PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Incêndio atinge hospital na zona norte do Rio de Janeiro e causa 3 mortes

do UOL

Henrique Sales Barros, Allan Brito e Tatiana Campbell

Do UOL, em São Paulo, e colaboração para o UOL, em São Paulo e no Rio

27/10/2020 10h28Atualizada em 27/10/2020 22h02

Um incêndio atingiu o prédio 1 do Hospital Federal de Bonsucesso, zona norte do Rio de Janeiro, na manhã de hoje. Ao todo 12 unidades do Corpo de Bombeiros fizeram o atendimento ao local, com auxílio do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

O coordenador assistencial do hospital, Carlos César Assef, confirmou a morte de uma mulher de 42 anos, que estava em estado gravíssimo, durante a transferência. Mais tarde, também foi confirmada a morte de outra mulher, de 83 anos. Ambas as pacientes se recuperavam da covid-19. Por volta das 21h50, o Ministério da Saúde informou a morte de um terceiro paciente, sem dar mais detalhes.

Feridos estão sendo atendidos em outro prédio do hospital ou sendo transferidos. O fogo foi controlado e não se propagou para outras unidades.

A direção do Hospital Federal de Bonsucesso informou que a brigada de incêndio da unidade removeu cerca de 200 pacientes do prédio 1 para o prédio 2 até a chegada do Corpo de Bombeiros. Pessoas foram levadas em macas e cadeiras de rodas pelas ruas próximas, que ficaram bloqueadas.

Posteriormente, 46 pacientes foram transferidos para sete unidades de saúde diferentes, de acordo com os Bombeiros. Ainda segundo a corporação, quatro pacientes foram levados para o Hospital de Campanha do Riocentro, na zona oeste.

O porta-voz dos Bombeiros, tenente-coronel Lauro Botto, informou que o incêndio persiste no prédio 1, mas a situação está controlada.

"Até agora, o incêndio se mantém exclusivamente no prédio 1, não tivemos propagação para outros prédios. Tanto a estrutura quanto o funcionamento das outras unidades do hospital estão funcionando normalmente. A princípio a situação está controlada, mas estamos retirando os cilindros de oxigênio, porque sempre existe o risco de explosão", disse.

O Corpo de Bombeiros trabalha também com o risco de desabamento no prédio 1. Os técnicos da Defesa Civil estão no local para avaliar a estrutura da unidade atingida pelo fogo.

Transferência de pacientes

No hospital, havia pacientes internados no CTI (Centro de Terapia Intensiva), fazendo hemodiálise e mulheres em trabalho de parto, que exigem maior cuidado.

Por isso, depois que o prédio foi evacuado, os bombeiros começaram a organizar a transferência de alguns pacientes. Eles foram para outros hospitais e também aconteceu a reativação do hospital de campanha do Riocentro.

"A gente removeu vítimas que a própria unidade não teve capacidade de absorver. Com uma ação integrada, a gente conseguiu remover pacientes para sete unidades diferentes. Elas não sofreram ferimentos em decorrência do incêndio. Pacientes que já estavam em estado grave foram para o outro prédio da própria unidade ou para outros hospitais, de acordo com essa parceria", informou o porta-voz do Corpo de Bombeiros.

A secretaria estadual de Saúde do Rio de Janeiro informou que está com toda a rede de assistência preparada para essa emergência. Outras transferências podem acontecer.

Na frente do hospital há uma oficina, que virou um local para atendimento provisório a alguns pacientes. Macas e monitores foram colocados no local. Um dos pacientes teve que sair em uma ambulância para o Hospital Salgado Filho. Outros ficaram recebendo atenção de médicos e enfermeiros na oficina mesmo.

Uma enfermeira do hospital relatou como foi feita a evacuação.

"A gente evacuou o prédio. Não teve nenhum ferido, conseguimos evacuar todos. Somos treinados para isso (evacuação) e todos se mobilizaram", disse a enfermeira identificada como Silvia, às emissoras de televisão que estão no local.

"Todos saíram e foram acomodados lá atrás (prédio 2). A gente só ouviu falar e saiu correndo. Saímos a tempo com os pacientes. Eles estão em um prédio seguro. Eu estava de plantão e até estranhamos no início, mas saímos logo", afirmou ela.

Parentes de pacientes começaram a chegar ao hospital em busca de informações e estão sendo orientados pelos bombeiros.

Causa e controle do incêndio

O incêndio atingiu a enfermaria e os equipamentos de Raio-X. As primeiras informações indicam que o fogo começou pouco antes das 10h, e os primeiros bombeiros chegaram aproximadamente 10 minutos depois.

A origem do incêndio ainda é desconhecida, e o Corpo de Bombeiros afirmou que só poderá determinar a razão após perícia, que deve ser feita por uma equipe da Polícia Federal que está no local. Testemunhas e o tenente-coronel Lauro Botto disseram que o problema foi percebido inicialmente no almoxarifado, onde há muitas fraldas guardadas, o que teria contribuído para o fogo aumentar.

Os bombeiros conseguiram evitar que o incêndio se alastrasse para outras unidades do hospital, mas ainda estão preocupados com a estrutura do local atingido.

"Sempre trabalhamos com o risco de desabamento. Estamos avaliando, mas a informação mais precisa só teremos depois que os técnicos de Defesa Civil e engenheiro adentrarem. Por enquanto, a maior preocupação, que era evitar que o fogo se propagasse, nós conseguimos evitar. As outras unidades estão funcionando normalmente. Os focos de incêndio estão controlados, então a situação está tranquila, dentro do possível", disse Lauro Botto.

Governador lamenta

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), lamentou o incêndio. Ele cumpre agenda em Brasília e disse que está acompanhando os trabalhos com atenção.

Notícias