PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Pedido de socorro: 5 sinais de que seu carro está implorando por manutenção

Seguir o plano de manutenção é prática recomendável; vale também ficar atento aos sinais de problemas que o próprio veículo dá  - iStock/Getty Images
Seguir o plano de manutenção é prática recomendável; vale também ficar atento aos sinais de problemas que o próprio veículo dá Imagem: iStock/Getty Images
do UOL

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

30/09/2020 04h00

Todo automóvel traz um plano de revisões programadas de acordo com a quilometragem ou o tempo de uso - o que vencer primeiro.

Cumprir rigorosamente esse plano em oficina da rede de concessionárias, inclusive, é condição para que a garantia de fábrica seja mantida durante o período de validade.

Porém, especialmente após a cobertura expirar, muitos motoristas "relaxam" e deixam a manutenção de lado, recorrendo a uma oficina somente na hora em que surgem problemas mais graves.

Isso é bastante comum em carros mais antigos e rodados.

O ideal, claro, é prosseguir com o plano de revisões, seja com um mecânico de confiança, seja em uma oficina oficial da fabricante.

Além disso, antes de uma pane mais séria acontecer, o veículo começa a dar indícios de que algo não vai bem. Vale a pena prestar atenção no que seu carro está "dizendo".

"Olhe com carinho para o automóvel e você perceberá que ele dá sinais", ensina Erwin Franieck, mentor de tecnologia e inovação em engenharia avançada da SAE Brasil.

UOL Carros conversou com o especialista, que aponta cinco sinais de que está mais do que na hora de agendar aquela visita à oficina.

1 - Ruídos na suspensão

Barulho na suspensão? Saiba o que fazer para não sair no prejuízo - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Esse é um aviso clássico de que algo não vai bem no veículo e que ele está implorando por reparos.

De acordo com Franieck, é importante ficar atento a ruídos, especialmente ao passar por buracos, valetas e outros terrenos irregulares.

"As borrachas e os amortecedores falam conosco através destes ruídos", pontua o engenheiro.

Ele ressalta que, se a inspeção do sistema de suspensão for realizada o quanto antes, a chance de ter de arcar lá adiante com um reparo mais caro e complexo só diminui.

"Se você não cuidar disso logo no começo, lembre-se de que este ruído é choque entre metais, que gera pequenos desgastes a cada quilômetro rodado. Isso só vai piorar com o passar do tempo".

2 - Nível do óleo baixo antes do prazo

Nível óleo - Thais Rolland - Thais Rolland
Imagem: Thais Rolland

Todo o manual do proprietário traz as quilometragens e os prazos para troca do óleo lubrificante do motor e do respectivo filtro.

Se o nível começar a baixar antes da hora prevista, esse é um indicativo de que pode haver problemas que requerem atenção e uma análise mais detalhada - sobretudo se o sintoma vier acompanhado de falhas no funcionamento do propulsor, como "engasgos" e perda de potência - além de aumento no consumo de combustível.

O óleo pode estar passando por algum ponto para dentro da câmara de combustão e vice-versa. Isso compromete a ignição, a lubrificação e a eficiência do motor, acelerando o desgaste de componentes internos e reduzindo sua vida útil", alerta o engenheiro da SAE Brasil.

"A cada dia, esse problema tende a aumentar. Isso sem considerar o aumento na poluição que a falta de lubrificação provoca, lançado elementos cancerígenos no ar".

3 - Oscilações na frenagem

Pé do motorista sobre o pedal do freio do automóvel - Foto: Shutterstock - Foto: Shutterstock
Imagem: Foto: Shutterstock

Caso você perceba que o pedal do freio está muito baixo, esse é um indicativo de que está mais do que na hora de levar o veículo para uma oficina.

Afinal, estamos falando de um item fundamental para a segurança.

Oscilações na frenagem e ruídos metálicos são outros sintomas de problemas - que podem ir desde pastilhas e discos desgastados até algum vazamento do fluido de freio, que também pode ter sido contaminado pela umidade - que causa a formação de bolhas e reduz sua eficiência.

"Não deixe para depois, vá logo ao seu mecânico de confiança. Aproveite e também verifique a profundidade dos sulcos dos pneus", recomenda Erwin Franieck.

O especialista destaca que a banda de rodagem não pode estar no mesmo nível da marca TWI (tread wear indicator), que serve como referência relativa ao desgaste dos pneus.

Caso isso aconteça, está na hora de trocar o pneu - vale lembrar que o equipamento também tem prazo de validade, informado na superfície lateral.

"É necessário estar atento às condições dos pneus, principalmente na época de chuvas. De nada adianta os freios estarem bem se os pneus não estiverem. O risco de aquaplanagem, que é a perda da aderência com piso molhado, aumenta consideravelmente".

4 - Luzes de advertência

Luzes de alerta no painel - Foto: Shutterstock - Foto: Shutterstock
Imagem: Foto: Shutterstock

Esse é um "pedido de socorro" fácil de ser identificado e que não se deve ignorar.

Após girar a chave e dar a ignição, ou apertar o botão de partida, em veículos dotados desse recurso, quase todas as luzes de advertência devem se apagar instantes após o motor começar a girar.

Uma das exceções é a luz azul com o desenho de um termômetro, presente em alguns carros, que é desativada apenas após o motor alcançar a temperatura ideal. Outra luz que permanece acesa é a do freio de estacionamento - esta só se apaga depois de o condutor desativar o dispositivo de segurança para começar a rodar.

"Não despreze esses sinais. Quando eles acendem, você pode ter certeza de que algo deve ser verificado", afirma Franieck.

Ele recomenda atenção especial com as luzes vermelhas, como a da temperatura do líquido de arrefecimento e também a do nível/temperatura do óleo do motor.

A luz da injeção de combustível, na cor laranja, também merece atenção e pode indicar uma série de falhas.

"Caso alguma dessas luzes não se acenda, pode haver um problema no próprio painel, mas isso é muito raro de acontecer", complementa.

5 - Odor de combustível

mau cheiro, fedor - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Esse é um alerta importante. Se você perceber cheiro de combustível com o carro estacionado na garagem ou em movimento, é possível que haja algum vazamento - o que traz, inclusive, risco de incêndio.

"Nessa situação, reaja o mais rápido que puder e procure seu mecânico de confiança", destaca o especialista da SAE Brasil.

Franieck também recomenda ficar sempre de olho em manchas de líquidos e fluidos acumulados no piso onde o carro ficou parado de um dia para o outro - este é outro sintoma clássico de algum vazamento.

"Preste atenção também se existe algum odor de queimado, o que é capaz de indicar curto-circuito ou outro tipo de pane elétrica. Aproveite e inspecione regularmente se os faróis e as lanternas têm alguma lâmpada queimada".

Uso severo: veja quando a manutenção deve ser antecipada

Notícias