PUBLICIDADE
Topo

Notícias

'Ele disse: só podia ser preta', relata pedagoga agredida por PM no Amapá

Eliane da Silva diz que até agora não sabe o motivo da abordagem - Reprodução de vídeo
Eliane da Silva diz que até agora não sabe o motivo da abordagem Imagem: Reprodução de vídeo
do UOL

Do UOL, em São Paulo

20/09/2020 22h49

A mulher negra agredida por um policial militar na sexta-feira (18) em Macapá (AP) afirma que, além das agressões físicas, foi vítima de ofensas racistas. Em entrevista à GloboNews, a pedagoga Eliane da Silva relembrou:

"A polícia me torturou no escuro, eu passei mal. Eu disse 'você me respeita', ele falou 'cala a boca, vagabunda'. Eu não devo nada para a justiça, mas fui classificada como uma vagabunda. Novamente eu disse a ele que a gente ia conversar sobre isso na frente do juiz, e foi quando ele disse 'só podia ser preta'."

Ela afirma que o policial a atacou ao perceber que ela estava filmando uma abordagem violenta contra seu marido.

"Ele veio na minha direção e já veio me agredindo, sem conversas, para tomar meu celular. Meteu a mão no meu pescoço, pediu o celular e eu segurei o celular para não cair por conta da agressão, que tinha sido muito forte. Ele me deu uma rasteira, me jogou ao chão e rapidamente me deu um soco."

Nem ela e nem o marido sabem qual foi o motivo da abordagem dos policiais. Eles foram algemados e detidos sob acusação de desacato e, segundo a emissora, pagaram R$ 800 de fiança para serem liberados.

Em publicação nas redes sociais, o governador do estado, Waldez Góes (PDT), lamentou a ação da PM e disse que a abordagem foi "recheada de atitudes racistas".

"Determinei ao Comando Geral da Polícia Militar uma apuração criteriosa e rápida dos fatos mostrados no vídeo. Cenas como essa não podem ser toleradas e não podem se repetir", afirmou Góes.

Notícias