PUBLICIDADE
Topo

Notícias

É enganoso que expor população seja melhor contra pandemia do que vacinação

Mulher caminha pela Rua da Consolação, na região central de São Paulo, durante pandemia de coronavírus - Ettore Chiereguini/AGIF
Mulher caminha pela Rua da Consolação, na região central de São Paulo, durante pandemia de coronavírus Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF
do UOL

Do UOL, em São Paulo*

28/10/2020 20h38

São enganosos os tuítes do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) afirmando que as pandemias acabam por meio da disseminação da doença, não com vacinas. Ele declara, entre outros pontos, que "não há registro histórico de pandemia de um novo vírus que termina com vacina! Isso só acontece com a imunidade de rebanho". Diferentemente do que o deputado escreve, o uso da estratégia de imunidade de rebanho prevê a vacinação da população, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). A imunidade provocada pela própria doença como método para conter o novo coronavírus não é endossado pelos cientistas ouvidos pelo Comprova porque poderia aumentar substancialmente o número de mortes pela covid-19, entre outros motivos.

Cristina Bonorino, professora titular da UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre) e membro do comitê científico da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunologia), lembra que a varíola, pandemia que durou milhares de anos, só acabou com a vacinação massiva. De acordo com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), "a doença foi erradicada graças a um esforço global de 10 anos, liderado pela Organização Mundial da Saúde, que envolveu milhares de profissionais de saúde em todo o mundo para administrar meio bilhão de vacinas para eliminar a varíola".

Outro ponto que vai na contramão do que escreve o deputado é que, em alguns casos, a imunidade de quem foi infectado pelo novo coronavírus é temporária, como explica o médico Marcelo Sommer Bittencourt, da Clínica de Epidemiologia do Hospital Universitário da USP (Universidade de São Paulo).

Terra também engana ao escrever que a Suécia alcançou a imunidade de rebanho. Em recente entrevista, o epidemiologista-chefe da Suécia, Anders Tegnell, negou o uso da estratégia, afirmando que "insinuar que deixamos a doença correr livre sem quaisquer medidas para tentar impedi-la não é verdade".

O Comprova tentou contatar o deputado via Twitter, e-mail e telefone da Câmara, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Como verificamos?

Inicialmente, pesquisamos informações sobre o que é a imunidade de rebanho em artigos científicos e em reportagens, inclusive algumas publicadas anteriormente pelo Comprova. Também buscamos dados sobre a situação da pandemia na Suécia, citada por Terra em um dos tuítes verificados - os sites da Agência Sueca de Saúde Pública e da Universidade Johns Hopkins, referência na covid-19, foram as principais fontes.

O segundo passo foi entrevistar especialistas para entender se as afirmações do deputado faziam ou não sentido. Conversamos com Cristina Bonorino, professora titular da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre e membro do comitê científico da Sociedade Brasileira de Imunologia, e com Luiz Almeida, biólogo formado pela PUC-Campinas, PhD em microbiologia e administrador das mídias sociais do Instituto Questão de Ciência (IQC).

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 28 de outubro de 2020.

Verificação

Imunidade de rebanho

Também chamada de imunidade coletiva, este é um conceito com origem na proteção proporcionada pelas vacinas, e não naturalmente pelas doenças, segundo o qual a partir de um percentual de pessoas imunizadas, outras ainda suscetíveis à doença e que não se vacinaram também ficariam protegidas, porque o agente deixa de circular, como explica a OMS.

O Instituto Butantan usa como exemplo da imunidade de rebanho o sarampo: com 95% da população imunizada, o vírus deixou de circular e a doença foi erradicada - acabou voltando recentemente, movimento relacionado à queda na taxa de vacinação.

O termo surgiu a partir dos experimentos científicos dos pesquisadores britânicos William Topley e Graham Wilson. Eles observaram o comportamento de ratos enquanto faziam experiências bacterianas nos animais e concluíram que a sobrevivência de um rato dependia exclusivamente da imunidade dos outros animais à sua volta.

Embora, segundo a OMS, a imunidade de rebanho só pode ser atingida com vacina, o termo é controverso. Há quem defenda que ela pode ser alcançada também de forma natural, "quando uma grande parte da população é infectada e se torna imune". Esta é a versão que Terra usa em seus tuítes, já apoiada por Jair Bolsonaro (sem partido) como forma de contrapor ações como isolamento e fechamento do comércio. O presidente disse repetidas vezes que 70% dos brasileiros deveriam pegar a covid-19.

