PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Ensino médio melhora, mas não deve bater meta em 2022, dizem analistas

Apesar de avanço, país não atingiu meta do ensino médio para 2019 - Getty Images
Apesar de avanço, país não atingiu meta do ensino médio para 2019 Imagem: Getty Images
do UOL

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

16/09/2020 04h00

Especialistas da área da educação avaliam que a melhora do ensino médio brasileiro no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) tem como pano de fundo os esforços realizados pelos estados para a melhoria da gestão escolar e a implementação de políticas focadas na aprendizagem nessa etapa do ensino.

Eles destacam, no entanto, que o país ainda não atingiu a meta e alertam para a dificuldade em cumprir os objetivos estabelecidos para 2021 —a divulgação dos resultados acontecerá em 2022.

Em cenário de estagnação nos últimos anos, o Ideb do ensino médio brasileiro de 2019 —antes da pandemia— subiu 0,4 ponto em comparação à edição anterior da avaliação, de 2017.

Mas, apesar do crescimento, o valor alcançado —4,2— ainda fica longe da meta proposta para o ano de 2019, de 5,0. Para 2021, a meta proposta é ainda mais alta, de 5,2. Os valores incluem tanto a rede pública como a rede privada de ensino.

O Ideb é divulgado a cada dois anos e é composto por dois tipos de dados: as taxas de aprovação, fornecidas pelo Censo Escolar, e o desempenho dos alunos no Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica), que avalia o conhecimento em língua portuguesa e matemática.

"Houve um avanço na proficiência, e é possível ver um salto se comparar com a tendência que vinha sendo observada. Isso surpreende porque nós não tivemos, nos últimos dois anos ou no passado recente, um esforço concentrado e coordenado no âmbito nacional para o ensino médio", afirma Olavo Nogueira Filho, diretor de políticas educacionais do Todos Pela Educação.

O desempenho dos alunos brasileiros do ensino médio em matemática passou de 270, em 2017, para 277, em 2019 —um crescimento de 7 pontos. Em língua portuguesa, o aumento foi maior: de 268, o desempenho médio dos alunos foi para 278 — um aumento de 10 pontos.

Nogueira Filho diz não ver reflexos de medidas aprovadas pelo governo federal como a BNCC (Base Nacional Comum Curricular) e a reforma do ensino médio na mudança do Ideb para esta etapa do ensino. Apesar de terem sido aprovadas nos últimos anos, essas medidas ainda não foram implementadas.

"A BNCC e a reforma do ensino médio são esforços que não chegaram até a sala de aula", diz. Ele destaca que os motivos específicos para as mudanças no Ideb do ensino médio poderão ser melhor explorados com os microdados do indicador, que ainda não foram divulgados, mas afirma que os estados que têm melhor desempenho no Ideb e no Saeb têm características em comum.

Com exceção do Sergipe, todos os estados apresentaram melhora na avaliação do ensino médio de 2019. Apesar disso, apenas Goiás alcançou a meta estabelecida para o estado, que era de 4,8. Considerando apenas a rede estadual, responsável por mais de 97% das matrículas de ensino médio na rede pública brasileira, Goiás e Pernambuco atingiram suas metas.

"Há uma atenção muito forte por parte dos estados que estão mais à frente, como Goiás, Espírito Santo, Pernambuco e mesmo o Ceará, na profissionalização da gestão escolar", diz Nogueira Filho.

"Quando se olha sobretudo os melhores, alguns traços são comuns", concorda Ricardo Henriques, superintendente executivo do Instituto Unibanco. "Há definição de metas, e estruturação de metas não só gerais, mas divididas por escolas. Todos têm uma gestão de aumento da aprendizagem e inclusão dos estudantes".

Coordenadora geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Andressa Pellanda avalia que a melhora no ensino médio no Ideb não é significativa porque o valor sequer atingiu a meta nacional.

"Ainda que haja melhoria nas notas, isso não significa que houve melhoria na qualidade da educação como um todo. Para isso, seria necessário avaliar uma série de outros parâmetros, como infraestrutura das escolas, formação e valorização dos profissionais da educação", diz.

Para ela, ainda há muita exclusão escolar no ensino médio, "que carece também de políticas intersetoriais mais robustas, com programas de aprendizagem, de proteção social".

Já Henriques avalia que, mesmo que o Ideb do ensino médio melhore no mesmo ritmo que o visto entre 2017 e 2019, é "praticamente impossível" atingir a meta estabelecida para 2021, que é de 5,2.

"No entanto, o que mais importaria —e obviamente é preciso pensar no contexto da pandemia— é que nesse ciclo se mantenha a direção que veio de 2017-2019 e se acelerasse a velocidade", diz.

Já Pellanda pondera que não é suficiente chegar à meta do Ideb e não cumprir com outros objetivos.

"Não basta atingir meta do Ideb e não ter política adequada de formação, valorização e condições de trabalho dos profissionais da educação, não ter estrutura adequada para as escolas, e não conseguir responder adequadamente à crise da pandemia na educação, excluindo milhões de estudantes e realizando políticas discriminatórias".

Foco nos anos finais do ensino fundamental

No anúncio oficial dos resultados do Ideb, ontem, o diretor de estatísticas educacionais do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Carlos Eduardo Moreno Sampaio, disse que o resultado para o ensino médio é algo a ser comemorado. "É um crescimento expressivo, porque o ensino médio vinha em um ritmo lento", afirmou.

O presidente do Inep , Alexandre Lopes, também avaliou positivamente os resultados, em especial o crescimento do índice do ensino médio. No entanto, disse ser preciso acelerar esse crescimento.

"O que a gente tem de focar agora são nos anos finais do ensino fundamental. Eles têm tido uma melhora, mas não tão expressiva quanto a do ensino médio", afirmou.

Para os anos finais do ensino fundamental, o indicador ficou em 4,9 em 2019, sem chegar à meta de 5,2. Assim como em edições anteriores, o Brasil só conseguiu atingir os objetivos do Ideb nos anos iniciais do ensino fundamental. Para esta etapa, a meta era de 5,7, e o país chegou a 5,9.

Notícias