PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Governo confirma prisão de colaborador de Guaidó na Venezuela

Um colaborador do líder parlamentar da Venezuela, Juan Guaidó (foto), foi preso por agentes de segurança - Federico Parra/AFP
Um colaborador do líder parlamentar da Venezuela, Juan Guaidó (foto), foi preso por agentes de segurança Imagem: Federico Parra/AFP

Em Caracas

28/10/2020 01h23

Um colaborador do líder parlamentar da Venezuela, Juan Guaidó, foi preso por agentes de segurança, anunciou ontem o governo de Nicolás Maduro, um caso que o opositor e aliados haviam classificado de "desaparecimento forçado".

"Rechaçamos a campanha de descrédito contra o estado de direito na Venezuela a propósito da prisão do cidadão Roland Carreño", tuitou o ministro de Comunicações e Informação, Freddy Ñáñez.

Carreño e outros dois opositores, Yeferson Sarcos e Elías Rodríguez, sofreram "um desaparecimento forçado", havia denunciado Guaidó. O fato ocorreu após a saída da Venezuela do mentor político de Guaidó, Leopoldo López, que encerrou uma permanência de 18 meses na residência do embaixador da Espanha em Caracas.

Após ser confirmada a prisão de Carreño, foram libertados os dois opositores que o acompanhavam, informou no Twitter o SNTP (Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa).

Sem citar Sarcos e Rodríguez, Ñañez afirmou que Carreño "confessou sua participação em crimes contra a ordem constitucional para alterar a paz na república", sem dar detalhes sobre a prisão ou os crimes.

O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, informou no Twitter que investigações preliminares ligam Carreño "à entrega de armas de guerra e dinheiro em espécie a determinados sujeitos para promover ações violentas" no país. Segundo Saab, a polícia prendeu Carreño com "12 mil dólares em espécie e um fuzil".

Paralelamente, o partido Vontade Popular, liderado por Leopoldo López e de cujas fileiras emergiu Guaidó, denunciou que "mais de 20 funcionários vasculham a residência" de Carreño, que é coordenador operacional da organização. Autoridades não se pronunciaram sobre esse procedimento.

Mais cedo, o CNP (Colégio Nacional de Jornalistas) afirmou que Carreño, jornalista, encontrava-se preso na sede do Sebin (Serviço Nacional de Inteligência Bolivariano), no edifício Helicoide, em Caracas.

Quase um dia sem notícias

O governo Maduro confirmou a prisão de Carreño, mais de 22 horas após a equipe de Guaidó denunciar os três "desaparecimentos".

Os opositores "estão desaparecidos desde as 17h30 de segunda-feira", alertou Alfredo Romero, diretor da ONG de defesa de direitos humanos Foro Penal, que contabilizou 359 "presos políticos" no país até o momento.

Os Estados Unidos, principal aliado internacional de Guaidó, condenaram o "desaparecimento forçado" de Carreño. Trata-se "da última tentativa de Maduro de deter arbitrariamente cidadãos para silenciá-los e infundir medo", tuitou o chefe da diplomacia americana para a América Latina, Michael Kozak.

Os "desaparecimentos" acontecem depois que López, ex-prefeito do município de Chacao, em Caracas, deixou a Venezuela, após meses na residência do embaixador espanhol em Caracas, onde permaneceu como hóspede.

Condenado a quase 14 anos de prisão em 2015 - acusado de incitar à violência em protestos contra o governo Maduro que deixaram 43 mortos e cerca de 3.000 feridos em 2014 - López recebeu autorização para ir para a prisão domiciliar em 2017.

Em 30 de abril de 2019, o opositor foi libertado e participou de um levante militar fracassado contra Maduro no mesmo dia, apoiado por Guaidó. Após o fracasso da iniciativa, López se refugiou na casa do embaixador espanhol.

Durante uma coletiva de imprensa em Madri, ontem, López denunciou que "nas últimas horas pessoas muito próximas" a ele "desapareceram por causa da ditadura".

Notícias