PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Donald Trump: Estados Unidos e eu primeiro

29/10/2020 10h23

Washington, 29 Out 2020 (AFP) - "Algumas pessoas pensam que sou um verdadeiro gênio".

Com provocações, insultos e tuítes debochados, Donald Trump escreveu um capítulo singular na história americana.

Tanto é verdade que a eleição de terça-feira, onde buscará, aos 74 anos, um segundo mandato, se apresenta como um verdadeiro referendo sobre sua pessoa, sobre um estilo de presidência completamente novo.

Ao mesmo tempo sintoma e multiplicador dos medos e fraturas dos Estados Unidos, este presidente "showman" sempre se recusou, uma vez instalado na Casa Branca, a assumir o papel de conciliador, em uma ruptura assumida com os seus antecessores.

Mesmo no auge da pandemia de covid-19, que ceifou mais de 226.000 vidas nos Estados Unidos, quando o país buscava uma liderança estável e tranquilizadora, ele rejeitou obstinadamente qualquer demonstração de empatia.

Durante quatro anos, os americanos testemunharam, com entusiasmo, angústia ou medo, o espetáculo sem precedentes de um presidente que chegou ao poder com um estrondo e sem restrições impostas.

A guinada autoritária ou colapso econômico anunciado por alguns em 8 de novembro de 2016, dia da eleição surpreendente, não ocorreu.

As instituições frequentemente desafiadas provaram sua força e uma série de indicadores - começando com os números do emprego - foram bons por muito tempo antes do impacto devastador do coronavírus.

- "Me divirto" -Mas em um mandato repleto de escândalos que contrasta fortemente com seu antecessor Barack Obama, o septuagenário manchou a função presidencial, atacou juízes, legisladores e funcionários e alimentou tensões raciais.

Além das fronteiras, ele intimidou os aliados dos Estados Unidos, exibiu um fascínio perturbador por líderes autoritários de Vladimir Putin a Kim Jong Un e desferiu um golpe brutal na mobilização contra a mudança climática.

Propenso a exageros, a face triunfante do populismo desenfreado, o homem que, segundo o escritor Philip Roth, usa "um vocabulário de 77 palavras" fez com que seus admiradores e críticos perdessem o senso de medida.

O 45º presidente dos Estados Unidos também sofreu a desgraça de um impeachment no Congresso, que permanecerá uma mancha indelével em seu mandato.

"O show é Trump, e há atuações com ingressos esgotados em todos os lugares. Eu me divirto fazendo isso e continuarei a me divertir".

A frase, tirada de uma entrevista que o magnata do mercado imobiliário concedeu à revista Playboy em 1990, poderia ter sido pronunciada ontem. E aplicada a cada um de seus dias à frente da maior potência do mundo.

- "Pinóquio sem limite" -Dotado de verdadeiro talento na tribuna, capaz de incendiar multidões nas arquibancadas de campanha, o bilionário com o cabelo loiro peculiar conseguiu a proeza de se posicionar como porta-voz dos "esquecidos" e dos "deploráveis", para citar a expressão desdenhosa de sua rival democrata em 2016, Hillary Clinton.

Mostrando verdadeiro talento político, Trump capturou as ansiedades de uma América predominantemente branca e bastante envelhecida, que se sentia desprezada pelas "elites" da Costa Leste e pelas estrelas de Hollywood da Costa Oeste.

Este grande consumidor de hambúrgueres e Coke Diet, que se tornou conhecido dos grandes americanos graças ao reality show "O Aprendiz", aplicou implacavelmente uma regra simples: ocupar o espaço a qualquer custo.

Desprezo pela ciência, estimativas, falsidades: suas declarações forçaram a equipe de verificadores de fatos do Washington Post a criar uma nova categoria, "Pinóquio sem limite", para alegações falsas ou enganosas repetidas mais de 20 vezes.

Da ala oeste da Casa Branca, onde os escritórios presidenciais estão concentrados, Trump cavou a lacuna entre dois Estados Unidos: vermelho (republicano) e azul (democrata).

Longe de apelar, como Abraham Lincoln em 1861, para "a parte luz em cada um de nós", ele brincou incansavelmente com o medo.

Desde o anúncio de sua candidatura em 2015, ele usa o fantasma dos imigrantes ilegais "estupradores" e "criminosos". E durante a campanha de 2020 se apresentou como o único fiador da "ordem pública" contra a ameaça da "esquerda radical".

Em um país que adora momentos de unidade nacional, por mais breves que sejam, Trump raramente tenta encontrar o tom para curar feridas, mesmo depois de um desastre natural ou tiroteio violento.

Ele usou seus ataques brutais à mídia, que chamou de "desonesta", "corrupta" e "inimiga do povo", para jogar ainda mais um lado do país contra o outro.

