PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Lukashenko lidera tensas eleições presidenciais em Belarus

09/08/2020 16h56

Minsk, Bielorrússia, 9 Ago 2020 (AFP) - O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, no poder desde 1994, se encaminhava neste domingo para a vitória - segundo uma sondagem oficial - nas eleições em que enfrentou uma jovem que conseguiu mobilizar multidões durante a campanha.

Lukashenko obteve 79,7% dos votos nas eleições presidenciais deste domingo, de acordo com uma sondagem oficial na saída das urnas, o que dá à candidata da oposição, Svetlana Tikhanovskaya, 6,8% dos votos.

Embora a maioria das sessões eleitorais tenham fechado às 17H00 GMT, algumas foram autorizadas a permanecer abertas por causa da quantidade de eleitores. A participação foi de 79%, segundo o apurado até às 15H00 GMT.

O clima era tenso na capital, Minsk, com a polícia e forças especiais nas ruas. O resultado será divulgado na noite do domingo ou na manhã de segunda.

"Ninguém vai permitir a perda de controle", prometeu o presidente Lukashenko depois de depositar sua cédula na urna, afirmando que "não havia razão" para o país "mergulhar no caos".

Nos últimos dias, o seu governo aumentou os esforços para impedir o avanço de Tikhanovskaya, prendendo no sábado a sua líder de campanha, Maria Moroz.

Desde o final de julho o governo bielorrusso denuncia um suposto complô de opositores e mercenários russos para destruir o país.

- "Fraudes descaradas" -Neste domingo, partidários da opositora votavam com pulseiras brancas, em sinal de reconhecimento a pedido de Tikhanovskaya, ma professora de inglês de 37 anos, que os convidou a enviar fotos das suas cédulas para organizar uma contagem independente.

"Precisamos de sangue novo, ideias novas", disse à AFP uma eleitora de 26 anos, que preferiu não se identificar.

Nessas eleições, houve a possibilidade do voto antecipado, um mecanismo denunciado pela oposição, que teme uma possível fraude.

"Quero realmente uma eleição honesta", disse Tikhanovskaya aos jornalistas após votar em Minsk, diante do medo anunciado nos últimos dias de que ocorreriam "fraudes descaradas".

O acesso à internet também foi fortemente limitado, impossibilitando a utilização de determinadas redes sociais, serviços de mensagens e sites de consulta de informação próximos da oposição, mas também o site da comissão eleitoral.

Artiom, um programador de 33 anos, disse à AFP ter observado fraudes: "no meu colégio eleitoral há uma participação de quase 100% (...) Não sei como é possível".

Svetlana Tikhanovskaya resistiu apesar do "medo" diário, disse ela à AFP na sexta-feira. De acordo com a imprensa russa e local, ela deixou seu apartamento no sábado por razões de segurança.

Porém, acrescentou que não tinha ilusões quanto ao resultado, já que ocorreram "fraudes descaradas" durante a votação antecipada de terça-feira a sábado.

Diante dessas "preocupantes informações", França, Alemanha e Polônia pediram por eleições "livres e justas".

- 33 mercenários -Antes do surgimento surpresa de Tikhanovskaya, Lukashenko, de 65 anos, eliminou seus principais concorrentes: dois deles estão presos, um terceiro está no exílio.

Três outros candidatos estavam concorrendo, mas nenhum conseguiu mobilizar o eleitorado.

Svetlana Tikhanovskaya substituiu seu marido, Sergei Tikhanovsky, um blogueiro preso em maio quando fazia campanha.

Descrita como "coitadinha" por Lukashenko, ela conseguiu reunir multidões, enquanto Belarus nunca teve uma oposição unida e estruturada.

Para isso, Tikhanovskaya juntou forças com Veronika Tsepkalo, esposa de um opositor exilado, e Maria Kolesnikova, diretora de campanha de Viktor Babaryko, um ex-banqueiro preso quando queria se candidatar.

A votação deste domingo gerou um ambiente de desconfiança nunca antes visto, que chegou até Moscou.

Segundo Lukashenko, o Kremlin pretende transformar Belarus em um país subordinado.

No final de julho, as autoridades bielorrussas prenderam 33 russos, supostamente mercenários do grupo militar privado Wagner, conhecido por ser próximo ao poder russo, acusados de preparar um "massacre" em Minsk.

Moscou rejeitou as acusações, que considerou como parte de um "espetáculo" eleitoral.

Belarus não realiza uma votação considerada livre desde 1995. Em várias ocasiões, manifestações foram reprimidas à força e com pesadas penas de prisão.

Para esta eleição presidencial, Minsk não convidou observadores da OSCE, pela primeira vez desde 2001.

bur-apo/rco/lch/mr/bn/am

Notícias