PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Ministros japoneses visitam santuário patriótico en Japón

15/08/2020 09h22

Tóquio, 15 Ago 2020 (AFP) - Quatro ministros japoneses visitaram neste sábado (15) o santuário de Yasukuni, um local venerado pelos nacionalistas japoneses, mas que no restante da Ásia é considerado um símbolo do passado militarista nipônico.

O primeiro-ministro nacionalista Shinzo Abe fez uma oferenda ritual em dinheiro ao santuário por ocasião do 75º aniversário, neste sábado, da rendição japonesa na Segunda Guerra Mundial, mas não deve comparecer pessoalmente, segundo a imprensa japonesa.

Yasukuni homenageia quase 2,5 milhões de pessoas que morreram pelo Japão em guerras desde o fim do século XIX. Mas o local é muito criticado por chineses e sul-coreanos desde que foram incluídos, de maneira secreta, nos anos 1970 os nomes de 14 criminosos de guerra condenados pelos Aliados ao fim da Segunda Guerra Mundial.

O ministro de Educação, Koichi Hagiuda, explicou que queria homenagear os mortos.

"Prestei uma homenagem às almas que se sacrificaram de maneira nobre durante a guerra", afirmou à imprensa.

Também visitaram o santuário os ministros do Meio Ambiente, Shinjiro Koizumi, das Relações Exteriores, Sanae Takaichi, e Seiichi Eto, titular da pasta da Administração Territorial.

Shinzo Abe não retornou ao local desde sua polêmica visita no fim de 2013, um ano após assumir o governo, uma atitude que provocou a revolta de Pequim e de Seul, além de uma reprimenda diplomática de Washington, grande aliado de Tóquio.

As visitas deste ano acontecem em um momento de grande tensão com a Coreia do Sul, um dos países que mais sofreram as atrocidades cometidas pelos militares nipônicos durante a guerra.

Os dois países anunciaram sanções comerciais recíprocas e citaram ameaças, enquanto temas como trabalho forçado e a escravidão sexual durante a guerra continuam abalando as relações.

O imperador Naruhito e a imperatriz Masako compareceram a uma cerimônia nacional para recordar a data, que foi reduzida devido à pandemia do novo coronavírus.

"Ao olhar para o longo período de paz do pós-guerra, refletindo sobre nosso passado e levando em consideração os sentimentos de profundo remorso, espero de todo o coração nunca volte a acontecer a devastação da guerra", disse Naruhito, que assumiu o trono em maio do ano passado, após a abdicação de seu pai.

si/jah/leg/ahe/vmt/af/ll/fp

Notícias