PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Jovem morto em ação policial fazia manobras com motos, reprimidas pela PM

Gustavo Vinícius Pereira dos Santos, 25, assistente administrativo que participa de "bololôs" por lazer e era amigo de Rogério, morto por um PM no domingo (9) - Marcelo Oliveira/UOL
Gustavo Vinícius Pereira dos Santos, 25, assistente administrativo que participa de 'bololôs' por lazer e era amigo de Rogério, morto por um PM no domingo (9) Imagem: Marcelo Oliveira/UOL
do UOL

Marcelo Oliveira

Do UOL, em São Paulo

12/08/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Rogério Ferreira Júnior, morto a tiros em abordagem da PM, se divertia com motos
  • Ele e outros moradores faziam manobras e barulho com o escapamento
  • Diversão é comum na periferia e sofre dura repressão
  • Amigo e líder comunitário relatam que jovem assassinado era trabalhador

O estudante Rogério Ferreira da Silva Júnior, 19, morto a tiros durante uma abordagem policial no Parque Bristol, na zona sul de São Paulo, era praticante do "bololô", lazer que consiste em fazer barulho com o escapamento e malabarismos com motocicletas. Segundo adeptos da cena, a atividade sofre intensa repressão policial na periferia da capital e são comuns agressões e danos às motos.

Na tarde do último domingo, Dia dos Pais, não foi diferente. Era aniversário de Rogério, que pediu emprestada a moto nova do amigo Guilherme Porto, seu vizinho, para participar da brincadeira, quando a PM chegou à avenida dos Pedrosos, atrás do CEU Parque Bristol, e o derrubou da moto.

Poderia ser mais uma abordagem "corriqueira" da polícia, mas o soldado da PM Guilherme Tadeu Giacomelli, 22, com seis meses de atividade nas ruas, atirou e disse ter se assustado com o adolescente durante a abordagem. Rogério morreu no pronto-socorro.

Apesar de mortes, como a de Rogério, não serem comuns nas ações da PM contra os "bololôs", os "esculachos" (abordagens policiais com xingamentos e agressões) da Polícia Militar contra os praticantes das manobras são usuais. A derrubada de motos como parte da abordagem também.

Derrubando moto

"Os PMs chegam 'esculachando' a molecada e derrubando moto. Muitos jovens acham normal apanhar da polícia desde que a moto não seja apreendida, mas não é normal. Se há infração de trânsito, tem que multar. Falta diálogo", conta o educador Marcelo Dias, que dirige a ONG Novos Herdeiros Humanísticos.

Marcelo Dias, preso injustamente por 6 meses em 2018, milita em ONG da zona sul de São Paulo que auxilia famílias vítimas da violência policial - Marcelo Oliveira/UOL - Marcelo Oliveira/UOL
Marcelo Dias, preso injustamente por 6 meses em 2018, milita em ONG da zona sul de São Paulo que auxilia famílias vítimas da violência policial
Imagem: Marcelo Oliveira/UOL
A ONG atua na região e integra a Rede Protetora, um conjunto de organizações que promove os direitos humanos e denuncia casos de violência policial na região da zona sul conhecida como Fundão do Ipiranga, formada pelos bairros limítrofes com o ABC paulista.

Dias foi vítima de brutalidade policial e acusado de tráfico de drogas sem provas. Passou seis meses preso com base no testemunho de policiais militares. Absolvido por falta de provas, hoje está 100% envolvido com a ONG e a defesa dos direitos humanos em sua comunidade. A instituição ajudou no apoio à família de Rogério e no protesto realizado ontem pelos organizadores do bololô do Bristol.

#Justiçaporrogerio

Uma publicação compartilhada por Grau e Sorte 011 (@grauesorte011) em

"Faz parte da nossa missão preservar a vida em sua totalidade. Estamos solidários à família e a esse movimento. Que este caso, infelizmente, eduque o nosso povo a buscar por Justiça. Abrimos os caminhos para que se mobilizem, mas agora a comunidade é quem tomará a frente", disse.

"Se for parado pela PM, reze"

"Foi o segundo caso de violência policial em cerca de três meses ali na região", conta o assistente administrativo Gustavo Vinicius Pereira dos Santos, 25, formado em recursos humanos e que está fazendo pós-graduação. Além do trabalho fixo na recepção de uma unidade básica de saúde, ele complementa a renda como motorista de aplicativo.

"Nada justifica um policial matar ou dar tapa na cara de ninguém", disse o jovem, que também foi vítima de violência policial.

Gustavo voltava para casa de carro depois de uma balada e havia consumido álcool. Ele admitiu a infração, mas, em vez de ser multado e ter o carro apreendido, foi agredido pelo policial.

"A comunidade sofre repressão constante por falta de um local adequado para o nosso lazer. Porque não podem disponibilizar um estacionamento, com food trucks, banheiros, uma ambulância e policiamento para que a galera possa fazer as manobras em segurança? Para rico tem eventos assim, porque para nós não?", questiona.

Parque Bristol, na zona sul de São Paulo, onde morava e foi morto Rogério Ferreira da Silva Júnior, 19, durante abordagem policial - Marcelo Oliveira/UOL - Marcelo Oliveira/UOL
Parque Bristol, na zona sul de São Paulo, onde morava e foi morto Rogério Ferreira da Silva Júnior, 19, durante abordagem policial
Imagem: Marcelo Oliveira/UOL

"Ninguém é vagabundo. São jovens que estão produzindo, trabalhando para ter uma moto, 'dar um grau' [como são chamadas as manobras com motos]. São entregadores, motoboys, pedreiros, que curtem um lazer no domingo à tarde, horário em que está todo mundo acordado. A distribuição de brinquedos que fizemos nas comunidades no Natal ninguém vê", diz.

"No fim de semana, queremos ter o nosso lazer: fumar um narguilé, beber, curtir um funk ou participar de bololô, mas, em dia de semana, todo mundo tem seu uniforme e é um brasileiro padrão. Quem é bandido, quer ostentar na noite, se drogar, não dar rolê de moto à tarde", afirma.

"Perdi um amigo. Eu estou traumatizado. Todo mundo sabe que o Rogério era um cara trabalhador. Já tinha me ajudado em eventos, trabalhado também de ajudante de pedreiro. Ele se virava. Ele já teve uma moto de 100 cilindradas, mas agora estava sem. Por isso, na homenagem a ele estava escrito RP 100 [veja o post do Instagram acima]. Tem a ver com a motinho que ele tinha."

Gustavo acrescenta que nem todas as abordagens policiais são violentas. "Eu já fui parado de moto, sem a CNH, mas estava com a carteira de trabalho no bolso e fui liberado, mas eu confesso que, ultimamente, tenho medo de morrer numa abordagem policial. Se alguém for parado em rua escura, tem que rezar o pai-nosso", diz.

Novo protesto marcado

O jovem diz que seguirá mobilizado em busca de justiça e que neste final de semana haverá protesto novamente em homenagem a Rogério. "Só quero que o autor dessa morte responda conforme a lei. Que se cumpra a lei que ele jurou defender. O lema da PM é servir e proteger, não é matar", afirma Gustavo.

O UOL questionou a assessoria de imprensa da Polícia Militar sobre qual a estratégia da PM para os bololôs e se a derrubada de motocicletas faz parte de algum padrão de abordagem. A assessoria disse que questionaria o batalhão local. Segundo a assessoria da PM, contudo, a estratégia da corporação nesses casos é semelhante à dos pancadões (festas de funk a céu aberto), mapeando os locais em que acontecem os eventos.

A morte de Rogério é investigada pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil.

Notícias