PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Ernesto Araújo: 'Há consciência insuficiente no mundo sobre a cristofobia'

Ernesto Araújo chamou o discurso de Bolsonaro na ONU de "relevante, inovador e corajoso", e negou que tenha excluído outras religiões - Aloisio Mauricio/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Ernesto Araújo chamou o discurso de Bolsonaro na ONU de "relevante, inovador e corajoso", e negou que tenha excluído outras religiões Imagem: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Estadão Conteúdo
do UOL

Do UOL, em São Paulo

22/09/2020 21h34

O ministro das Relações Internacionais, Ernesto Araújo, reiterou hoje à noite a declaração feita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pela manhã na Assembleia Geral da ONU, sobre a importância do combate ao que chamou de "cristofobia":

"É um conceito que já existe, o presidente não é o primeiro a usar", afirmou Araújo em entrevista à CNN Brasil. "Acho que há uma consciência insuficiente ao redor do mundo sobre a cristofobia. Inclusive em países que já foram de maioria cristã, e onde às vezes a fé cristã é denegrida, atacada, quando outras fés não o são". O termo "denegrir" foi alvo de discussão nesta semana por sua origem racista.

Na ONU, Bolsonaro fez um apelo para que a comunidade internacional defenda a liberdade religiosa — e especificamente combata a discriminação contra cristãos:

"A liberdade é o bem maior da humanidade. Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia", disse o presidente.

"Cristofobia" é um termo que se tornou comum entre os defensores da ideologia conservadora, sobretudo os que se dizem seguidores do ideólogo de direita Olavo de Carvalho. No ano passado, a Câmara dos Deputados realizou em plenário uma sessão solene, protagonizada por parlamentares bolsonaristas e olavistas, em combate ao que é chamado de cristofobia.

Ernesto Araújo chamou o discurso de Bolsonaro na ONU de "relevante, inovador e corajoso" e negou que a fala do presidente tenha excluído outras religiões:

"No nosso caso, país majoritariamente cristão, 90% cristão, que tem no cristianismo parte de sua essência e identidade, nos sentimos na responsabilidade de chamar atenção especialmente para isso."

Para justificar o enfoque exclusivo ao cristianismo, o ministro citou um estudo "dedicado especialmente a estudar o problema crescente e gravíssimo da perseguição aos cristãos". Mas não citou o nome do estudo, seus resultados ou a instituição que o realizou — apenas que teria sido feito no ano passado no Reino Unido.

Notícias