreas de check-in e esteiras de bagagem. Mais de 90 km de cabos tiveram de ser substituídos por problemas na instalação e cerca de 4.000 portas foram numeradas erroneamente.

As mudanças foram feitas e, inicialmente, estava mantida a data de outubro de 2011. Poucos meses antes, no entanto, já era possível prever que o cronograma não seria cumprido, e o aeroporto teve sua inauguração marcada para o dia 3 de junho de 2012.

Dessa vez, tudo parecia seguir corretamente, e o aeroporto já se preparava para a inauguração, inclusive com simulações de funcionamento, como check-in, despacho de bagagem e controle de segurança. Menos de um mês da data prevista para receber o primeiro voo, no entanto, o aeroporto foi reprovado nos testes de combate a incêndio, e abertura foi proibida pelas autoridades locais.

Enquanto eram feitas as alterações exigidas, moradores da região, que já lutavam contra o funcionamento do aeroporto durante a noite, conseguiram uma decisão judicial para obrigar a construção de novas barreiras sonoras.

Ao longo dos anos, diversos outros problemas foram identificados, como falhas na instalação de cabos e partes da tubulação para abastecimento de querosene de aviação, no campo de pouso, não se encaixavam umas nas outras.

Houve problemas até mesmo na instalação das portas automáticas do terminal de passageiros. Durante os testes, verificou-se que elas não fechavam direito, o que poderia gerar um grave risco de segurança em caso de incêndio. Assim, cerca de 1.200 portas automáticas precisaram ser substituídas. Além disso, havia problemas também nos detectores de fumaça e outros sistemas de combate a incêndio.

Casos de corrupção

Também foram revelados casos de corrupção durante as obras do aeroporto. Em 2015, um ex-operador foi condenado por aceitar subornos da Imtech, a empresa que construiu o sistema de proteção contra incêndio, justamente a estrutura que mais causou dor de cabeça no projeto.

Em 2018, um canal de TV revelou ainda que a chefe executiva do aeroporto acumulava uma aposentadoria estatal junto com seu salário de 500 mil euros anuais, algo que foi classificado como um "escândalo" por políticos da oposição.

Notícias