Para o diretor científico da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal, José David Urbaéz, essa opção é ineficaz. "A circulação do vírus não acontece de maneira homogênea, não é todo mundo que se expõe ao vírus da mesma forma. Por isso que não se pode falar de rebanho", afirmou em entrevista ao Correio Braziliense.

Professor na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais e também participante de comitês do coronavírus na Prefeitura de Belo Horizonte, Uniaí Tupinambás também declarou que a estratégia da imunidade de rebanho sem vacina seria "catastrófica".

Para o site da Faculdade de Medicina da UFMG, ele explicou que, em 2019, Minas Gerais enfrentou uma epidemia de dengue. Já em 2020, a doença não se alastrou porque a população estava vacinada contra o vírus - o que acaba criando uma proteção àqueles que não conseguiram se imunizar. Já com a pandemia do novo coronavírus, o cenário é outro. Segundo o professor, para atingir um número de imunidade de rebanho, de 60% a 70% da população teria que se infectar com o novo coronavírus. Com isso, ele diz, "em Minas Gerais, por exemplo, morreriam cerca de 150 mil pessoas".

"Em vez de a gente esperar as pessoas pegarem o vírus e esperar o acaso, (porque elas podem) morrer ou ficar resistentes e imunes ao vírus, a gente usa as vacinas. Elas imitam a infecção que a gente vai pegar pelo vírus e engana nosso sistema imunológico, que pensa estar infectado, com a vantagem de que não é o vírus natural, aquele que realmente causa a doença", explica Luiz Almeida, biólogo e PhD em Microbiologia.

Casos de reinfecção

A versão que defende a imunidade de rebanho com a disseminação do vírus na população sem vacina (usada pelo deputado nos posts) desconsidera que os estudos científicos ainda não esclareceram se uma infecção pelo novo coronavírus garante uma imunidade duradoura.

Conforme já verificou o Comprova, apesar de ainda haver dúvidas sobre a imunidade trazida pela doença, a resposta imune induzida pela vacina é diferente da que é conferida pela própria infecção, sobretudo em relação à eficácia e à longevidade. Enquanto um vírus — como o Sars-CoV-2 — dispõe de várias proteínas que enganam o sistema imunológico do organismo, a vacina não carrega esse componente.

Em entrevista ao UOL, Marcio Sommer Bittencourt, médico da Clínica de Epidemiologia do Hospital Universitário da USP, e Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), destacaram as incertezas científicas quanto a uma imunidade duradoura para a doença.

Bittencourt citou o resultado de pesquisas que apontaram que a imunidade adquirida por aqueles que foram diagnosticados com a doença é temporária - como o estudo do Imperial College de Londres. "Portanto, uma grande quantidade de pessoas ter contraído a doença não significa que não irão contraí-la novamente, ainda mais se isso for associado aos indícios de que o novo coronavírus é sazonal", disse.

Já Renato Kfouri apontou a questão da imunidade contra a covid-19 como "uma das maiores lacunas de conhecimento" sobre a doença. Segundo o especialista , uma das dificuldades encontradas nos estudos é mensurar a imunização de cada pessoa, uma vez que os que tiveram sintomas mais leves ou sequer manifestaram sinais da infecção tendem a desenvolver menos anticorpos, ainda que adquiram certa resistência celular.

Além disso, a depender da gravidade do quadro, os pacientes menos graves perdem esses anticorpos mais rapidamente. "Pode ser que daqui a três ou quatro meses, 30%, 40% não tenham mais anticorpo", pontua. Ele ainda reitera que há variação na confiabilidade dos testes, que podem apresentar maior ou menor número de resultados falsos, a depender do kit que é utilizado.

Casos de reinfecção da covid-19 já foram relatados em vários países, inclusive no Brasil. O primeiro registro ocorreu em Hong Kong, um homem de 33 anos que positivou pela segunda vez, mais de quatro meses após a primeira infecção.

Vacina como cura

Ao contrário do que afirma o deputado em seus tuítes, de que não há um registro histórico de vacina que tenha acabado com uma pandemia de um vírus, a vacina da varíola, desenvolvida há mais de 200 anos, é exemplo de que a vacinação foi responsável pela erradicação da doença, em 1980.

