PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Deputados da Bolívia aprovam tratamento sem base científica para covid-19

Deputados bolivianos aprovam dióxido de cloro como medida preventiva e para tratamento de pessoas diagnosticadas com a covid-19 - Getty Imagens
Deputados bolivianos aprovam dióxido de cloro como medida preventiva e para tratamento de pessoas diagnosticadas com a covid-19 Imagem: Getty Imagens
do UOL

Do UOL, em São Paulo

06/08/2020 16h20Atualizada em 06/08/2020 17h32

A Câmara dos Deputados da Bolívia aprovou hoje um Projeto de Lei que regula excepcionalmente a produção, comercialização, fornecimento e o uso consensual do dióxido de cloro como medida preventiva e para o tratamento de pacientes diagnosticados com a covid-19. O uso não tem base científica. Agora, a proposta segue para aprovação da presidente interina, Jeanine Áñez.

O projeto, aprovado em julho pelo Senado boliviano, inclui modificações que possibilitam laboratórios públicos e privados, autorizados pelo órgãos de saúde locais, a produzir a solução de dióxido de cloro.

Segundo comunicado oficial da Câmara, os fabricantes "devem cumprir com as condições de qualidade e incluir no produto final avisos que comprovem a composição, dosagem, precauções e cuidados na hora de consumir o composto".

Alerta sobre consumo

Em junho, um comitê científico que assessora o governo da Bolívia já havia alertado sobre o consumo do dióxido de cloro para tratar a covid-19 e seus graves danos à saúde, devido às recomendações e solicitações de uso. "O dióxido de cloro é uma substância usada como desinfetante de superfícies e alvejante de materiais orgânicos. Sua ingestão tem vários efeitos colaterais", disse o comitê em um comunicado divulgado pelo Ministério da Saúde.

A Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) informou em abril que não há "nenhuma evidência científica que apoie a segurança ou eficácia" do dióxido de cloro. O órgão ainda afirma que seu consumo "apresenta riscos consideráveis a saúde dos pacientes".

O presidente do Colégio Médico de La Paz, Luis Larrea, também afirmou que o dióxido de cloro é apenas uma substância química e não deve ser usado como medicamento. Ainda criticou que não é dever de uma assembleia aprovar ou não seu uso, mas sim da Agência de Medicamentos do país.

"O dióxido de cloro é uma substância química, e não um medicamento. Portanto, a instância para autorizar o seu uso não é uma assembleia, é a Agência de Medicamentos, porque, caso contrário, se hoje em dia esta aberração é aceita, amanhã qualquer assembleia departamental irá aprovar o que quiser", afirmou Larrea em entrevista à rede Erbol em julho.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, a Bolívia tem hoje 85.141 casos e 3.385 mortes decorrentes do novo coronavírus.

(Com informações da AFP)

Notícias