PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Bombeiros avisaram em 2019 que hospital era quase uma 'bomba', diz diretor

Reprodução/CNN Brasil
Imagem: Reprodução/CNN Brasil
do UOL

Do UOL, em São Paulo

27/10/2020 15h04Atualizada em 27/10/2020 22h10

Os problemas elétricos no Hospital Federal de Bonsucesso, na zona norte do Rio de Janeiro, onde um incêndio causou hoje a morte de três pacientes, são conhecidos desde 2005, pelo menos, segundo o diretor do corpo clínico da instituição, Júlio Noronha. Em 2019, um relatório feito pelo Corpo de Bombeiros apontava que o local era "praticamente uma bomba".

"O hospital é antigo, quase 70 anos [na verdade, são quase 80 anos], 1942. Ele não cresceu como cresceu a necessidade do uso de eletricidade para monitores, tomógrafos, respiradores", disse o diretor à CNN Brasil. "No ano passado, foi feito um relatório do Corpo de Bombeiros que [apontou que] nós estávamos sentados praticamente em cima de uma bomba, de um barril de pólvora".

Segundo Noronha, "o que poderia ser feito foi feito". À época deste relatório, contou, o então diretor do hospital elaborou um ofício dizendo ser fundamental a realização de obras no subsolo, no almoxarifado — onde o incêndio teria começado segundo os Bombeiros — e na parte elétrica do hospital.

"Os funcionários que lidavam com isso... Sempre tínhamos um pouco de preocupação, mas não tínhamos autoridade. Autoridade é de quem teria a posse do relatório de 2019 e fez o ofício pedindo reformas no subsolo e na parte elétrica do hospital, que é muito antiga", acrescentou o diretor.

O que se sabe até agora

O incêndio começou pouco antes das 10h e atingiu o prédio 1 do Hospital Federal de Bonsucesso. A morte de uma mulher de 42 anos, que estava em estado gravíssimo durante a transferência, foi confirmada pelo coordenador assistencial da instituição, Carlos César Assef. Segundo o secretário de Defesa Civil, Leandro Monteiro, ela tinha covid-19 e estava intubada.

Feridos estão sendo atendidos em outro prédio do hospital ou sendo transferidos. O fogo foi controlado e não se propagou para outras unidades.

De acordo com a direção do hospital, a brigada de incêndio da unidade removeu cerca de 200 pacientes do prédio 1 para o prédio 2 até a chegada do Corpo de Bombeiros. Pessoas foram levadas em macas e cadeiras de rodas pelas ruas próximas, que ficaram bloqueadas.

Posteriormente, 46 pacientes foram transferidos para sete unidades de saúde diferentes, sendo que oito deles estão com covid-19 — quatro foram para o Hospital de Acari, e a outra metade para o CER (Coordenação de Emergência Regional) do Leblon, de acordo com os bombeiros. Uma dessas pessoas acabou não resistindo.

Ainda segundo a corporação, quatro pacientes foram levados para o Hospital de Campanha do RioCentro, na zona oeste, que havia sido fechado e foi reaberto nesta manhã para ajudar no socorro. A Prefeitura do Rio de Janeiro nega que o hospital estivesse desativado.

Notícias