"A gente não tem mais a varíola circulando entre a população, muito por conta das vacinas, a partir do momento que a gente começou a vacinar as pessoas. Antes, as pessoas morriam de varíola muito fácil, crianças, jovens e adultos", pontuou o biólogo Luiz Almeida.

Segundo Cristina Bonorino, professora da UFCSPA e membro da Sociedade Brasileira de Imunologia, a campanha de vacinação da doença foi "massiva e constante no mundo inteiro até que não se detectou nenhum caso de varíola".

Almeida também mencionou a vacina da poliomielite, que quase conseguiu erradicar a doença por meio de uma campanha de imunização coletiva. "A OMS, inclusive, já tinha anunciado que aqui no Brasil a gente estava livre dela. O que acontece é que mesmo que a doença tenha sido erradicada num único país, os países vizinhos podem ainda ter esses vírus. Então, enquanto a gente não fizer a erradicação completa desse vírus, ele vai circular. Por isso que a pólio voltou aqui no Brasil."

Cristina explica que "os únicos lugares onde se tem bolsões de pólio acontecendo hoje são onde as pessoas não estão vacinando obrigatoriamente".

O sarampo, epidemia citada anteriormente, é outro exemplo de doença erradicada com vacina.

Declaração de Great Barrington

No post, Osmar Terra inclui o link para a Declaração de Great Barrington, idealizada pelos pesquisadores norte-americanos Martin Kulldorff, Sunetra Gupta e Jay Bhattacharya. O manifesto chamado "The Great Barrington Declaration and Petition" foi lançado em 8 de outubro de 2020 e já possui 56 mil assinaturas entre cidadãos comuns, médicos e cientistas.

No manifesto, os cientistas alertam para as possíveis consequências das atuais políticas de confinamento. Eles entendem que se pode produzir efeitos devastadores na saúde pública a curto e longo prazo, como taxas mais baixas de vacinação infantil, agravamento dos prognósticos das doenças cardiovasculares, menos exames oncológicos e deterioração da saúde mental, o que causará mais mortes nos próximos anos.

O ponto central do documento é a defesa do que os cientistas chamam de Proteção Focalizada. A ideia é que se permita que as pessoas que não fazem parte de grupo de risco mantenham sua rotina para que, assim, haja mais gente imunizada contra o vírus. Já as pessoas que estão no grupo de risco, devem seguir o isolamento, realizar testes PCR frequentemente e evitar contatos, entre outras medidas de proteção.

O documento também defende a imunidade de rebanho pela contaminação ao invés da vacinação, na qual, segundo eles, à medida que a imunidade se desenvolve, o risco de infecção diminui.

Contraponto

Como resposta à Declaração de Grande Barrington, pesquisadores internacionais de diversas áreas, como saúde e matemática, escreveram o memorando John Snow, também publicado em outubro. Snow é considerado um dos fundadores da epidemiologia moderna. Ele desenvolveu a teoria da transmissão da cólera pela água.

O memorando já tem mais de 6 mil assinaturas e busca esclarecer sobre a melhor forma de gerir a pandemia. Para os cientistas, qualquer estratégia que seja baseada na imunidade de infecções naturais para a covid-19 é falha, assim como garantir que a transmissão em pessoas jovens é controlada.

Eles também afirmam que não existem evidências de imunidade duradoura ao Sars-CoV-2. "Essa estratégia não acabaria com a pandemia da covid-19, mas resultaria em epidemias recorrentes, como era o caso de várias doenças infecciosas antes do advento da vacinação", afirma o documento.

Pandemia na Suécia

No post, Terra também engana ao afirmar que a Suécia usou a estratégia da imunidade de rebanho e que, por isso, a pandemia terminou por lá.

No início da pandemia, a Suécia se destacou por não impor o isolamento para toda a população, diferentemente de outros países europeus. As autoridades de saúde pública optaram por recomendar distanciamento físico, uso de máscaras e higiene das mãos. Em um comunicado de junho, a Agência Sueca de Saúde Pública afirmou que 80% da população havia se adaptado às medidas, "tanto em ambientes internos como externos" e que o trabalho do órgão era baseado na "forte tradição de voluntariado com ênfase na responsabilidade individual".

