PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Forte terremoto deixa ao menos 22 mortos na Turquia e na Grécia

30/10/2020 19h40

Atenas, 30 Out 2020 (AFP) - A Turquia registrou um forte terremoto de magnitude 7 na escala Richter, que provocou o desabamento de vários prédios, deixando pelo menos 22 mortos e 800 feridos.

O tremor, que chegou a ser sentido em Istambul e Atenas, ocorreu pouco antes das 12h GMT (09h de Brasília) no Mar Egeu, a sudoeste de Esmirna, a terceira cidade da Turquia, e perto da ilha grega de Samos.

A magnitude do sismo, registrado a uma dezena de quilômetros de profundidade, foi avaliado pelo Instituto Geofísico Americano (USGS) com magnitude 7, e 6,8 pelas autoridades turcas.

Em Bayrakli, na província turca de Esmirna (sudoeste), equipes de resgate, com cães farejadores, lutavam para tentar alcançar as vítimas e possíveis sobreviventes em meio a uma série de vigas retorcidas e grandes pedaços de concreto, os restos de um prédio de sete andares, segundo imagens transmitidas na emissora pública turca, a TRT.

A Gestão de Emergências e Desastres (AFAD) turca confirmou 20 mortos e cerca de 800 feridos.

Na Grécia, a ilha de Samos, no arquipélago do Dodecaneso (sudeste), foi a área mais afetada: dois jovens morreram em decorrência da queda de um muro e nove pessoas ficaram feridas, informou o canal público ERT.

"Foi um caos, nunca passamos por isso. Até agora não temos vítimas. Alguns edifícios foram danificados, principalmente uma igreja", localizada no porto de Karlovassi, informou Giorgos Dionysiou, o vice-prefeito de Samos.

O sismo provocou uma elevação do nível do mar, que inundou as ruas de Seferihisar, cidade turca situada no epicentro. A maré também varreu a costa de Samos.

- Corrente humana -A costa turca, com grande densidade populacional, foi a mais afetada. Dezessete edifícios desabaram.

Os socorristas de Bayrakli, auxiliados por moradores e policiais, conseguiram contatar por telefone uma jovem presa sob os escombros.

"Não se preocupe! Já chegamos! Vou desligar para que você economize bateria. Diminua a luminosidade da sua tela e fique calma", aconselhava um familiar sob a supervisão de um socorrista.

Uma corrente humana tentava retirar os escombros. Às vezes, os socorristas exigiam silêncio para tentar localizar os sobreviventes.

Uma jovem foi tirada dos escombros de um prédio que desmoronou, segundo a CNN-Türk. Outras duas saíram das ruínas de outro prédio de sete andares, segundo a TRT.

Segundo o governador de Esmirna, cerca de 70 pessoas foram resgatadas dos escombros até o momento.

- "Meu Deus!" -As emissoras de televisão do país mostravam imagens de grandes nuvens de poeira, enquanto a população corria para as ruas, em pânico.

Em uma imagem captada por um morador, um prédio caía com uma enorme facilidade, enquanto pedestres gritavam: "Meu Deus!".

O terremoto também foi sentido em Istambul, capital econômica do país, abalada há 20 anos por um forte tremor. Mas não foi constatado nenhum dano na cidade, segundo o governador da província.

"Todas as nossas instituições começaram a se mobilizar ao local para iniciar os esforços necessários", declarou o presidente Erdogan pelo Twitter.

- "Diplomacia do terremoto" -Apesar das fortes tensões que os separam, Turquia e Grécia se comprometeram a se ajudar mutuamente.

O primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, informou pelo Twitter ter falado por telefone com Recep Tayyip Edogan para expressar "suas condolências".

"O fato de que dois vizinhos sejam solidários nestes tempos difíceis tem mais valor do que muitas outras coisas", respondeu Erdogan na mesma rede social.

Esta promessa de ajuda mútua é uma reminiscência da ajuda que a Grécia ofereceu à Turquia após o terramoto de 1999, que deixou 17.000 mortos, um gesto que permitiu a retomada nas relações entre os dois países rivais.

Isso levou alguns especialistas a cunhar a frase "diplomacia do terremoto".

A União Europeia e a Otan ofereceram ajuda em tudo o que a Turquia solicitar, expressaram Ursula Von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, e Jens Stoltenberg, secretário geral da Otan, no Twitter.

Tanto a Turquia quanto a Grécia estão situadas em uma das zonas sísmicas mais ativas do mundo. Na Turquia, além do terremoto de 1999, um tremor de magnitude 7,1 atingiu a província de Van e deixou mais de 600 mortos e em janeiro passado, outro de 6,7 deixou cerca de quarenta mortos na província de Elazig (leste).

Na Grécia, o último terremoto catastrófico ocorreu em julho de 2017 - na ilha de Kos, perto de Samos, no arquipélago do Dodecaneso - e deixou dois mortos.

hec/mr/lpt/es/mar/grp/mar/tt/bn/mvv

Notícias