E, pode-se destacar, Trump foi o único presidente da história americana cuja popularidade nunca ultrapassou a marca de 50% durante seu governo.

- Empresa de demolição -Seus oponentes e apoiadores concordam em um ponto: Donald Trump, de fato, cumpriu algumas de suas promessas de campanha.

Conforme havia anunciado, ele descartou uma série de tratados ou pactos duramente negociados, entre os quais se destaca o Acordo de Paris assinado por quase todos os países do planeta na tentativa de limitar o temido aquecimento global.

Mas essa fidelidade aos compromissos da campanha foi assumida pela demolição.

Em relação às iniciativas, o balanço é mais enxuto. Na questão do programa nuclear iraniano, por exemplo, ele rompeu o difícil acordo negociado por seu antecessor, aumentou a pressão sobre Teerã até a remoção do poderoso general iraniano Qasem Soleimani, mas nunca apresentou uma estratégia real.

O grande plano de paz para o Oriente Médio, confiado a Jared Kushner, seu genro e conselheiro, nunca se concretizou.

No entanto, ele pode se orgulhar de patrocinar a normalização das relações do estado hebreu com três países árabes: Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Sudão.

A morte em outubro de 2019 do líder do grupo jihadista do Estado Islâmico (EI) Abu Bakr al-Baghdadi durante uma operação dos EUA na Síria, sem dúvida, permanecerá um marco em sua presidência.

Sua maior audácia, pela qual sonhava em voz alta com o Prêmio Nobel da Paz, não teve o resultado esperado. Houve duas cúpulas com o líder norte-coreano Kim Jong Un, abraços e cumplicidades durante uma visita histórica à zona desmilitarizada, "química" e cartas "magníficas", mas o esforço foi em vão. Nada mudou na questão central da desnuclearização.

Na complexa e mutante geopolítica do século 21, Trump pessoalmente mirou em Justin Trudeau, Emmanuel Macron, Angela Merkel e Theresa May. O aviso mais contundente não veio de seus oponentes políticos, mas de Jim Mattis, chefe do Pentágono. Em sua carta de demissão, esse general lembrou ao presidente dos Estados Unidos uma regra simples da diplomacia: "Trate os aliados com respeito".

- "Nacionalismo tambaleante" - Em um cenário político sem precedentes que nenhum conservador havia previsto, Trump, com sua capacidade de eletrificar sua base eleitoral, colocou no bolso o Partido Republicano, que inicialmente o subestimou ou até mesmo o ignorou.

Algumas vezes, legisladores do "Grand Old Party" (GOP, ou Grande Partido Antigo, o nome do partido Republicano) expressaram desacordo, como, por exemplo, por sua atitude extraordinariamente conciliatória em relação a Putin em Helsinque em 2018.

Com o tempo, no entanto, prevaleceu a convergência. Para desgosto de algumas vozes dissidentes, como a do ex-senador John McCain, que, antes de sua morte em agosto de 2018, alertou para tentação do "nacionalismo vacilante e falacioso".

Trump sempre operou sob um princípio simples: ou se está a favor ou contra ele, sem meio termo.

O ex-chefe do FBI, James Comey, demitido pelo presidente, evocou em suas memórias um presidente que sujeita seu ambiente a um código de lealdade que o lembrava da atitude dos chefes gangster observada no início de sua carreira como procurador.

- Chuva de escândalos -Nascido no Queens, Nova York, educado na escola militar, Donald J. Trump ingressou na empresa da família após estudar Administração.

Ao contrário do que propaga, não é um "self-made man".

Após a Segunda Guerra Mundial, seu pai, Fred Trump, descendente de um imigrante alemão, já havia construído um império na cidade de Nova York, construindo prédios para a classe média em bairros da classe trabalhadora.

Quando o New York Times revelou recentemente que Donald Trump pagou apenas 750 dólares em imposto de renda federal em 2016 e que muitas de suas empresas acumularam prejuízos, sua imagem como empresário de sucesso foi manchada novamente.

Pai de cinco filhos com três mulheres diferentes, um avô de dez, Trump nunca parou de elogiar publicamente Melania, a ex-modelo eslovena que se tornou "magnífica primeira-dama".

Entretanto, as revelações sobre seus supostos casos extraconjugais, particularmente com a estrela pornô Stormy Daniels, e as alegações de agressão sexual dirigidas contra ele, colocam em xeque seu elogio aos valores familiares repetidos a cada encontro com cristãos evangélicos.

Contando com um círculo familiar próximo, mas também sempre colocando seus "instintos" em primeiro lugar, Donald Trump, cuja queda foi anunciada mil vezes, sobreviveu a todos os escândalos. Como se, de tanto acumular, não o afetassem mais.

jca/dax/hr/ad/rsr/cc/aa

THE NEW YORK TIMES COMPANY

Notícias