PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Homem vai a mercado de cueca após País de Gales proibir venda de roupas

Homem faz compras só de cueca em protesto por roupa ser considerada "item não essencial" no País de Gales - Reprodução/Global Trends/Youtube
Homem faz compras só de cueca em protesto por roupa ser considerada 'item não essencial' no País de Gales Imagem: Reprodução/Global Trends/Youtube
do UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/10/2020 10h15

Um homem entrou em um supermercado em Newport, no País de Gales, vestindo apenas cueca e máscara. A atitude ocorreu em sinal de protesto depois que o governo estabeleceu uma restrição nacional que proíbe a venda de roupas em supermercados por não considerá-las itens essenciais.

Chris Noden, de 38 anos, foi detido pela equipe de segurança da loja, uma unidade da multinacional varejista Tesco. Ele estava acompanhado da mulher, Dawn, que filmou a cena na qual o homem sobe as escadas rolantes do mercado apenas de roupa íntima.

No vídeo, a mulher apoia o parceiro e justifica o vestuário escasso de Chris: "a política da loja diz que roupas não são essenciais. Deixem ele comprar algumas roupas", reivindica Dawn.

"Isso [a proibição de compra de roupas] está além do ridículo. Há crianças crescendo que precisam de roupas", completa a mulher.

O segurança da Tesco responde, por sua vez, que Chris "não está vestido apropriadamente". E acrescenta: "Vá falar com o governo. Você não pode entrar vestido assim".

A discussão continua até que o segurança expulsa o casal do supermercado.

A confusão toda ocorreu depois que o País de Gales instaurou na noite de 23 de outubro um Lockdown que deve durar 17 dias, como medida para conter o número de casos da covid-19.

Com isso, entre várias restrições, as concessionárias de automóveis foram fechadas e os supermercados foram proibidos de vender "itens não essenciais", como roupas e livros.

Sobre a medida, o primeiro-ministro galês Mark Drakeford afirmou que a prioridade é "salvar vidas, não salvar o Natal". Todavia, a autoridade e outros ministros devem discutir ainda hoje com os supermercados as proibições de venda, de acordo com o canal ITV Wales News.

Notícias