PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Justiça nega liminar que obriga Testemunha de Jeová a receber transfusão

Hospital Giselda Trigueiro - Divulgação
Hospital Giselda Trigueiro Imagem: Divulgação
do UOL

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Recife

07/08/2020 16h58Atualizada em 07/08/2020 18h04

A Justiça do Rio Grande do Norte negou ontem o pedido de liminar de urgência solicitada pelo governo do estado para obrigar um paciente com covid-19, internado em estado grave, a receber transfusão de sangue, no hospital Giselda Trigueiro, em Natal.

O homem está consciente e se nega a autorizar a transfusão de sangue indicada pelos médicos durante tratamento da doença por ser Testemunha de Jeová. A doutrina religiosa não aceita transfusão de sangue em seus seguidores com base em interpretações da bíblia.

No pedido de liminar, o estado destaca a situação crítica de saúde do paciente, alertando que a transfusão de sangue é necessária para resguardar sua vida, pois ele corre risco de morrer por apresentar redução significativa do nível de hemoglobina no corpo. Além disso, o paciente tem comorbidades, como ser portador do vírus HIV e ter diabetes. O nome do paciente não foi divulgado para preservar a privacidade dele.

O juiz Bruno Montenegro, da 3ª Vara da Fazenda Pública de Natal, entendeu a legitimidade na recusa do paciente sobre as transfusões de sangue, "visto que tal procedimento, para ele, implicaria em tratamento degradante, por afronta direta às suas crenças".

"Ao menos à primeira vista, entendo que deve preponderar a autonomia da vontade do requerido, pessoa adulta, consciente, em plena condição de exercer seus direitos mais caros. Deve ser obedecido o dever de esclarecimento, ao paciente, acerca dos desdobramentos, dos efeitos e das consequências de sua opção, por intermédio de informações adequadas e detalhadas", diz a decisão do magistrado.

O juiz afirma que, caso a liminar fosse aceita e a transfusão de sangue realizada, não haveria possibilidade de reversão dos efeitos da medida para o paciente, sendo assim, não poder atender aos requisitos de concessão da tutela de urgência. "Uma vez permitida a transfusão compulsória de sangue, os direitos titularizados pelo demandado estariam irremediavelmente afrontados. E o pior: com a chancela do Poder Judiciário", justifica Montenegro.

Liberdade de convicção e crença

O magistrado destacou que a recusa de tratamento pelas Testemunhas de Jeová parece ser tendência em julgamentos registrados na Itália, na Espanha, nos EUA, no Canadá e na Argentina, e apontou que a Corte Europeia de Direitos Humanos possui jurisprudência em favor do princípio da autodeterminação e autonomia pessoal na escolha de tratamento médico por parte de adulto capaz, tendo decidido que a liberdade de aceitar ou recusar determinado tratamento médico é protegida pelo direito à autodeterminação pessoal, liberdade de convicção e crença, devendo ser respeitada a opção do paciente, não importando se tal opção possa ou não ser rotulada como irracional.

Desta forma, o juiz afirmou que como o paciente está esclarecido sobre todos os possíveis riscos. "Pouco importa o acerto ou desacerto do dogma sustentado pelas Testemunhas de Jeová. O que se discute e se busca tutelar, aqui, é direito ostentado por cada um de seus membros, de orientar sua própria vida consoante o padrão ético estabelecido por sua própria convicção ou abandoná-lo a qualquer tempo, livremente, se lhe aprouver", explica.

Na decisão, Montenegro reforça que as Testemunhas de Jeová acreditam que Deus permite o consumo da carne de animais, mas impõe a abstenção em relação ao sangue, o qual representaria a alma e a vida. "É dizer: essa religião professa a crença segundo a qual a introdução de sangue no corpo, seja pela boca, seja pelas veias, deságua em violação às leis de Deus, por contrariar os dogmas previstos em diversas passagens bíblicas", destaca.

O magistrado afirma ainda que a medicina evoluiu com tratamentos alternativos que podem oferecer aos pacientes que são Testemunhas de Jeová e que, quando não há escolha, eles optam pela resignação. A decisão traz ainda que somente quando não for possível obter o consentimento informado e quando não existir documento de declaração antecipada de vontade, o médico poderá adotar todos os tratamentos de que dispuser e que entender melhor para o paciente.

Paciente está lúcido, diz hospital

A direção do hospital Giselda Trigueiro informou, por meio da Sesap (Secretaria de Estado da Saúde Pública), que não recorrerá da decisão do juiz e que respeitará a decisão do paciente e de sua família.

O hospital ressaltou, no final da tarde de hoje, que o paciente está lúcido e assinou um Termo de Ciência e Responsabilidade de que está se recusando a realizar o tratamento indicado pela equipe médica.

"A equipe do hospital segue com o tratamento intensivo do paciente, mantendo toda a atenção com o objetivo de conseguir recuperá-lo da doença", disse em nota enviada ao UOL.

Estado tem mais de 54 mil casos de covid-19

Atualmente, o Rio Grande do Norte contabiliza 54.268 pessoas infectadas pelo novo coronavírus e 1.960 mortes desde o início da pandemia. Há, atualmente, 28.243 pessoas recuperadas da doença. Os dados são do último boletim epidemiológico da Sesap (Secretaria de Estado da Saúde Pública), divulgado na tarde de hoje.

Notícias