PUBLICIDADE
Topo

Notícias

70 anos da TV no Brasil: 1ª década foi de aventura, improviso e paixão

18/09/2020 10h54

Antes das luzes se acenderem e as câmeras ocuparem o estúdio, a ansiedade tomou conta. Será que aquilo iria dar certo? Experiência, os profissionais tinham de rádio. Agora, a novidade era outra. Não bastariam os sons. As imagens também seriam transmitidas ao vivo, um desafio que deixava artistas, apresentadores, jornalistas e técnicos à beira de um ataque de nervos. Não daria, em tese, para cortar. Mas, começar de novo (quantas vezes fossem necessárias). Tudo com a luz ligada e o coração à boca, como revelam os documentos e pesquisadores da história da televisão no Brasil.

O dia 18 de setembro, uma segunda-feira, entrou para a história brasileira como a data da primeira transmissão da TV Tupi, de iniciativa do empresário Assis Chateaubriand (Chatô), em São Paulo. Setenta anos depois, a primeira década, uma era de experimentação, improviso e muita paixão, deixou um legado que excede o pioneirismo. Uma época de valorização da efervescência cultural que o país experimentava. Era a maior emoção daquele ano quando as três câmeras acenderam as luzes para as palavras do ator Walter Forster: "Está no ar a PRF-3-Tv Tupi de São Paulo, a primeira estação de televisão da América Latina".

Uma história diferente começaria ali naquela noite.

"Quando chega, a televisão tem a seu favor toda a infraestrutura das rádios que já existiam. Os funcionários também tinham a experiência de produção", afirma o professor Flávio Luiz Porto e Silva, pesquisador de história da televisão no Brasil. Ele explica que foi o amplo conhecimento dos profissionais de rádio que viabilizou a experiência da televisão no Brasil. Naquela noite e todos os outros dias que marcaram aquele início de experiência. "Eles vão aprender fazendo", afirma o pesquisador.

Vida Alves e Walter Forster em cena da novela "Sua Vida me Pertence". Eles protagonizaram o primeiro beijo da televisão brasileira, mas o fotógrafo decidiu não registrar por não achar apropriado. Reprodução do livro História da TV Brasileira, de Edgard Ribeiro Amorim. Acervo da AMM.CCSP.

As novelas nessa década já eram queridinhas da audiência. Entre o final de 1951 e início do ano seguinte, " Sua vida me Pertence, com a galã Wálter Forster e a estrela Vida Alves deixou o público curioso em frente ao novo aparelho. "A telenovela, apesar de constante no ar desde 1951, não tinha a duração nem a importância popular das atuais", explica Edgard Amorim.

Nas artes, atores e cantores experimentaram a partir de 1952 um momento singular de profusão cultural. O programa TV de Vanguarda, na Tupi, estreou no dia 17 de agosto (um domingo), como aponta o professor Flávio Porto. "Era o maior de todos os programas de teatro, que ia ao ar às 21h sempre com atraso e se estendia por duas três horas e às vezes até avançava madrugada adentro. Este programa foi o grande laboratório da televisão", afirma o pesquisador. Ele explica que produções dos principais nomes da dramaturgia mundial eram encenados ao vivo pelos atores brasileiros, o que exigia uma performance e estudo inesgotável.

Os diretores inspiravam-se na estética cinematográfica para adequar o conteúdo. O diretor Cassiano Gabus Mendes foi um dos criadores junto com Dermeval Costa Lima. Dionísio Azevedo fazia também parte da direção de espetáculos de autores como Shakeaspeare e Dostoiévski. Em cena, o talento de atores como Bibi Ferreira, Vida Alves Fernanda Montenegro, Fernando Torres, Lima Duarte e Laura Cardoso. As imagens, claro, ainda em preto e branco carregaram novas cores ao público e à arte brasileira há 70 anos. A década deu um novo sentido ao "está no ar"

Outras matérias desta série:

TV Brasileira: a cronologia da primeira década

Filha de Vida Alves atua para preservar memória dos pioneiros da TV

A TV Brasil e os 70 anos da televisão no Brasil

Notícias