PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Decisão sobre extensão de auxílio emergencial será tomada ao longo de agosto, diz Funchal

06/08/2020 18h19

BRASÍLIA (Reuters) - A decisão sobre eventual extensão do auxílio emergencial será tomada ao longo de agosto, afirmou nesta quinta-feira o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, acrescentando tratar-se de uma decisão política que também levará em conta a situação da economia e a dimensão do benefício.

"Certamente, a dimensão dessa necessidade é muito menor do que era lá em março", afirmou ele, em live promovida pelo Jota.

Atualmente, o benefício é de 600 reais e, após ter sido estendido por mais dois meses, irá cobrir o período de abril a agosto por um custo de 254,4 bilhões de reais --medida de maior impacto fiscal do governo para o enfrentamento à crise do coronavírus.

Segundo Funchal, se a equipe econômica observar que a atividade já está voltando à situação de normalidade, "certamente" a necessidade de extensão do auxílio será "muito menor".

"Enquanto houver pandemia e enquanto a gente estiver numa situação de necessidade, a gente precisa avaliar", completou.

RECEITAS

O secretário do Tesouro também afirmou acreditar que as receitas dos Estados em 2021 estarão no mesmo nível de 2019, mencionando que os dados para o mês de julho deste ano já estão "no zero a zero" em comparação aos números do mesmo período no ano anterior.

Funchal também disse não prever um eventual quadro fiscal de "quebradeira" dos Estados neste ano, em razão principalmente do congelamento salarial de servidores, que se estende até o fim de 2021.

"Agora, os problemas que existiam antes da pandemia, eles vão continuar existindo. Eu não acho que vão piorar muito por conta da pandemia, acho que não, mas problemas passados vão continuar existindo, e a gente precisa de soluções estruturais para isso", explicou.

Ainda no que diz respeito aos Estados, de acordo com ele, o mês de abril foi o pior em termos de queda da arrecadação, com retorno dos níveis, de forma sucessiva, a partir do mês de maio.

"Hoje, se a gente for analisar, a perda de arrecadação dos Estados, se a gente olha para o ano inteiro, deve estar uma coisa em torno de 4%,5% de queda", explicou.

(Por Marcela Ayres e Gabriel Ponte)

Notícias