PUBLICIDADE
Topo

Notícias

OMS confirma 225 mil novos casos de covid-19 no mundo em 24 horas

Coronavírus infectou 33,4 milhões de pessoas no mundo                              - PEDRO PARDO/AFP
Coronavírus infectou 33,4 milhões de pessoas no mundo Imagem: PEDRO PARDO/AFP

De Genebra

30/09/2020 23h52

A pandemia da covid-19, que na terça-feira ultrapassou a barreira de um milhão de vítimas, segundo estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS), somou 3,7 mil novas mortes e 225 mil infecções nas últimas 24 horas, elevando o número total de casos no mundo para 33,4 milhões.

Os dados divulgados nesta quarta-feira no boletim diário da OMS representa uma queda significativa em relação aos dias anteriores, mas é prematuro falar em freio no avanço do novo coronavírus, já que os números diários costumam ser baixos no meio de cada semana e voltam a subir no final.

Mais da metade das mortes por covid-19 foram registradas no continente americano, totalizando 552 mil óbitos, seguido pela Europa (235 mil), sul da Ásia (114 mil) e Oriente Médio (61 mil).

A curva global de mortes diárias permaneceu relativamente estável desde o início da pandemia em março, com entre 5 mil e 6 mil mortes por dia apesar do aumento de casos, o que significa que a letalidade da doença diminuiu ao longo do tempo, especialmente em comparação com os primeiros meses.

Os Estados Unidos, com sete milhões de casos e uma curva de contágio que poderia indicar um terceiro pico de infecções, é o país mais afetado do planeta, seguido pela Índia com 6,2 milhões e o maior número de novos casos diários, ainda perto de 100 mil.

Metade dos dez países mais afetados no mundo em número absoluto são latino-americanos: Brasil está em terceiro lugar (4,7 milhões de casos), Colômbia em quinto (818 mil), Peru em sexto (808 mil), México em sétimo (733 mil) e Argentina em oitavo (723 mil).

Os pacientes recuperados no planeta ultrapassam os 25,2 milhões e o número de casos graves e críticos aumentou ligeiramente nos últimos dias, que atualmente é de 66 mil, 1% dos pacientes ainda não receberam alta.

Notícias