PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Sindicato rejeita decisão e sugere a funcionários dos Correios manter greve

Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

do UOL

Do UOL, em Brasília

21/09/2020 20h26

Em informe direcionado aos sindicatos dos funcionários dos Correios, a direção da Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares) reclama da decisão do TST (Tribunal Superior do Trabalho), que determinou a suspensão da greve e alterou cláusulas trabalhistas, e acusa o tribunal de decisão política.

"Conclamamos a todos os trabalhadores e trabalhadoras do país a se manterem firmes na greve diante dos ataques do governo, que usou o Tribunal Superior do Trabalho para atacar os nossos direitos".

No documento, os sindicalistas dizem que o julgamento de hoje retirou as conquistas da categoria ao longo de mais de 35 anos.

"Não podemos permitir esse ataque, que representa a retirada de até 40% da remuneração dos trabalhadores em meio à pandemia que assola todo o mundo. Uma atitude covarde que os trabalhadores e trabalhadoras não vão aceitar, pois a luta é pelo sustento das milhares de famílias que dependem dessa remuneração", diz o informe.

A Fentect pede que os sindicatos façam suas assembleias amanhã (22) e deliberem pela continuidade da greve. No julgamento do hoje, o TST decidiu por uma multa de R$ 100 mil por dia em caso de continuidade das paralisações.

Assembleias estaduais

A federação organizou alguns trabalhadores que fizeram protestos em Brasília nesta segunda-feira em frente ao Ministério das Comunicações e à sede da empresa em Brasília. O informe salienta que é "importante que os trabalhadores e trabalhadoras que se deslocaram em caravanas para Brasília estejam presentes nas assembleias em seus Estados para decidirem em conjunto a continuidade do movimento paredista".

A Fentech diz ainda que os sindicatos das bases de Rio de Janeiro e São Paulo devem ter assembleia ainda hoje (21) e apela para que eles reafirmem a continuidade da greve. "Neste momento essas bases não podem recuar diante do ataque do Governo Federal, que certamente vai privatizar a Empresa e demitir milhares de pais e mães de família se perdermos essa batalha", escreve a federação.

"Qualquer recuo isolado por parte de qualquer direção sindical neste momento significaria a entrega da categoria nas mãos dos patrões, o que não podemos permitir que aconteça."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Notícias