PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Milhares de pessoas se manifestam na Belarus, com mais de 200 detidos

18/10/2020 15h55

Minsk, Bielorrússia, 18 Out 2020 (AFP) - Dezenas de milhares de oponentes marcharam contra o presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, neste domingo (16), apesar das ameaças da polícia de reprimir o protesto em que cerca de 200 manifestantes foram presos com armas de fogo.

Esta marcha é a primeira grande ação desde o ultimato dado a Lukashenko, no poder desde 1994, pela líder da oposição Svetlana Tijanóvskaya, refugiada na Lituânia.

O partido da oposição deu à presidente até 25 de outubro para se retirar, caso contrário ela convocará o país para uma manifestação e uma greve geral.

Ao contrário dos protestos anteriores, os manifestantes no domingo optaram por não desfilar no centro de Minsk, mas em uma artéria no sul da capital, onde várias ficam fábricas, gritando "Greve!" e slogans anti-Lukashenko e anti-polícia.

A porta-voz do Ministério do Interior, Olga Chemodanova, informou à AFP que mais de 200 manifestantes foram presos, quase todos em Minsk, e que a polícia usou balas de borracha contra os manifestantes que atiraram pedras contra eles.

A polícia, porém, não disparou contra a multidão, como havia ameaçado fazer "se necessário", o que teria constituído um sério agravamento da crise.

A polícia bielorrussa já havia disparado munição real no início de agosto durante as primeiras manifestações no sul do país.

Desde o início do protesto, a repressão causou pelo menos três mortes e dezenas de feridos.

- Ultimato -O presidente de 66 anos, sob pressão sem precedentes desde a polêmica eleição presidencial de 9 de agosto, não mostrou intenção de ceder às demandas de seus oponentes - muito pelo contrário.

Todos os líderes da oposição bielorrussa estão agora detidos ou exilados no exterior.

No último domingo, a manifestação semanal em Minsk foi violentamente reprimida pela polícia, que usou canhões de água e granadas de atordoamento contra a multidão e prendeu centenas de pessoas.

Foi a intervenção mais brutal em semanas. Outras manifestações menores foram reprimidas pela polícia desde a última manifestação gigante, há uma semana.

No sábado, durante a tradicional manifestação de mulheres e estudantes, 58 pessoas, entre jornalistas, foram presas, segundo autoridades.

Em seu ultimato, marcado para 25 de outubro, a opositora Svetlana Tijanóvskaya, além da renúncia de Lukashenko, pediu o fim da repressão às manifestações e a libertação de todos os "presos políticos".

Em outra mensagem divulgada neste domingo, ela pediu seus concidadãos a "continuarem expressando" suas "demandas de maneira pacífica e resoluta".

"Não vamos parar até que todos os presos políticos tenham sido libertados e as forças de segurança tenham começado a proteger seu povo e a lei e eleições justas voltem a Belarus", acrescentou.

Desde o início do movimento de protesto, centenas de manifestantes, líderes de movimentos políticos, sindicatos e jornalistas foram presos. Lukashenko tem o apoio de Moscou, mas está sob ameaça de sanções da União Europeia.

A UE já sancionou 40 líderes do regime, incluindo o Ministro do Interior e o seu deputado, acusados de envolvimento na repressão e fraude nas eleições presidenciais de 9 de agosto, cujo resultado não é reconhecido pelos europeus.

Tijanóvskaya fez inúmeras viagens ao exterior e obteve o apoio da Alemanha e da França, entre outros, mas a Rússia considera essas intervenções como uma ingerência e considera que a oposição e a ex-candidata à presidência não são uma interlocutora legítima.

bur/pop/alf/pc/zm/eg/mis/mb/cc

Notícias