PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Padre Júlio Lancellotti vê 'situação difícil, mas desafiadora' com ameaças

Padre Júlio Lancellotti no Saia Justa - Reprodução/vídeo
Padre Júlio Lancellotti no Saia Justa Imagem: Reprodução/vídeo
do UOL

Colaboração para o UOL

24/09/2020 00h05

O padre Júlio Lancellotti comentou as ameaças que vem recebendo recentemente nas redes sociais e que chegaram a se tornar presenciais, quando um homem o xingou na rua durante a semana passada. Para o sacerdote de 71 anos, a situação é difícil de vivenciar, mas também desafiadora.

No programa "Saia Justa" de ontem, na GNT, ele disse: "É toda uma situação desafiadora e difícil de vivenciar, mas que não pode tirar de nós a esperança e a coragem de enfrentarmos os desafios. Não há caminho de libertação sem enfrentamento, sem desafio e sem dificuldade".

Sobre o episódio que levou o padre a registrar um boletim de ocorrência, ele detalhou: "Houve muitos ataques e criminalização [aos moradores de rua] e acabou que uma pessoa passou de moto me xingando, dizendo que eu defendia 'nóia'. Depois, ainda houve ameaça contra os catadores dizendo que 'ia meter fogo neles'".

O presbítero católico virou alvo de ataques após o deputado estadual Arthur do Val (Patriota), conhecido pelo pseudônimo "Mamãe Falei", e candidato à prefeitura de São Paulo, iniciar uma campanha difamando o religioso, o chamando de "cafetão da miséria" e "uma das maiores farsas do Brasil" nas redes sociais.

Em entrevista ao "El País", o prefeito de São Paulo e candidato à reeleição pelo Executivo municipal, Bruno Covas (PSDB), chegou a defender o trabalho do padre dizendo que ele é "um incômodo, mas um incômodo necessário para que a prefeitura não perca o foco" no atendimento aos moradores de rua.

Lancellotti, que faz trabalhos sociais para amparar moradores de rua há 36 anos e vem se dedicando intensamente à missão de reduzir o impacto da pandemia do coronavírus entre os mais necessitados, recusou escolta policial para proteção. No programa, ele explicou o porquê:

"Eu vou ficar escoltado e o povo de rua torturado e abandonado? A minha escolta é não fazerem mal aos moradores de rua. Se eles não forem mal tratados, eu não estou em risco. O meu risco é o sofrimento e a dor deles, por isso é que não quero privilégios".

Ainda no assunto, Lancellotti complementou: "Por que eu sou melhor que eles [os moradores de rua] e vou ter escolta? Eu gostaria que eles fossem escoltados, então. Não quero agentes do Estado me guardando como se eu fosse um objeto. Quero estar junto do povo que eu escolhi amar e conviver".

O "Saia Justa" é exibido às quartas-feiras, às 22h30, no canal GNT.

Notícias