PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Líder da oposição de Belarus deixa o país

11/08/2020 05h29

Líder da oposição de Belarus deixa o país - Ministro da Lituânia afirma que Svetlana Tikhanovskaya "está em segurança" no país vizinho. Regime de Alexander Lukansheko, no poder desde 1994, vem reprimindo protestos que acusam governo de fraudar eleições,O ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Linas Linkevicius, disse nesta terça-feira (11/08) que a candidata da oposição de Svetlana Tikhanovskaya deixou Belarus e "está em segurança” no país vizinho.

O paradeiro de Tikhanovskaya seguia desconhecido na segunda-feira. Sua equipe de campanha não conseguia contatá-la por telefone depois que ela deixou o prédio da comissão eleitoral de Belarus. Havia o temor de que ela havia sido presa pelo regime de Alexander Lukansheko, no poder desde 1994.



Não está claro se ela fugiu do país ou foi forcada a sair pelo regime de Lukansheko.

O ministro lituano Linkevicius disse a uma rádio do seu país que Tikhanovskaya chegou a ser detida em Belarus por sete horas na segunda-feira, mas não disse por quem e por quê.

O autoritário líder de Belarus, Lukansheko, vem reivindicando a vitória no pleito de domingo. A comissão eleitoral do país, controlada por seu governo, afirma que Lukansheko, conhecido como o "último ditador da Europa”, recebeu 80% dos votos. A oposição, no entanto, afirma que o pleito foi marcado por fraudes sistemáticas e por perseguição aos opositores.

Vários países europeus, como a Alemanha, também consideram que a eleição não foi justa. Berlim afirmou que as eleições não cumpriram "os padrões democráticos mínimos". Não foi permitida a presença de observadores internacionais durante a votação.

Depois do anúncio dos resultados parciais, na noite de domingo, a capital de Belarus, e mais 20 cidades do país, foram tomadas por protestos contra Lukansheko. Milhares de pessoas foram presas durante a repressão. Na noite de segunda-feira, as manifestações ainda persistiam. Soldados foram vistos patrulhando as ruas de Minsk intimidando manifestantes. No domingo, imagens transmitidas por redes internacionais mostraram a polícia lançando gás lacrimogênio, disparando balas de borracha, usando canhões d'água e golpeando manifestantes.

Tikhanovskaya não tomou parte nos protestos. Em junho, as autoridades do país prenderam seu marido, o oposicionista Viktor Babariko. Tikhanovskaya, uma ex-professora de 37 anos, acabou tomando o lugar do cônjuge na corrida para a Presidência.

Segundo os resultados divulgados pela comissão eleitoral de Belarus nesta segunda-feira, Lukashenko obteve 80.23% dos votos, enquanto Tikhanovskaya recebeu apenas 9,9%.

Tikhanovskaya chegou a contestar os resultados antes de sumir de cena na segunda-feira, afirmando para repórteres que "as autoridades precisam pensar em maneiras pacíficas de entregar o poder”. "É claro que não reconhecemos os resultados."

Apesar da inexperiência política, Tkhanovskaya representou o maior desafio já imposto a Lukashenko. Os comícios dela atraíram algumas das maiores multidões observadas no país desde a queda da União Soviética, em 1991. A candidatura deu origem a um novo movimento informal de protesto.

A reação das autoridades foi reprimir. Mais de mil manifestantes foram presos desde o início da campanha eleitoral, em maio, até o pleito, segundo a ONG Viasna. No sábado, véspera do pleito, pelo menos nove membros da campanha de Tkhanovskaya foram detidos. A própria candidata chegou a se esconder na véspera para evitar ser presa.

Jornalistas também foram detidos durante a campanha, incluindo o correspondente da DW Alexander Burakov. O país aparece na 153ª posição no ranking de liberdade de imprensa da organização Repórteres Sem Fronteiras, que inclui 180 países.

Mais de duas décadas no poder

No poder desde 1994, Lukashenko, de 65 anos, um ex-gerente de fazenda coletiva soviética costuma ser rotulado como "o último ditador da Europa" por publicações ocidentais e críticos. Sob sua gestão, o empobrecido Belarus, que tem 9,5 milhões de habitantes, é citado regularmente em relatórios sobre abusos de direitos humanos.

Antes da votação, Lukashenko advertiu que a dissidência não seria tolerada e que ele não desistiria de sua "amada" Belarus. "Não vamos dar o país a vocês", disse Lukashenko, se referindo a seus oponentes, ao falar à nação no início desta semana.

Na última votação, em 2015, Lukashenko declarado vencedor com 83,5% dos votos. Não houve desafiantes de peso, e os observadores eleitorais relataram irregularidades na contagem dos votos.

Mais recentemente, Lukashenko também foi criticado por causa de sua gestão da pandemia de coronavírus. Em março, ele ridicularizou o perigo representado pelo vírus como "frenesi" e uma "psicose". Em vez de impor medidas amplas de isolamento, o líder recomendou à época, sem qualquer base científica, que a população do país empobrecido bebesse vodca e fosse à sauna para combater o coronavírus.

Belarus tem oficialmente mais de 68 mil casos de covid-19 e cerca de 580 mortes. Críticos afirmam que os números foram manipulados e que a situação real é bem pior. Lukashenko anunciou no mês passado que foi infectado pelo novo coronavírus, mas não apresentou sintomas. Ele defende sua gestão da pandemia e afirma que um lockdown teria piorado ainda mais a situação econômica.

JPS/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Facebook Messenger | Twitter
| YouTube | App | Instagram | Newsletter

Notícias