PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Petrobras reduz perdas a R$ 1,546 bi no terceiro trimestre

28/10/2020 22h04

Rio de Janeiro, 29 Out 2020 (AFP) - A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (28) uma redução das perdas no terceiro trimestre de 2020, registrando seu terceiro resultado negativo seguido, resultante da crise econômica global provocada pela pandemia do novo coronavírus.

A empresa registrou perdas líquidas de 1,546 bilhão de reais de julho a setembro, muito inferiores às perdas de R$ 2,7 bilhões no segundo trimestre e de R$ 48,5 bilhões no primeiro.

No terceiro trimestre de 2019, a empresa tinha obtido lucro de R$ 9,087 bilhões.

O presidente da companhia, Roberto Castello Branco, afirmou, em um comunicado, que a rápida resposta à recessão global está começando a dar resultados.

"Apesar das restrições impostas pela pandemia e pelo ambiente incerto, nosso desempenho operacional e financeiro melhorou significativamente conforme demonstrado pelo aumento da produção de petróleo e gás natural e do fator de utilização de nossas refinarias e pela forte geração de caixa", acrescentou.

Segundo a empresa, as perdas do terceiro trimestre se devem a que os ganhos com maiores volumes de vendas de petróleo e derivados e maiores preços do Brent foram mais do que compensados por despesas financeiras, influenciadas por prêmios pagos na recompra de títulos.

O terceiro trimestre foi marcado, ainda, pela recuperação da demanda de derivados de petróleo no Brasil, com um aumento de 18% com relação ao trimestre anterior.

"Destacam-se a recuperação das vendas de diesel e gasolina. Esses produtos foram muito afetados pelo covid-19 no segundo trimestre de 2020 e sua recuperação trimestral foi a mais forte em nosso portfólio, tanto em termos de volumes quanto de preços", reforça.

A empresa destaca, ainda, que no terceiro trimestre foi mantido um nível alto de exportações e destaca que as exportações de petróleo bruto para a China "voltaram aos níveis pré-covid".

A Petrobras foi fortemente impactada pelas medidas de quarentena que derrubaram a demanda mundial de petróleo. Segundo a companhia, o setor sofreu sua pior crise em cem anos.

jm/gma/mvv

Notícias