PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Cidade no Pará ensina que uso de bicicletas não é só para lazer ou turismo

Getty Images
Imagem: Getty Images
Jamile Santana

Escritora, poeta, cientista social, pesquisadora com estudos no âmbito do mobilidade, direito à cidade e segregação sócio espacial e racial. É cicloativista interseccional e coordenadora da ONG Movimenta La Frida.

do UOL

Colunista do UOL

15/09/2020 04h00

Quando buscamos referências de cidades do mundo que são exemplo na mobilidade por bicicleta, encontramos destinos como Amsterdã, Copenhague, Montreal, Floresça, Munique e Nova York, entre outras cidades europeias ou norte-americanas, que sempre trazem a velha e atrasada visão da hegemonia dos países "branco-descendentes"

Se nos voltarmos para cidades do Brasil, encontraremos nesse ranking Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR), Sorocaba (SP), Brasília (DF). É a visão atrasada da mobilidade como lazer ou turismo, concentrando uma leitura de dentro da bolha central dos eixos urbanos, que também hegemonicamente são habitados por maioria de pessoas euro-descendentes. Seguimos sempre os mesmos exemplos batidos de dentro da bolha.

O que até um dia desses nem eu sabia é que no Norte, no Pará, a cidade de Afuá é o paraíso da mobilidade ativa. Com mais ou menos 40 mil habitantes, o município proíbe por lei o uso de veículo motorizados. Assim, 75% dos moradores utilizam diariamente bicicletas como principal meio de transporte, com até as crianças fazendo parte do trânsito.

Somente 6,2% da população tem emprego formal, mas não pense que, com isso, as pessoas estão paradas. Além de estarem ativas no mercado informal, utilizam formas criativas de serviços adaptados a bicicletas como "bici-taxi", "bici-carreto", "bici-feira itinerante".

Em janeiro deste ano, Renata Falzoni, fotógrafa, videorrepórter, bikerrepórter e cicloativista estreou no youtube o filme " Afuá - Cidade das Bicicletas", que mostra a realidade inspiradora de uma cidade livre de carros e motos, e assim também livre de acidentes. Vale muito a pena assistir.

O impulsionamento da mobilidade ativa, influência na não-emissão de carbono, influencia também na redução das desigualdades com a democratização dos espaços públicos e nos índices de violência, sendo Afuá uma das cidades menos perigosas do Brasil.

Afuá mostra que, para além de turismo e esporte, a bicicleta é uma ferramenta potente de transformação social. Que existe uma cidade "exemplo em mobilidade ativa" mais perto de nós do que imaginamos, e que é possível e prático criar possibilidade integrar a bicicleta ao nosso cotidiano por espaços mais justos e sustentáveis.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Notícias