Mas, embora não tenha fechado as portas do comércio, o país não adotou a estratégia da imunidade de rebanho, como afirmou Terra. O epidemiologista-chefe da Suécia, Anders Tegnell, afirmou à revista britânica New Statesman que é incorreto afirmar isso. "Em comum com outros países, estamos tentando retardar a propagação (do vírus) o máximo possível. Insinuar que deixamos a doença correr livre sem quaisquer medidas para tentar impedi-la não é verdade."

Em maio, a Suécia foi, inclusive, citada pelo presidente Bolsonaro como exemplo a ser seguido, mas Tegnell disse à BBC que a estratégia não servia para o Brasil porque cada país deve considerar as circunstâncias locais.

Desde o início da pandemia, a Suécia teve 108.969 casos de pessoas infectadas e 5.930 mortes até 22 de outubro, segundo a Universidade Johns Hopkins. De acordo com a Folha, os números de casos e mortes se mostraram equivalentes aos de alguns países que impuseram quarentenas, como França e Reino Unido. Mas, quando comparada aos países nórdicos, dos quais faz parte, ela se sobressai negativamente, com média de 1.098 mortos por milhão de habitantes - enquanto os outros países têm suas taxas de mortes por milhão abaixo de 120.

Em meados de outubro, o país, novamente, foi na contramão de vários países europeus e afrouxou as medidas de isolamento ao anunciar que idosos com mais de 70 anos podem sair de casa, para evitar problemas de saúde mental. Contudo, o órgão de saúde não adotou a estratégia da "imunidade de rebanho".

Quem é Osmar Terra

Em seu sexto mandato na Câmara dos Deputados, como representante do Rio Grande do Sul, ele foi ministro do Desenvolvimento Social em 2016, no governo de Michel Temer (MDB), e ocupou a pasta da Cidadania já na gestão de Jair Bolsonaro (sem partido), em 2019.

O deputado federal é formado em medicina e foi presidente do Grupo Hospitalar Conceição entre 1986 e 1989. Também ocupou o cargo de secretário da Saúde do Rio Grande do Sul de 2003 a 2010, nas gestões de Germano Rigotto (MDB) e Yeda Crusius (PSDB).

Terra é um apoiador de Bolsonaro e, seguindo o discurso do presidente, já negou a gravidade da pandemia em diversas ocasiões. Chegou a afirmar, erroneamente, que o distanciamento social não tinha eficácia comprovada, que as mortes pelo novo coronavírus no Brasil não passariam o número de óbitos por H1N1 e declarou que a pandemia terminaria em junho.

Em março, o Comprova verificou um vídeo em que Terra defende o isolamento vertical, afirmando que apenas idosos e pessoas de grupos de risco deveriam ficar isoladas. As imagens circularam como se fossem do cardiologista Adib Jatene, falecido em 2014.

Ele não retornou os pedidos de entrevista feitos pelo Comprova.

Por que investigamos?

Nesta terceira fase, o Comprova verifica conteúdos relacionados às políticas públicas do governo federal e à pandemia. Em um ano eleitoral em que as disputas políticas estão acirradas, a covid-19 virou tema de debates em todos os campos e a desinformação que circula nas redes sociais pode custar vidas.

Os posts de Osmar Terra que enganam o leitor ao afirmar que a vacina não será eficaz para o fim da pandemia, tiveram cerca de 5,1 mil retuítes e quase 18 mil curtidas até 28 de outubro.

O Comprova já checou outros conteúdos que distorciam fatos para minimizar a importância das vacinas, como o post fazendo uma comparação forçada delas com a cloroquina, o vídeo de um médico dizendo que os imunizantes não passaram pela fase pré-clínica e o tuíte que sugeria que elas são desnecessárias.

Enganoso, para o Comprova, é todo o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro com o propósito de mudar o seu significado. É o caso da publicação de Osmar Terra, que usa números reais para chegar a uma conclusão que não é verdadeira.

*O material foi produzido por veículos integrantes do projeto Comprova: Agência Mural, Folha de S. Paulo, Niara e Poder 360

O Comprova é um projeto integrado por 24 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica rumores, conteúdo forjado e táticas de manipulação associados a políticas públicas. Envie sua pergunta ou denúncia de boato pelo WhatsApp 11 97795 0022.

Notícias