PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Casal gay acusa seguranças de boate de agressão por homofobia no RJ

Caso aconteceu em São Gonçalo e gerou reação da OAB - Reprodução/TV Globo
Caso aconteceu em São Gonçalo e gerou reação da OAB Imagem: Reprodução/TV Globo
do UOL

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

26/10/2020 12h39

Um casal homossexual fez um registro de ocorrência na Polícia Civil, no sábado (24), contra a boate Vinttage Club, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. No relato dado à polícia, o casal disse que foi agredido por seguranças do estabelecimento e que o crime foi motivado por homofobia. No entanto, um funcionário negou a versão e afirmou que um deles agrediu o companheiro, o que deu início à confusão.

De acordo com boletim médico, uma das vítimas teve laceração dos lábios, contusões em diversas partes do corpo, semi-amputação de orelha e fratura de membros inferiores. As agressões teriam ocorrido na madrugada do último sábado (24).

Um deles disse à TV Globo que não sabe ao certo como a briga começou. "Na verdade quando a gente tava saindo, meu namorado me chamou e falou 'vamos sair'. Já tava tendo uma briga lá fora, eu não sei se os ânimos já estavam alterados deles. Aí ele falou 'ninguém vai sair'".

Ele acrescentou: "Foi tudo muito rápido. Me seguraram por trás e nisso que me seguraram por trás já começaram a bater nele. Deram um soco no ouvido dele, foi quando ele caiu. E começaram a bater nele. E aí eu vi aquilo, eu fui pra cima pra poder perguntar 'porque vocês estão batendo nele, o que está acontecendo?'. E aí foi quando eu também fui agredido".

Funcionário rebate versão

O UOL localizou um funcionário da casa que deu outra versão sobre o caso. Segundo ele, um dos homens foi o responsável por agredir o companheiro. Vídeo da boate mostra um início de confusão, mas não permite conclusões sobre as versões.

"Às 4h40 eles estavam para sair da casa e do nada desistiram e encostaram em uma parede que tinha do meu lado. Estavam bêbados. Começaram a discussão. Quando o [homem] moreno encostou no meu braço, o [homem] loiro deu um tapa na mão dele. Quando o moreno encostou pela segunda vez, o loiro pegou ele pela cabeça e o jogou no chão, e foi para cima dele. Eles começaram a se agredir. Chamei a segurança", disse o funcionário.

"Quando a segurança veio o loiro estava atracado com o moreno e por praxe, a gente coloca para fora e o segurança imobilizou o loiro que estava muito alterado. A gente nem sabia que eles eram um casal", acrescentou ele.

A Comissão de Diversidade Sexual e Gênero e a Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Gonçalo acompanha a denúncia e publicou uma nota de repúdio ao suposto caso de violência.

"A Comissão de Diversidade Sexual e Gênero e a Comissão de Direitos Humanos da OAB São Gonçalo, em nome da instituição, repudia veementemente a prática de qualquer ato violento orientado por sexualidade e identidade ou expressão de gênero. A Oitava Subseção se solidariza com as vítimas e seus familiares e acompanhará de perto as repercussões em sede policial e judicial do crime", informou a instituição.

Segundo a OAB, o episódio está "em compatibilidade com provas testemunhais e periciais que instruem o registro de ocorrência, não intui-se outro aspecto motivador senão a sexualidade das vítimas".

Questionada, a comissão de Direitos Humanos da OAB São Gonçalo, reafirmou a nota de repúdio e disse que acompanha o caso.

"Nós da OAB estamos atentos às versões dos fatos. Não acusamos ninguém. Temos interesse na elucidação do caso. Apuramos também que a boate já tem histórico de truculência por parte da segurança. Veja, mesmo que "supostamente" a briga tenha ocorrido entre o casal, jamais poderiam ser truculentos", disse ao UOL, o presidente da comissão da OAB São Gonçalo, Robson Barcelos.

Em nota, a Vinttage Clube afirmou que "repudia qualquer tipo de agressão e atitudes homofóbicas", e que a casa está "apurando todos os fatos e envolvidos para tomar as medidas adequadas".

O UOL conseguiu contato com um dos envolvidos no episódio, mas ele disse que não poderia atender a reportagem no momento.

Notícias